Milho: Commoditie ou necessidade?

Milho: Commoditie ou necessidade?

lavoura-de-milho-capa
Foto: Divulgação
No seu nível básico, o milho é uma planta que converte a energia do sol em energia que promove a vida (calorias), mas o que tem o milho que o distingue de outras plantas?

Como isso causou um impacto profundo em nossa vida diária e realmente se tornou uma necessidade? Para começar a responder a essas perguntas, devemos explorar o papel do milho desempenha em um nível biológico, nível político e dentro de nossos sistemas alimentares.

Qual a função do milho

Milho é uma planta projetada para transformar a luz solar em energia utilizável e tem a capacidade de produzir quatro compostos de carbono, ao contrário da maioria das plantas que fazem apenas três. O carbono é uma forma de energia armazenada, e o milho é um sistema bem projetado para o armazenamento de energia.

lavoura-de-milho-talhao
Foto: Divulgação

Essencialmente, o milho é eficiente; Produz mais energia com menos trabalho, tornando-a a cultura ideal. Há teorias que os nativos americanos foram os primeiros a capitalizar sobre a produtividade do milho. Utilizando tecnologias que melhoraram a produção, assim poderiam aumentar a produção de alimento em áreas menores no mais curto espaço de tempo.

Mesmo que o milho é altamente eficiente, sua estrutura depende de seres humanos para a sobrevivência. As sementes de uma planta de milho, os grãos, são encapsuladas em uma casca fibrosa que deve ser despojado aberto para liberar as sementes, que devem então ser espalhadas para que as plantas de milho pode crescer. É por isso que plantar uma casca inteira de milho não produziria uma planta de milho.

lavoura-de-milho
Foto: Divulgação

Não é possível simplesmente deixar uma espiga sobre o solo e esperar que se transforme em uma lavoura de milho, é necessário que o homem faça o processo de industrialização da semana, inserindo produtos que protejam a semente contra fungos e bacterias que possam interferir no nascimento da planta. Em troca de plantio, o milho fornece grandes quantidades de energia em uma troca mínima. A maior parte da energia produzida no núcleo do milho é derivada do ar e do sol. Precisa muito pouco minerais do solo para prosperar.

A política do milho

Como funciona nos Estados Unidos

O milho não é apenas uma planta, mas também um tema de muita controvérsia política. Portanto, é importante entender as implicações biológicas e políticas que o milho tem em nossa sociedade. Em 1973, Earl Butz, chefe do Departamento de Agricultura, começou a mudar a maneira como os agricultores recebiam o pagamento por milho. Em vez de um sistema de empréstimos e compras governamentais de cereais que haviam sido previamente implementados, os agricultores foram pagos diretamente por um preço-alvo fixo do milho. Isso permitiu que os agricultores vendessem seu milho a qualquer momento sem se preocuparem em perder dinheiro. Mesmo quando os preços baixaram, o governo pagaria a diferença.

 

Fazendas atuais mudaram drasticamente dos ecossistemas diversos do que eram. Em vez de gado, diversidade de plantas e um sistema que produz um desperdício mínimo, as fazendas se tornaram máquinas produtoras de commodities. Com o preço-alvo do milho continuamente caindo, os agricultores devem expandir suas terras e produzir mais milho apenas para quebrar mesmo no mercado. Isso leva a um ciclo perigoso de aumento da produção de uma commodity excedente com um preço artificialmente inflacionado, apresentando um dilema político. O governo está subsidiando um produto com baixo valor de mercado e disponibilidade infinita, tornando o milho um alimento básico para uma população em crescimento. No entanto, a sociedade só pode utilizar tanto desta mercadoria. Com o excedente crescente e os subsídios governamentais continuados, os cientistas tiveram de se tornar criativos.

Quantos itens são feitos de milho?

Novos produtos começaram a surgir no mercado, aproveitando este excedente de milho. Uma área que viu o crescimento do milho foi a indústria alimentícia. Além disso, a indústria de gado programou animais para converter a energia do milho em energia muscular e de gordura, e não algo que eles foram geneticamente projetados para fazer com base em milho. Como resultado, a energia capturada em uma semente de milho é o núcleo de quase tudo o que comemos, o típico confinamento de alto grão.

Infográfico derivados do milho
Fonte: Globo Rural

Com a mudança do clima social, as pessoas começaram a embarcar em um ritmo mais rápido de estilo de vida que já não era propício para as refeições da família e cozinhar. A indústria de alimentos foi atrás da tendência, em 1967, os cientistas criaram xarope de milho de alta frutose, uma forma concentrada e barata de açúcar de milho que é extremamente agradável para o palato humano. Este produto foi apenas o começo introdução de milho em fábricas, produzindo alimentos altamente processados.

Da próxima vez que você estiver no supermercado, pegar um lanche pré-embalado e conferir a lista de ingredientes. A maltodextrina, o ácido ascórbico, a goma xantana, o ácido láctico, a dextrose, a frutose cristalina, a maltose, a cor de caramelo, a lecitina e a MSG são não só comuns em alimentos pré-embalados mas também são todos derivados de milho. Itens que você pode estar mais familiarizado com, como creme de café, Cheez Whiz, iogurte congelado, barras de granola, ketchup, frutas enlatadas, doces, sopas e lanches são surpreendentemente também derivados do milho.

Milho e nossa saúde

Enquanto o milho fornece um alimento barato, caloricamente denso que pode ser distribuído globalmente, a superexposição é uma preocupação crescente. Não é segredo em nossa sociedade que a obesidade é uma epidemia, os custos dos cuidados de saúde estão subindo a um ritmo alarmante e doenças crônicas do estilo de vida estão rastejando seu caminho para as gerações mais jovens. Ainda assim, à medida que a população aumenta, precisamos alimentar as massas.

Fornecer um alimento barato mercadoria como o milho dá a todos o acesso a calorias para abastecer seus corpos, mas em contra partida a deficiências e doenças com exposição contínua. Semelhante aos subsídios de milho entre os agricultores, a prevalência de milho hoje diminuiu tanto o custo e a qualidade dos alimentos, deixando o governo pagando o excedente do custo do milho.

O milho tornou-se parte integrante da nossa vida cotidiana. A influência que tem nas agendas políticas, na diversidade biológica, na eficiência produtiva, nos sistemas alimentares e nos cuidados de saúde revela o seu verdadeiro poder na nossa sociedade. Agora, eu lhe pergunto: o milho é uma mercadoria ou uma necessidade?

Artigo traduzido e ajustado pela equipe do CompreRural.com originalmente do site Fearless Fig, Por: Sarah Greenfield

PARTILHAR

Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.