Mulheres ocupam 30% dos cargos de comando no campo

Mulheres ocupam 30% dos cargos de comando no campo

PARTILHAR
mulheres-do-agronegocio
Roberta Maia, Maiana Cavalheiro, Beatriz Brito, Stéphanie Ferreira, Juliana Cascão - Lideranças jovens do agronegócio em Mato Grosso do Sul

O jornalista Douglas Gavras do Estadão publicou no último dia 27 de Janeiro artigo sobre a ocupação de cargos de comando em empresas do campo por mulheres, confira abaixo.

Levantamento que antecipa o Censo Rural do IBGE mostra que a participação de mulheres na administração de propriedades rurais no Brasil passou de 10%, em 2013, para 30% no ano passado

Os anos recentes não foram só de ganho de produtividade e aumento do uso da tecnologia no campo. Ele também ficou mais feminino. Uma em cada três propriedades rurais do País tem mulheres ocupando funções de comando – há cinco anos, eram 10%. Quando não são as principais responsáveis pelas propriedades, elas atuam como administradoras, dividem as atividades com um familiar ou estão sendo preparadas para assumir essas funções.

Os dados são de uma pesquisa da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA) e antecedem o Censo Agropecuário, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que deve ficar pronto este ano. O levantamento foi feito ao longo de 2017, com 2.090 agricultores e 717 pecuaristas de 15 Estados.

Os dados são de uma pesquisa da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA) e antecedem o Censo Agropecuário, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que deve ficar pronto este ano. O levantamento foi feito ao longo de 2017, com 2.090 agricultores e 717 pecuaristas de 15 Estados.

“O meu pai não é de uma família de pecuaristas tradicionais, começou tudo do zero e sempre disse que nos criaria para tomar conta do negócio no futuro, ensinando todas as funções que um filho homem teria de aprender”, conta. “Muitas meninas acabam ouvindo que não dariam conta de tocar uma fazenda. Acho que ter aprendido desde cedo que seria capaz de administrar o negócio foi uma das coisas mais importantes.”

Fernanda se formou em veterinária há cinco anos. “Já conhecia a vida no campo na prática e queria uma visão mais profissional, para tentar aprimorar o nosso negócio.” Ela chegou a trabalhar por um ano na indústria de alimentos, mas decidiu voltar. Há dois anos, substituiu o pai na função de gerente administrativo da fazenda.

Após assumir a gerência, o número de cabeças de gado subiu de 4 mil para 6,3 mil. “Conseguimos dividir funções e cada um oferece o que tem de melhor para a fazenda.” O pai de Fernanda negocia a compra e venda de animais, enquanto o marido dela, agrônomo, cuida da produção de ração. “As barreiras não desapareceram por completo para as mulheres, mas ficaram menores.”

Com o aumento do uso da tecnologia no campo, a força física deixou de ser uma barreira para muitas atividades, lembra Ricardo Nicodemos, coordenador da pesquisa da ABMRA. Elas também estão se preparando mais para assumir as funções. Uma em cada quatro mulheres tem formação superior. Entre os homens, um em cada cinco.

“Essa nova dinâmica do agronegócio faz com que as mulheres ganhem destaque. Embora os homens sejam a maioria dos entrevistados, para 81% dos agricultores e pecuaristas, a participação delas é vital ou muito importante”, diz Nicodemos.

Confira a matéria na íntegra, clicando aqui.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com