Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Por que o preço da cenoura subiu no governo Lula? Entenda o motivo

Em janeiro, o preço pago aos produtores mais que duplicou, com uma variação de 146%, conforme relatado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

Em janeiro, os consumidores brasileiros experimentaram um aumento significativo no preço da cenoura, tornando-se o alimento com a maior elevação no mês passado, registrando um aumento de 43,85%. No período de 12 meses encerrado, aqueles que pretendiam adquirir o produto para consumo doméstico se depararam com um aumento de 77%, marcando a maior alta no segmento no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A explicação para esse encarecimento da cenoura remonta às condições no campo. Em janeiro, o preço pago aos produtores mais que duplicou, com uma variação de 146%, conforme relatado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). A chamada raiz “suja” atingiu uma média de R$ 121,17 por caixa de 29 quilos em Cristalina (GO) e em Minas Gerais.

Os pesquisadores especializados em hortifrútis do Cepea destacam que as primeiras semanas do mês passado foram marcadas por chuvas intensas e calor, prejudicando o desenvolvimento das plantações. Essas condições climáticas adversas também propiciaram o surgimento de doenças, como a “mela” (decorrente da podridão em solo excessivamente úmido) e a “pinta” (responsável por manchas que levam ao descarte da produção).

As safras de verão no Rio Grande do Sul e na Bahia foram particularmente afetadas pelo clima, ampliando as possibilidades de uma oferta mais restrita nos meses de fevereiro e março.

A desvalorização do preço da cenoura no campo torna-se evidente em fevereiro, conforme indicado pelo Cepea. Os especialistas atribuem a redução das cotações à diminuição da demanda, influenciada pelo final do mês e pela escassa procura, especialmente da Bahia, que optou por manter sua própria oferta em vez de adquirir o produto de Minas Gerais.

Mesmo com essa diminuição, os valores da cenoura permanecem superiores aos de 2023. Na região de São Gotardo (MG), a caixa contendo 29 quilos da raiz “suja” registrou uma desvalorização de 18,7%, mantendo um valor médio de R$ 100. Comparativamente, no mesmo período do ano anterior, o preço era de R$ 50 por caixa.

Destaca-se que, embora a inflação em janeiro, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tenha atingido 0,42%, inferior à taxa de dezembro (0,56%), e uma alta de 4,51% nos últimos 12 meses, inferior aos 4,62% no período anterior, os alimentos desempenharam um papel significativo no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

cenoura folhas verde horta Horticultores
Foto: Divulgação

O avanço no índice de preços foi liderado pelo grupo Alimentação e Bebidas, registrando um aumento significativo de 1,38%. Em comparação, em dezembro, a inflação desses produtos foi de 1,11%. A despesa com refeições em casa aumentou em 1,81% para os brasileiros. Além da cenoura, outros itens alimentícios também apresentaram elevações, incluindo batata-inglesa (+29,45%), feijão-carioca (+9,70%), arroz (6,39%) e frutas (5,07%).

André Almeida, gerente do IBGE e responsável pela pesquisa, observou que os fatores climáticos desempenharam um papel significativo no comportamento dos preços dos alimentos, resultando na maior alta desde outubro de 2022.

Escrito por Compre Rural

VEJA TAMBÉM:

ℹ️ Conteúdo publicado pela estagiária Ana Gusmão sob a supervisão do editor-chefe Thiago Pereira

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM