Milho bate maior preço em quase 4 meses, o que esperar?

Milho bate maior preço em quase 4 meses, o que esperar?

PARTILHAR
espiga de milho
Foto: Divulgação

Segundo analistas, chama atenção que a valorização tem acontecido mesmo em um estágio avançado de colheita da segunda safra do cereal. Veja o que esperar!

O preço do milho chegou a R$ 52,59 por saca nesta quinta-feira, 6, em Campinas (SP), segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Esse é o mais alto patamar desde 14 de abril. Apenas em agosto, a valorização do grão já chegou a 3,54%. De acordo com a consultoria Safras & Mercado, as cotações em Passo Fundo (RS) e Campinas (SP) já alcançaram valores até maiores, de R$ 55 por saca.

A valorização tem acontecido mesmo em um estágio avançado de colheita do cereal. Favorece esse movimento o ritmo de exportações, que começou a acelerar em julho. A expectativa de analistas de mercado é de que mais de 30 milhões de toneladas sejam embarcadas no segundo semestre.

O analista da Safras Paulo Molinari destaca que a situação atual é realmente diferente para o mercado de milho e que não temos nenhum fator internacional que explique a movimentação dos preços no Brasil.

De acordo com ele, o produtor brasileiro tem se mantido firme no processo de retenção do cereal no interior, na expectativa de que  o preço aumente ainda mais com projeções de dificuldade de abastecimento. Dessa forma, como o produtor está bem capitalizado com a comercialização antecipada, as cotações ficam sustentadas.

Molinari estima que atual segunda safra brasileira de milho deve atingir 74 milhões de toneladas e que a comercialização antecipada já atingiu entre 55% e 60% da produção. Segundo ele, boa parte disso é volume de exportação e outra seria demanda interna.

O restante não comercializado seria o produtor estocando o cereal com o sentimento de que os preços acompanharão os recordes observados na soja.

O que esperar

O analista projeta que o mercado de milho deve ter um ano difícil em termos de abastecimento, pois terminando a colheita da segunda safra, teríamos volume novo de milho para atender a demanda apenas em julho de 2021.

Molinari estima que a safra de verão terá volume pequeno, em virtude da queda de área na temporada por causa dos altos preços da soja. Ele adiciona também o risco trazido pelo fenômeno climático La Niña que deve ocorrer em 2021 e que sempre traz um problema adicional na formação dos preços.

Com informações do Cepea e Canal Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com