Pecuaristas de SP seguem aproveitando os bons preços da carne bovina

Pecuaristas de SP seguem aproveitando os bons preços da carne bovina

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Produto continua valorizado no campo, impulsionado pelas exportações para a China. Arroba não deve ser comercializada abaixo de R$ 200.

Os criadores de boi começaram o ano com bons preços pagos pelos frigoríficos – repetindo o final do ano passado.

O pecuarista Osmair Guareschi está satisfeito com o momento vivido pelo mercado. Ele tem 5 mil cabeças de gado, sendo a maior parte em confinamento e 20% criada a pasto. Nesta semana, recebeu pela R$ 200 pela arroba do boi gordo (15 kg). Em novembro, o valor pago chegou a R$ 230. Mesmo assim, o valor atual é mais alto do que há um ano.

O motivo para a alta nos preços foram as exportações, que encerraram 2019 com recordes em volume e faturamento. No ano passado, a exportação de carne bovina atingiu um 1,8 milhão de toneladas, aumento de 12% em relação a 2018.

A China se consolidou como o principal comprador de carne do brasil no ano passado, segundo o Ministério da Economia, respondendo por 26,7% do total exportado.

O país asiático retoma as importações em fevereiro e isso pode impulsionar ainda mais os preços por aqui.

Exportação deve subir mais de 10% em 2020, diz Abrafrigo

Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) estima que em 2020, as exportações de carne bovina aumentem pelo menos 10%, contra alta de 13% no ano passado. Segundo a entidade, a China deve ser o maior motivo desse incremento, já que a demanda do país foi responsável pelos embarques brasileiros recordes no ano passado, fato que deve se repetir neste ano.

“A China importou 120 mil toneladas a mais do que em 2018, pagando os melhores preços do mercado internacional para o produto brasileiro – na média US$ 4.511 por tonelada no ano passado contra US$ 4.075 por tonelada em 2018”, relembra a Abrafrigo.

A associação afirma que as exportações totais em 2019 alcançaram 1,8 milhão de toneladas em volume e US$ 7, 5 bilhões na receita, batendo o recorde de 2014, quando a receita atingiu a US$ 7,2 bilhões e a movimentação foi de 1,5 milhão de toneladas.

Com a crise provocada pela peste suína africana, a China comprou, através da cidade estado de Hong Kong e do continente, o total de 837,5 mil toneladas no ano passado, contra 717,4 mil toneladas em 2018, o que significou 44,1% das exportações do Brasil. 

Depois da China, o Egito foi quem mais importou a carne bovina brasileira, com 164,1 mil toneladas (-9,3%). Na terceira posição ficou o Chile, com 108,60 mil toneladas (-5,5%); na quarta, os Emirados Árabes com 71,6 mil toneladas (+94,4%) e na quinta, a Rússia, com 69,1 mil toneladas (+821%). O Irã ocupou a sexta posição, com 63,2 mil toneladas movimentadas (-24,7%).

Por estado, São Paulo foi quem mais movimentou o produto para o exterior, com 21,9% do total exportado, seguido do Mato Grosso, com 19,7% e de Goiás, com 13,7%. Mato Grosso do Sul veio em seguida com 11% e Rondônia ficou em quinto com 10%. 

Para 2020, a Abrafrigo acredita que as condições favoráveis ao Brasil no mercado internacional devem permanecer, com a China mantendo um patamar elevado de importações, e agora com um novo componente que são as queimadas que atingem Austrália, um dos maiores players do setor no mundo, e ainda com as atraentes cotações do dólar no Brasil para os exportadores.

Compre Rural com informações do G1 e Abrafrigo

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com