O consumidor de carne bovina de amanhã está evoluindo

PARTILHAR
Foto: Divulgação

A evolução dos consumidores e a mudança dos padrões de compra de carne bovina pós-pandemia dão aos produtores de gado pontos de entrada para um mercado melhor e educar os consumidores de amanhã.

Os consumidores ainda gostam de carne bovina no centro de seus pratos, mas suas necessidades estão evoluindo, explicou Danette Amstein, da Midan Marketing. Ao entender essas necessidades em constante mudança, os produtores de gado podem ajustar suas práticas de produção e comercialização para melhor atendê-las, acrescentou.

Amstein compartilhou os insights do consumidor da Midan na reunião anual da Kansas Livestock Association em dezembro. O primeiro passo é entender os cinco diferentes tipos de consumidores de carne.

  1. Os Progressistas de Proteínas geralmente são mais jovens – são da Geração X ou Millennials. “Eles gostam do nosso produto”, disse Amstein. “Mas eles gostam de comer todas as proteínas.” Eles estão procurando uma refeição aventureira e, para mantê-los envolvidos com carne bovina, temos que proporcionar a eles essa aventura, acrescentou.
  2. Family First Food Lovers são aqueles que prestam atenção às alegações de produtos de saúde e bem-estar que estão comprando, “mas seu objetivo mais importante todos os dias é sentar a família à mesa”, disse Amstein. “Ela está mais interessada em nossos produtos naturais e orgânicos que temos disponíveis para ela.”
  3. Os Aging Traditionalists são aqueles consumidores leais de carne bovina que não acreditam que seja uma refeição de verdade até que haja um pedaço de carne no centro do prato. “Eles não estão realmente prestando atenção em toda a algazarra; eles só querem um bom bife”, disse Amstein. Eles são realmente importantes, mas este também é um grupo que está encolhendo, acrescentou ela.
  4. Os caçadores de conveniência estão focados em levar a refeição à mesa da maneira mais rápida e menos dispendiosa possível, disse Amstein. Eles estão se concentrando mais em valor e eficiência; para mantê-los engajados dentro de seu curto período de atenção, o marketing de carne bovina precisa melhorar seu jogo. “Temos que chamar a atenção dela o mais rápido possível para mantê-la falando sobre carne bovina e mantê-la envolvida conosco”, disse Amstein.
  5. As divas do bem-estar, honestamente, não querem comer carne bovina, disse Amstein. E se estão comendo carne bovina, eles estão procurando uma quantidade extrema de reivindicações sobre isso, acrescentou ela. Eles são mais propensos a comer frango e alternativas à base de plantas.

Mudanças pós-pandemia

Quando a pesquisa de segmentação foi realizada pela primeira vez em janeiro de 2019, o maior grupo era o de Caçadores de Conveniência. Mas então a pandemia chegou e, de repente, mais pessoas estavam ficando em casa e precisando conciliar a educação em casa de seus filhos, trabalhando em casa e apenas tentando encontrar produtos nas prateleiras do supermercado.

• Varejo x food service. Antes da pandemia, 59% dos consumidores pediam comida em um restaurante, disse ela. Mas quando os restaurantes tiveram que fechar, esses consumidores começaram a comprar mais no varejo. A carne de maior qualidade passou do setor de serviços de alimentação a granel para o setor de varejo, e os consumidores ainda a exigem no supermercado. Isso oferece uma oportunidade para os produtores de gado que vendem diretamente ao consumidor, além de agregar mais valor aos produtos de carne bovina que vendem.

• Habilidades recém-descobertas. Amstein disse que os compradores foram forçados a aprender novos métodos de cozimento durante o auge da pandemia. As compras de fritadeiras a ar foram enormes, acrescentou, e as buscas por novas receitas cresceram. Hoje, 81% dos consumidores ainda estão cozinhando em casa, uma enorme mudança de comportamento que os produtores de gado podem capitalizar com esforços de educação e marketing voltados para o novo chef aprender novas habilidades.

• Compras online. Amstein disse que 57% dos consumidores relataram ter comprado carne e frango on-line em março de 2021. Antes da pandemia, as pessoas compravam mantimentos, exceto a carne, on-line para retirada ou entrega – que eles queriam fazer por conta própria. “Então, os consumidores foram forçados a desistir desse privilégio, e adivinhem?” disse Amstein. “Eles meio que gostam.” Mais da metade dos consumidores continua permitindo que os serviços online selecionem suas compras de carne, e isso abre um caminho para o marketing de carne.

• Flexitaristas. Esses 19% dos consumidores comem carne, mas também comem outros produtos. Esse número dobrou no ano passado, disse Amstein. Para alcançá-los, os profissionais de marketing precisam enfatizar a “proteína” nas embalagens dos produtos de carne bovina. “Nós permitimos que o resto da loja pegasse nossa palavra”, disse Amstein. “Precisamos fazer proteína como um letreiro de neon em cada embalagem, porque os consumidores estão procurando por ela.”

A principal lição para os produtores de gado é que a transparência continua importante, disse Amstein. “Isso gera confiança”, disse ela. “Cinquenta e cinco por cento dos consumidores acreditam que é importante que mercearias e marcas forneçam informações sobre onde o gado foi criado e como foi processado”.

Eles procuram contar histórias ali mesmo na loja, para que possam se sentir bem com o que estão comendo. No futuro, alcançar os consumidores com autenticidade exigirá muitos métodos, desde parcerias com influenciadores do TikTok até fornecer mais informações sobre o processo de produção. Isso garantirá que a carne bovina continue sendo o centro do prato nas próximas gerações.

Fonte: Beef Magazine

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com