NZ: Fonterra está otimista e vê ‘perspectivas positivas’ para lácteos

PARTILHAR

“Olhando para o futuro, vemos uma perspectiva positiva para os laticínios. Continuamos a ver uma dinâmica favorável de oferta e demanda”.

A Fonterra disse que as perspectivas para os laticínios são positivas, e a cooperativa divulgou uma previsão otimista para o lucro do ano inteiro.

A maior processadora de leite da Nova Zelândia espera que os lucros no ano encerrado em 31 de julho estejam “no máximo” de sua orientação publicada anteriormente de 25 a 35 centavos de dólar neozelandês (16 a 22,5 centavos de dólar americano) por ação, disse em comunicado ao NZX. A empresa divulgará seus resultados anuais em 22 de setembro.

“Embora ainda estejamos no processo de finalização e auditoria de nossos números do ano fiscal de 2222, agora temos certeza suficiente para fornecer uma atualização antes do anúncio de nossos resultados anuais em setembro”, disse o executivo-chefe Miles Hurrell. “Nossa cooperativa fez um bom progresso em relação à nossa estratégia nos últimos 12 meses e esperamos atualizar nossos stakeholders quando divulgarmos nossos resultados em setembro”, disse ele.

“Olhando para o futuro, vemos uma perspectiva positiva para os laticínios. Continuamos a ver uma dinâmica favorável de oferta e demanda e permanecemos bem posicionados para continuar entregando de acordo com nossa estratégia”.

O fornecimento de leite em todo o mundo foi restringido, pois os altos custos de alimentação, fertilizantes e energia impactam os volumes de produção.

No entanto, depois de bater um recorde em março, os preços dos laticínios enfraqueceram nos recentes leilões globais, à medida que a interrupção dos lockdowns do Covid-19 na China, uma crise econômica no Sri Lanka e o conflito Rússia-Ucrânia pesam sobre a demanda e os compradores hesitam em preços mais altos em um ambiente de alta inflação e gastos limitados do consumidor.

Ainda assim, a maioria dos analistas permanecem positivos em relação às perspectivas devido à demanda de longo prazo e à dinâmica da oferta.

As unidades do Fundo de Acionistas Fonterra, que dá aos investidores externos acesso aos dividendos da cooperativa, subiram 2% para US$ 3,03 quando o mercado abriu às 10h.

Os altos pagamentos de leite aos produtores e as interrupções globais impactaram a lucratividade recente da Fonterra, com a cooperativa relatando uma queda de 22% no lucro para NZ$ 472 milhões (US$ 304,10 milhões) nos nove meses até o final de abril.

Os lácteos são os produtos de exportação que mais geram valor da Nova Zelândia, e o valor das exportações de leite em pó, manteiga e queijo aumentou 7,1%, para NZ$ 1,7 bilhão (US$ 1,1 bilhão) no ano até 30 de junho, de acordo com os dados mais recentes do Stats NZ.

Fonte: Stuff

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com