Novidade: Conheça futuras novas tecnologias na agricultura

Novidade: Conheça futuras novas tecnologias na agricultura

PARTILHAR
Futuras Tecnologias de Agricultura Foto: That's Farming
Futuras Tecnologias de Agricultura Foto: That's Farming

Uma revolução tecnológica na agricultura liderada por avanços na robótica e nas tecnologias de detecção parece proibir a prática moderna.

A tecnologia está presente em todo lugar. Na agricultura também não é diferente. Atualmente estão sendo desenvolvidas ferramentas que vão e já estão facilitando a vida do produtor no campo.

Segundo o artigo, publicado pela pela revista internacional Nature, ao longo dos séculos, os agricultores adotaram mais tecnologia na busca de maiores rendimentos, a crença de que “maior é melhor” passou a dominar a agricultura, tornando as operações em pequena escala impraticáveis. Mas os avanços nas tecnologias de robótica e sensoriamento ameaçam perturbar o modelo de negócios do agronegócio atual.

As tecnologias de robótica e detecção do século XXI têm o potencial de resolver problemas tão antigos como a própria agricultura. Segundom Simon Blackmore, engenheiro da Harper Adams University em Newport, Reino Unido “mudando para um sistema agrícola robótico, podemos fazer a produção de culturas significativamente mais eficiente e mais sustentável”.

Em estufas dedicadas à produção de frutas e vegetais, os engenheiros estão explorando a automação como forma de reduzir custos e aumentar a qualidade. Dispositivos para monitorar o crescimento de vegetais, bem como os seletores robotizados, estão atualmente sendo testados. Para os criadores de gado, as tecnologias de detecção podem ajudar a gerir a saúde e o bem-estar dos seus animais.

ELIMINAR PRAGAS

O trabalho também está em andamento para melhorar o monitoramento e manutenção da qualidade do solo e eliminar pragas e doenças sem recorrer ao uso indiscriminado de produtos agroquímicos.

Os drones com pulverizadores de precisão (inserir) aplicam produtos agroquímicos apenas onde são necessários.
Os drones com pulverizadores de precisão (inserir) aplicam produtos agroquímicos apenas onde são necessários.
Foto: Crop Angel Ltd

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação estima que 20 a 40 % dos rendimentos das culturas globais são perdidos anualmente para pragas e doenças, apesar da aplicação de cerca de dois milhões de toneladas de pesticidas.
Dispositivos inteligentes, como robôs e drones, poderiam permitir que os agricultores reduziriam o uso agroquímico ao detectar os inimigos da safra anteriormente para permitir uma aplicação química precisa ou a remoção de pragas, por exemplo. “O mercado exige alimentos com menos herbicidas e pesticidas e com maior qualidade”, diz Red Whittaker, engenheiro de robótica da Carnegie Mellon, que desenhou e patenteou um sistema de orientação automatizado para tratores em 1997. “Esse desafio pode ser cumprido pelos robôs. “completou.

COLHEITAS

Outra tecnologia que pode surpreender o produtor é o de colheita de frutas. Segundo Eldert van Henten, engenheiro agrícola da Universidade de Wageningen, na Holanda “Os seres humanos ainda são melhores do que os robôs, mas há muito esforço na colheita automática”, mais isso pode mudar, no Reino Unido, a Green desenvolveu uma colheita de morangos que ele diz que pode escolher a fruta mais rapidamente do que os humanos. Baseia-se na visão estereoscópica com câmeras RGB para capturar a profundidade, mas são seus poderosos algoritmos que lhe permitem escolher um morango a cada dois segundos. As pessoas podem escolher 15 a 20 por minuto, estima-se Green.

O grande obstáculo para a comercialização, no entanto, É que os produtores de alimentos exigem robôs que possam escolher todos os tipos de vegetais, diz van Henten. A variedade de formas, tamanhos e cores dos tomates, por exemplo, torna-se um desafio difícil, embora já haja um robô disponível para remover folhas indesejadas das plantas.

Outro ponto chave para procurar eficiências é o tempo. Escolher muito cedo é um desperdício porque você perdeu o crescimento, mas escolher muito tarde, reduz as semanas do tempo de armazenamento. A engenheira de precisão Manuela Zude-Sasse, do Instituto Leibniz de Engenharia Agrícola e Bioeconomia em Potsdam, na Alemanha, está conectando sensores a maçãs para detectar seu tamanho e níveis de pigmentos, clorofila e antocianina. Os dados são alimentados em um algoritmo para calcular o estágio de desenvolvimento e, quando o tempo está pronto para a escolha, os produtores são alertados pelo smartphone.

COLEIRAS INTELIGENTES

Afimilk-Ltd
Coleiras inteligentes
Foto: Afimilk-Ltd

Coleiras inteligentes – um pouco como os dispositivos portáteis projetados para rastrear a saúde humana e a aptidão – foram usados ​​para monitorar as vacas na Escócia desde 2010.

Desenvolvido pelo Glasgow’s start-up Silent Herdsman, o colete monitora a fertilidade por atividade de rastreamento – as vacas se movem mais quando Eles são férteis – e usa isso para alertar os agricultores para quando uma vaca está pronta para se acasalar, enviando uma mensagem para o laptop ou para o smartphone.
Os colares que estão sendo desenvolvidos pela empresa israelense de tecnologia de produção de lácteos, Afimilk, depois de terem adquirido o Silent Herdsman no ano passado, também detectam sinais iniciais de doença, monitorando o tempo médio que cada vaca gasta comendo e ruminando e alertando o fazendeiro Através de um smartphone se diminuir.

SOLO

A. Ruckelshausen / Univ. Ciências Aplicadas Osnabrück
A. Ruckelshausen / Univ. Ciências Aplicadas Osnabrück

O recurso mais rico para os agricultores é o solo. Mas grandes danos de colheitadeiras e solos compactos, e o uso excessivo de produtos agroquímicos, como o fertilizante nitrogenado, é ruim tanto para o meio ambiente como para a base do agricultor. Robótica e máquinas autônomas poderiam ajudar.

Os dados de drones estão sendo usados ​​para uma aplicação mais inteligente de fertilizante nitrogenado. “A vegetação saudável reflete mais luz do infravermelho próximo do que a vegetação não saudável”, explica cientista Jason Barton, um executivo da Agribotix.

O mapeamento do solo abre a porta para a semeadura de diferentes variedades de culturas em um único campo para combinar melhor as propriedades do solo, como a disponibilidade de água. “Você poderia diferencialmente semear um campo, por exemplo, plantando variedades de cevada de raízes profundas ou variedades de trigo em partes mais arenosas”, diz Maurice Moloney, diretor executivo do Instituto Global de Segurança Alimentar em Saskatoon, no Canadá.

Crescer várias culturas em conjunto também pode levar a um uso mais inteligente de agroquímicos. “A natureza é forte contra a monocultura, que é uma razão pela qual temos que usar quantidades maciças de herbicidas e pesticidas”, diz van Henten. “É sobre fazer o melhor uso dos recursos”.

Embora algumas dessas tecnologias já estejam disponíveis, a maioria está em fase de pesquisa em laboratórios e empresas spin-off. “Os fabricantes de máquinas grandes não estão colocando seu dinheiro na fabricação de robôs agrícolas porque ele vai contra seus modelos de negócios atuais”, diz Blackmore. Pesquisadores como Blackmore e Kantor fazem parte de um corpo crescente de cientistas com planos para revolucionar a prática agrícola. Se eles tiverem sucesso, eles mudarão como produzimos alimentos para sempre. “Nós podemos usar a tecnologia para duplicar a produção de alimentos”, diz Richard Green, engenheiro agrícola do Harper Adams.

Fontes: That’s Farming | Nature