Placa solar no espaço levará energia a qualquer lugar da Terra

PARTILHAR
placa solar no espaco
Foto: Divulgação

Tecnologia poderá emitir micro-ondas que se transformarão em eletricidade sem combustível para qualquer lugar do planeta a qualquer momento

Cientistas que trabalham para o Pentágono testaram com sucesso um painel solar do tamanho de uma caixa de pizza no espaço, projetado como um protótipo de um futuro sistema para enviar eletricidade do espaço para qualquer ponto da Terra. O painel, conhecido como Módulo de Antena Fotovoltaica de Radiofrequência (PRAM, em inglês), foi lançado pela primeira vez em maio de 2020, conectado ao drone não tripulado X-37B do Pentágono, para aproveitar a luz solar e convertê-la em eletricidade. O drone circula a Terra a cada 90 minutos.

O painel foi projetado para aproveitar ao máximo a luz no espaço que não passa pela atmosfera e, portanto, retém a energia das ondas azuis, tornando-o mais poderoso do que a luz solar que chega à Terra. A luz azul se difunde ao entrar na atmosfera, fazendo com que o céu pareça azul.

“Estamos recebendo uma tonelada de luz solar extra no espaço apenas para isso”, disse Paul Jaffe, um co-desenvolvedor do projeto.

Os últimos experimentos mostram que o painel de 30 cm x 30 cm é capaz de produzir cerca de 10 watts de potência para transmissão, disse Jaffe à CNN. Isso é o suficiente para alimentar um tablet.

Mas o projeto prevê uma série de dezenas de painéis e, se ampliado, seu sucesso pode revolucionar a forma como a energia é gerada e distribuída para cantos remotos do mundo. Pode contribuir para as maiores redes de redes da Terra, disse Jaffe.

Chris DePuma (E), co-líder no desenvolvimento do Módulo de Antena Fotovoltaica de Radiofrequência, destaca possível uso da tecnologia em casos de desastres naturais Foto: Jonathan Steffen
Chris DePuma (E), co-líder no desenvolvimento do Módulo de Antena Fotovoltaica de Radiofrequência, destaca possível uso da tecnologia em casos de desastres naturais / Foto: Jonathan Steffen

“Algumas visões têm um espaço solar equivalente ou maior do que as maiores usinas de energia hoje [de vários gigawatts], então seria suficiente para uma cidade”, disse ele.

A unidade ainda não enviou energia diretamente para a Terra, mas essa tecnologia já foi testada. Se o projeto for transformado em enormes antenas solares espaciais com quilômetros de largura, ele poderá emitir micro-ondas que se transformarão em eletricidade sem combustível para qualquer lugar do planeta a qualquer momento.

“A vantagem única que os satélites de energia solar têm sobre qualquer outra fonte de energia é essa transmissibilidade global“, disse Jaffe. “Pode mandar energia para Chicago e uma fração de segundo depois, se necessário, mandar para Londres ou Brasília.”

Mas um fator-chave que deve ser comprovado, disse Jaffe, é a viabilidade econômica. “Construir hardware para o espaço é caro. Esses custos, nos últimos 10 anos, finalmente começaram a cair.”

Existem algumas vantagens em construir no espaço. “Na Terra, temos a questão da gravidade, que é útil porque mantém as coisas no lugar, mas é um problema quando você começa a construir coisas muito grandes, já que elas têm que suportar seu próprio peso”, disse Jaffe.

A missão do avião espacial US X-37B está envolta em segredo, sendo o experimento PRAM um dos poucos detalhes conhecidos de seu propósito. Em janeiro, Jaffe e o co-líder da PRAM, Chris DePuma, publicaram os primeiros resultados de seus experimentos no IEEE Journal of Microwaves, mostrando que “o experimento está funcionando”, disse Jaffe.

O projeto foi financiado e desenvolvido pelo Pentágono, pelo Fundo de Aumento da Capacidade de Energia Operacional (OECIF) e pelo Laboratório de Pesquisa Naval dos Estados Unidos em Washington.

Via CNN

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.