Milho Safrinha: Época certa da aplicação de Glufosinato de Amônio

Milho Safrinha: Época certa da aplicação de Glufosinato de Amônio

milharal-milho-ceu
Foto: Divulgação

O milho é a segunda maior cultura de importância na produção agrícola no Brasil, sendo superado apenas pela soja. Segundo dados da Conab, divulgados em 2017, o milho verão conta com uma área de 5,5 milhões de hectares, totalizando uma produção de 30,31 milhões de toneladas.

Já no milho safrinha – ou segunda safra –, a estimativa de produção total é de 66,68 milhões de toneladas, cultivadas em 11,8 milhões de hectares.

Para atingir esses impressionantes números em termos de área e produtividade, o bom manejo vem sendo cada vez mais importante, e uma das tecnologias fundamentais é o uso de herbicidas para manejo químico das principais plantas daninhas infestantes da lavoura.

O controle químico é o método mais empregado no manejo de plantas daninhas na cultura de milho. No entanto, estratégias de manejo centradas em um único método, selecionam plantas daninhas tolerantes ou resistentes a esse método (Fleck, 2000). O Manejo Integrado de Plantas Daninhas (MIPD) é considerado a principal ferramenta para reduzir o impacto ambiental dos herbicidas.

O MIPD baseia-se na integração de métodos de controle, tornando os sistemas de cultivo desfavoráveis às plantas daninhas, e minimizando seus efeitos.
Manejo Químico de Plantas Daninhas

O manejo químico de plantas daninhas é realizado basicamente com atrazina, que controla principalmente plantas de folhas largas. Para o plantio consorciado com braquiaria, é comum ainda o uso de graminicidas, que tem o nicosulfuron como principal representante.

Todavia, há outros herbicidas registrados que podem ser utilizados no controle de plantas daninhas de folhas estreitas, como o mesotrione, tembotrione e o glufosinato de amônio.

O glufosinato de amônio pertence ao grupo químico derivado de aminoácidos, e é um herbicida pós-emergente para uso em área total da cultura em pós-emergência.

O mecanismo de ação do glufosinato de amônio ocorre através da inibição da enzima Glutamina Sintetase (GS) na rota de assimilação do Nitrogênio. Com a inibição da GS há um acúmulo de amônia e as células acabam morrendo.

A base da seletividade do glufosinato de amônio em milho e algodão é a presença do gene que permite o uso seletivo deste herbicida sobre as plantas que o expressam.

A aplicação de glufosinato de amônio está condicionada somente às variedades ou híbridos de milho e algodão tolerantes a esse princípio ativo, cuja semente esteja identificada como tal.

O glufosinato de amônio deve ser aplicado quando as plantas daninhas estiverem em crescimento ativo, sendo que os primeiros sintomas de controle podem ser observados a partir do segundo dia após a aplicação.

O estudo

Tendo em vista a importância de saber qual é a melhor época para aplicação do glufosinato de amônio em milho, nós realizamos um trabalho em campo para testar o efeito de fitotoxidez causado pela aplicação de glufosinato de amônio, empregado-o em dois momentos:

Normal (V2 – V4)
Tardio (V6 – V8)

Como o trabalho foi realizado?

Foram feitos 4 ensaios em cidades do PR, SP e MS (quadro 1). Nestes ensaios contamos com parcelas de 6 linhas, com 5 metros de comprimento, e espaçamento entrelinhas de 45 cm no primeiro ensaio (Toledo/PR) e 50 cm nos demais, com 3 repetições.

Híbrido Local Data semeadura
P3340VYH TOLEDO, PR 31/01/2017
30F53VYH PEDRINHAS PAULISTA, SP 23/02/2017
30F53VYH CAARAPÓ, MS 20/02/2017
30F53VYH IBIPORÃ, PR 22/02/2017

Quadro 1.

As aplicações de glufosinato de amônio na dose de 2,5 litros/hectare foram realizadas quando as plantas chegaram aos estádios normal (V2 – V4) e tardio (V6 – V8).

Tratamento Época
T1 Sem aplicação
T2 V2-V4
T3 V6-V8

Quadro 2.

As avaliações foram feitas com base no padrão da DuPont (quadro 3) e 7, 14, 21 dias após a aplicação.

Conceito Toxicidade / Seletividade (Descrição)
100 Total Destruição, 100% morte de plantas
80 Extremamente severo, 75% morte
60 Muito severo, redução de estande, 25% morte
40 Severo, clorose / engruvinhamento / necrose / queima / redução do porte
30 Aceitável comercial / sem dano econômico
20 Aceitável, amarelecimento / clorose mais intensa / engruvinhamento
15 Definido, sem dano econômico, amarelecimento, clorose, engruvinhamento
10 Definido, amarelecimento visível
5 Leve, pequeno amarelecimento
3 Duvidoso, parece apresentar algum sintoma
0 Nenhum sintoma visível

Resultados

Imagem 1.Resultado das produtividades de cada tratamento
Imagem 2.Notas de toxicidade de cada tratamento
Imagem 3.Avaliações de plantas acamadas, dominadas e abortadas em cada tratamento

Imagens comparativas de toxicidade

Imagem 4.Testemunha. Avaliação aos 14 dias após aplicação. Local: Toledo/PR
Imagem 5.Glufosinato de amônio + Atrazina, aplicado em V6 – V8. Avaliação aos 14 dias após aplicação. Local: Toledo/PR

Conclusões

Os resultados foram bastante expressivos no que diz respeito, principalmente, às notas relacionadas à toxidez visual do ensaio.

Com notas altas, os ensaios de Toledo/PR e Pedrinhas/SP indicam uma queda de produtividade significativa, de até 84 sc/ha, em função da aplicação de glufosinato de amônio ter entrado mais tarde e os estádios de desenvolvimento mais avançados.

Aplicações realizadas no estádio inicial foram seletivas ao milho, ocorrendo leve amarelecimento e com total recuperação do milho posteriormente.

milho-milharal-zoom
Foto: Divulgação

Por outro lado, aplicações realizadas no estádio de V7, a fitotoxidez foi elevada e houve baixa recuperação do milho, reduzindo o porte de plantas e influenciando diretamente na produtividade da cultura.

Além disso, foi observado um aumento significativo de plantas dominadas e abortadas quando houve aplicação tardia de Herbicida.

Tendo em vista o resultado deste trabalho, concluímos que é necessário ter cuidado com o posicionamento do glufosinato de amônio em aplicações aéreas na cultura do milho, ficando o seu uso restrito apenas aos estádios iniciais, não devendo ser aplicado após V5.

Dúvidas sobre a melhor época para aplicação de glufosinato de amônio? Acesse o site da Pioneer Sementes que eles responderam as dúvidas.

Referências:

Conab 1Conab 2MonsantoFundação MSScielo.br

FLECK, N. G. Controle de plantas daninhas na cultura do arroz irrigado através da aplicação de herbicidas com ação seletiva. Porto Alegre: Edição do Autor, 2000. 32 p.

-- conteúdo relacionado --
Milho orgânico da Embrapa traz mais qualidade de v... "Só de ter dado um bom milho, já é sinal de que ele pode expandir para outras pessoas, já que temos a semente.", disse um dos agricultores. Sistemas ...
Projeto da Aprosoja fomenta armazenagem em MT A cada ano a cena se repete durante a colheita do milho em Mato Grosso: toneladas de grãos a céu aberto formam “montanhas” próximas às tradings. Com ...

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com