Pouca oferta de boiadas dando sustentação aos preços

Pouca oferta de boiadas dando sustentação aos preços

PARTILHAR
Foto: Confinamento Monte Alegre. (Reprodução: CompreRural)

Em São Paulo, a pouca oferta de boiadas e as compras cadenciadas das indústrias, com cinco dias úteis de escala em média, deram sustentação aos preços. 

Segundo levantamento da Scot Consultoria, na região Sul do Tocantins, a cotação subiu R$2,00/@ na última quinta-feira (20/8) na comparação dia a dia, chegando em R$230,00/@, bruto e à vista, R$229,50/@, descontado o Senar, e em R$226,50/@, livre de Senar e Funrural, ambos à vista. 

No Espírito Santo, a cotação do boi ficou em R$218,00/@, bruto, R$217,50, sem o Senar, e em R$214,50, descontado o Senar e o Funrural, preços à vista. Alta diária de R$2,00/@. 

Em São Paulo, a pouca oferta de boiadas e as compras cadenciadas das indústrias, com cinco dias úteis de escala em média, deram sustentação aos preços. 

O boi gordo ficou cotado em R$226,00/@, bruto, R$225,50/@, livre de Senar, e em R$222,50/@, descontados os impostos (Senar e Funrural), considerando os preços à vista. 

Para a vaca e novilha gordas, a cotação ficou em R$212,00/@ e R$220,00/@, respectivamente, bruto e à vista. Em função do mercado aquecido para exportação e escassez de oferta, negócios para os bovinos jovens, de até 30 meses, ocorreram em até R$232,00/@, bruto e à vista. 

Fonte: Scot Consultoria

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com