O Brasil vai parar: Caminhoneiros planejam paralisação e manifestação

O Brasil vai parar: Caminhoneiros planejam paralisação e manifestação

PARTILHAR
caminhao
Fonte:André Santos / PMU

Mobilização é contra impostos sobre o óleo diesel; entidade que representa a categoria afirma prevê manifestações pacíficas, apenas com interrupção do transporte de cargas

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) convocou os caminhoneiros autônomos do país a participarem de paralisação nacional a partir das 6h de segunda-feira, dia 21, contra os impostos sobre o óleo diesel.

“A decisão foi tomada após esperar por uma resposta do governo federal, que até o momento não tomou qualquer iniciativa em relação aos pleitos feitos pela categoria”, disse, em nota, a Abcam, nesta sexta-feira, dia 18.

O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, disse que até as 18h da sexta aguardava um posicionamento do governo. A principal reivindicação, segundo Lopes, é a retirada dos encargos tributários sobre o óleo diesel.

A Abcam protocolou na segunda-feira, dia 14, ofício na Presidência da República e na Casa Civil pedindo que o governo zere a carga tributária sobre operações com óleo diesel e também a isenção da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre a receita da venda interna de óleo diesel a ser usado pelo transportador autônomo de cargas.

“A necessidade que temos é essa, e a nossa perspectiva é levar isso até o fim”, disse Lopes, ressaltando que a paralisação não tem data para terminar.

“Estamos taxativos e objetivos. Se não tirar tributos do diesel, não tem acerto, continuamos parados.”

Segundo ele, o diesel representa 42% do custo dos transportadores autônomos.

A Abcam tem 600 sindicatos e 7 federações filiadas e representa de 600 mil a 700 mil caminhoneiros no Brasil. Lopes projeta adesão em torno de 60% a 70% da categoria no Brasil até o meio-dia de segunda-feira. Segundo o representante, nos primeiros dias a maior adesão deve ser no Sul e Centro-Oeste do País para depois se estender para Norte e Nordeste.

Outras entidades também vão aderir à paralisação, segundo a Abcam: União Geral dos Transportadores Escolares (Ugtesp), Cooperativa de Turismo do Distrito Federal (Coopetur), Sindfrete, Unitrans Brasil, Sindicato de Escolares de Pernambuco e Sindicato de Taxistas de São Paulo e Nordeste.

Lopes ressaltou, ainda, que a associação prevê manifestações pacíficas, com apenas interrupção do transporte de cargas, diferentemente do que aconteceu em 2015. “Queremos todo mundo em casa e, quem não puder chegar em casa, que pare em um posto de abastecimento. A gente não gostaria de ver ninguém trancando rodovia, queimando pneu e quebrando caminhão. Caso contrário, não vamos conseguir atingir os nossos objetivos.”

Abastecimento

O presidente da Abcam disse também que, mesmo que o governo decida chamar os caminhoneiros para conversar na segunda-feira, o diálogo vai ocorrer em meio à paralisação.

“Não vamos aceitar pedidos para suspender o movimento e vir conversar, de maneira nenhuma. Temos hora e dia para começar, mas não temos hora e dia para parar.” Ele ressaltou que, se a greve se estender por cinco a seis dias, o comércio e o agronegócio devem ser afetados pelo desabastecimento de produtos.

Caminhões que na segunda-feira estejam em trânsito com carga viva terão a passagem liberada para descarregar.

Aprovado projeto que prevê carro mais barato a produtor rural

Com Informações do Estadão Conteúdo

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com