Milho colorido não é truque de photoshop

Milho colorido não é truque de photoshop

Milho colorido
Fotos: Reprodução / Greg Schoen

Chamado de milho Gem Glass, essa variação tornou-se sensação na internet, quando uma espiga colorida foi postada no Facebook.

Há quem dissesse que tudo não passava de truque de Photoshop, enquanto outros defendiam que a genética era a verdadeira responsável pela gama de cores.

Pouco tempo depois, uma empresa do Arizona, chamada Native Seeds, que vende sementes raras, começou a aumentar sua produção para suprir a alta demanda que começou a surgir. Atualmente, as sementes ainda podem ser encontradas na loja online da marca.

Apesar de parecer especial, a história por trás do milho Gem Glass não é tão notável. Reportada ainda em 2012, quando o diferente milho começou a chamar atenção internacional. Ela começa com um agricultor, chamado Carl Barnes, hoje em seus 80 anos, que partiu de sua terra natal em Oklahoma para explorar novas raízes nativas da América.

Assim, ele começou a cultivar uma variedade de milhos como uma maneira de se reconectar com sua herança. Entre essas variedades de sementes, era possível identificar e isolar os tipos mais ancestrais, difundidos a partir de tribos nativas americanas que foram realocadas do que hoje é Oklahoma, em 1800.

Ao mesmo tempo, Barnes começou a selecionar, salvar e replantar as sementes de algumas espigas particularmente coloridas. Com o tempo, essa ação resultou em um milho arco-íris. Logo, um agricultor conhecido por ele, Greg Schoen, se reuniu com Barnes em 1994 para uma reunião e conheceu melhor o novo milho. Ambos se tornaram amigos e, ao longo dos anos, Schoen recebia cada vez mais mostras da semente do milho arco-íris.

Em 2005, Schoen começou a produzir o milho colorido em grandes quantidades próximo a Santa Fé, no Novo México, juntamente com outras variedades mais tradicionais. No entanto, quando misturados, acabaram dando origem a novas cepas. E a cada ano sucessivo de plantio, eram produzidos milhos com cores mais vibrantes e padrões mais vívidos.

Ele então passou a nomear os milhos de acordo com os padrões que surgiam: “cores circenses”, “arco-íris verdadeiro”, “azul profundo” e assim por diante. O modelo Gem Glass, visto aqui, foi dado após o nascimento de uma versão azul-verde e rosa-roxo, em 2007.

Em 2009, as diversas variedades de sementes foram passadas para uma empresa de sementes no Arizona, chamada Seed Trust, de propriedade de um executivo chamado Bill McDorman, hoje CEO da Native Seeds, que vende as sementes do Gem Glass online.

Cada pacote – que vem com 50 sementes e pode produzir até 150 espigas – podem ser adquiridos por um valor de $7,95 dólares, e todos eles vêm com instruções sobre plantio. O milho em questão não se adapta a geada, e cresce em qualquer lugar onde o clima é quente e de pleno Sol. Logo, recomenda-se que elas sejam plantadas após a última geada no final da primavera.

Ao contrário do milho doce, o Gem Glass não pode ser comido por meio da espiga, sendo consumido apenas na forma de farinha. Além disso, eles ainda podem ser usados para fazer pipoca (que não saem coloridas) e, por razoes óbvias, como peças ornamentais.

Milho colorido
Fotos: Reprodução / Greg Schoen
Milho colorido
Fotos: Reprodução / Greg Schoen
Milho colorido
Fotos: Reprodução / Greg Schoen
Milho colorido
Fotos: Reprodução / Greg Schoen
Milho colorido
Fotos: Reprodução / Greg Schoen
Milho colorido
Fotos: Reprodução / Greg Schoen
Milho colorido
Fotos: Reprodução / Greg Schoen

Fonte Jornal Ciência