Pesquisa aponta que Três Lagoas tem maior alta no preço do boi...

Pesquisa aponta que Três Lagoas tem maior alta no preço do boi gordo

PARTILHAR
porto-de-itaqui
Foto: Divulgação

Três Lagoas e Campo Grande, por exemplo, são as praças com as elevações mais expressivas, de 12,42% e de 12,31%, respectivamente.

Pesquisa realizada pelo Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, revela que a oferta de animais para abate segue restrita em algumas regiões, cenário que vem impulsionando os preços do boi gordo há algumas semanas. Na parcial de agosto, até o dia 24, a elevação do Indicador ESALQ/BM&FBovespa é de expressivos 10,87%.

Esta alta é a maior para o mês da série histórica do Cepea, iniciada em 1997. Três Lagoas e Campo Grande, por exemplo, são as praças com as elevações mais expressivas, de 12,42% e de 12,31%, respectivamente. Na sequência, está Rio Verde (GO), com alta acumulada de 11,89%.

Isso porque a escassez de boi gordo para abate tem obrigado a indústria frigorífica de São Paulo a buscar animais em estados vizinhos, principalmente em Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Goiás. Rio Grande do Sul é o estado com a alta menos acentuada no mesmo período, de apenas 0,18%.

De acordo com colaboradores do Cepea, o estado tem recebido muita carne de Mato Grosso do Sul e de outras regiões, atendendo à demanda do atacado. Assim, o mercado gaúcho não está acompanhando a tendência observada em outras regiões do País.

As elevações mais intensas em algumas praças têm feito com que a diferença de preços entre o estado de São Paulo e outras regiões se reduza.

No Paraná, os preços praticamente igualam-se ao de São Paulo, região com valores tipicamente mais altos. Em Goiás, por exemplo, há negócios acima dos preços médios praticados em São Paulo. Além da escassez de bois no estado paulista, este movimento é resultado de políticas como a redução do ICMS.

Motivo

O avanço dos preços do boi gordo em praticamente todas as praças é justificado pelo fato de que aproximadamente 90% do abate anual brasileiro é de animais engordados a pasto. Com a intensificação da seca, praticamente não há mais animais de pasto e a cadeia vive o período da “entressafra”.

Além disso, a principal indústria retomou as compras e outras plantas reabriram nos últimos meses. Com isso, o preenchimento das escalas de abate tem sido mais difícil pelo aumento da competição entre as próprias indústrias por matéria-prima.

Outro fator que explica a atual escassez de bois está relacionado à delação dos irmãos Batista. Em meados de maio, após o ocorrido, o preço pago ao produtor caiu de forma acelerada, justamente no momento em que pecuaristas planejavam o primeiro giro do confinamento.

Esta situação, aliada à incerteza relacionada aos prazos de pagamento da principal indústria do setor, explicam a menor oferta de animais, justamente 90 dias após a delação, momento em que deveriam ficar prontos os animais que começaram a ser confinados no início de junho.

Fonte: Acrisul