MIP e bioinsumos mudam o olhar para as coisas do campo

PARTILHAR
Artigo-Bioinsumos-mudam-o-olhar-no-campo
Foto: Divulgação

É indispensável que o agricultor estude, pesquise, consulte, seja curioso em relação a como cada produto biológico se encaixa na necessidade da produção

Por Marcelo Poletti* – O interesse por insumos biológicos cresce em ritmo pujante. Conforme dados da consultoria Spark, agora Kynetec Brasil, a movimentação desses produtos totalizou R$ 1,7 bilhão no ciclo 2020-21, 37% acima do ciclo anterior (R$ 1,3 bilhão). Os bionematicidas lideraram as vendas, com a participação de 43% (R$ 724 milhões). Na segunda posição ficaram os bioinseticidas, que responderam por 25% ou R$ 417 milhões, seguidos dos biofungicidas: 9% ou R$ 159 milhões.

Segundo especialistas, os principais fatores impulsionadores desse mercado são a efetividade agronômica de agentes biológicos, inclusive no manejo de populações de pragas resistentes a produtos químicos, e a inocuidade dos bioinsumos frente ao meio ambiente, à saúde das pessoas e ao planeta. Pesam ainda no desempenho do segmento a ausência de resíduos de bioinsumos em alimentos e a aderência dos produtos a programas de baixa emissão de carbono e agricultura regenerativa.

A partir de agora, o principal desafio para a continuidade do avanço dos biológicos no Brasil passa pelo chamado mindset (mentalidade, numa tradução simples). Isso pressupõe dizer que a cadeia produtiva do agronegócio tem de assumir, como bandeira, influenciar no mindset biológico do agricultor. Por sinal, o mindset biológico será alcançado quando todas as operações gerenciais envolvendo bioinsumos forem planejadas com esmero, desde a tomada de decisão de compra até o armazenamento e a aplicação de um bioproduto.

No momento da compra, por exemplo, cumpre ao agricultor investigar referências de fabricantes e fornecedores de bioinsumos. Estes produtos devem estar registrados nos órgãos oficiais Anvisa, Ibama e Ministério da Agricultura. Observar atentamente rótulos e bulas, ressalte-se, é o procedimento mais recomendado nesse sentido.

Faz-se relevante ainda, ao agricultor, estar atento às concentrações de produtos oferecidos como “biológicos”, de modo que ele calcule a melhor relação custo-benefício entre marcas comerciais. Já após a compra, biológicos devem ser mantidos em condições adequadas, conforme instruções de fabricantes. Produtos microbiológicos (vírus, bactérias e fungos), em geral, permitem armazenamento em prateleiras por mais tempo, cerca de 12 meses. Os baculovírus, como aqueles empregados no controle da lagarta-do-cartucho do milho, se situam entre os de maior prazo previsto para armazenagem. Mas há várias exceções. Os ácaros predadores, e as microvespas Trichogramma e Telenomus, somente podem ser conservados por poucos dias. Neste caso, será determinante ao sucesso de um tratamento a campo uma perfeita sinergia entre fabricante-fornecedor e agricultor, uma vez que a entrega destes produtos tem de ocorrer dias ou horas antes da aplicação. Já os chamados produtos macrobiológicos (ácaros, insetos e nematoides) não apresentam mínimas condições de armazenagem, pois são perecíveis.

Tratemos, por fim, do momento mais esperado pelo agricultor após adquirir um produto biológico: a aplicação na lavoura. Se não houver conhecimento e planejamento nesse processo, como em quase tudo na vida, há chance potencial de algo dar errado. Expliquemos: alguns biológicos agem somente sobre ovos de pragas; outros, sobre lagartas. Há, ainda, bioinsumos que só ‘funcionam’ se houver condições adequadas de temperatura e umidade relativa do ar no momento da aplicação. Torna-se indispensável, portanto, que o agricultor interessado nos biológicos estude, pesquise, consulte, seja curioso em relação a como cada bioinsumo se encaixa na medida da necessidade da produção.

Essa mudança de comportamento retornará benefícios de alto valor às propriedades rurais. O avanço da inserção em escala dos biológicos, e de sua integração aos químicos, entregará mais produtividade e rentabilidade, além de agregar padrões de excelência em sustentabilidade agrícola.

Altamente adequados ao MIP ou manejo integrado de pragas, os bioinsumos constituem uma ferramenta estratégica para mudar, para melhor, a imagem do campo perante a sociedade brasileira, mais exigente a cada dia na posição de consumidora de alimentos. E uma peça central do motor da economia agrícola.

Marcelo Poletti é engenheiro agrônomo, fundador e CEO da Promip, desenvolvedora de produtos biológicos para manejo integrado de pragas.

🚀 Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? ✅ 👉🏽 Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). 🚜🌱 Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.