Preço disparando com alta de R$ 15/@, confira agora!

Preço disparando com alta de R$ 15/@, confira agora!

PARTILHAR
gado nelore
Fonte: Embrapa

Os preços da arroba fecharam a semana com grande valorização diante da baixa disponibilidade e dificuldade da indústria em compor as suas escalas!

O mercado físico do boi gordo seguiu com grande valorização nesta sexta-feira (22/1), ditado pela dificuldade na compras de animais prontos para abater, além do bom ritmo das exportações de carne bovina. Segundo o levantamento realizado, a arroba teve um salto de R$ 15/@ nas praças paulistas, comparando com o fechamento da última semana.

Os pecuaristas que possuem lotes com alguma diferenciação, como volume maior, maior qualidade de acabamento, gordura mediana, precocidade ou proximidade das plantas frigoríficas alcançam naturalmente preços diferenciados, sobretudo pelo fato de se encaixar em algum padrão que atenda especificações para exportação da proteína bovina, destacou a IHS Markit.

Em São Paulo, o valor médio para o animal terminado chegou a R$ 299,83/@, na sexta-feira (22/01), conforme dados informados no aplicativo da Agrobrazil. Já a praça de Goiás teve média de R$ 299,53/@, seguido por Mato Grosso Sul com valor de R$ 277,63/@.

Segundo o app, as negociações foram pautadas no valor de R$ 300,00/@. O destaque ficou para o boi a termo, que em Lins/SP, chegou ao preço de R$ 303,00/@ com abate programado para o dia 26 de fevereiro e com pagamento a prazo de 7 dias. Veja os detalhes na imagem abaixo!

Para as fêmeas a situação é a mesma. A vaca e novilha gordas estão sendo negociadas em R$8,80/kg e R$9,10/kg, preço bruto e à vista, respectivamente, segundo a Scot Consultoria.

Em entrevista o analista da Scot Consultoria, Hyberville Neto, destacou que os pecuaristas estão acompanhando os movimentos de compras as indústrias frigoríficas para não ocorrer o mesmo cenário do final do ano passado, em que após a arroba atingir o patamar de R$ 300,00/@ as indústrias se retiraram das compras.

A demanda doméstica limita movimentos ainda mais robustos de alta do boi gordo, considerando que o consumidor médio permanece descapitalizado e opta pelo consumo de proteínas mais acessíveis, a exemplo da carne de frango.

Escalas de abate

Segundo a Agrifatto, as indústrias frigoríficas continuam na tentativa de preencher os cronogramas de abate, com isso, ofertas maiores são realizadas para concretização das negociações. Ainda assim, as vendas fechadas envolvem lotes de pequenos de animais.

  • Em São Paulo, a média do estado, gira em torno de 6,0 dias úteis, alinhado com a média parcial dos últimos 12 meses.
  • Cenário semelhante é visto em Mato Grosso do Sul, onde os trabalhos encerraram a sexta-feira com 5,0 dias úteis;
  • Já em Goiás e Mato Grosso, as escalas fecharam o dia com 4,0 dias úteis, abaixo da média parcial do último ano (5,0 dias úteis);
  • Minas Gerais tem a menor disposição de animais prontos para abate, com os cronogramas de abate atendendo os próximos 3,0 dias úteis;

Giro do Boi Gordo pelo Brasil

  • Em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou a R$ 298 a arroba, contra R$ 296 a arroba nesta quinta.
  • Em Goiânia (GO), a arroba teve preço estável de R$ 290.
  • Em Dourados (MS), a arroba passou de R$ 284 para R$ 286.
  • Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 280 no comparativo com R$ 278 do dia anterior.
  • Em Uberaba, Minas Gerais, os valores chegaram a R$ 293, contra R$ 290.

Atacado

O mercado atacadista permaneceu com seus preços firmes no decorrer da sexta-feira, O ambiente de negócios sugere pouco espaço para reação dos preços, em linha com uma reposição mais lenta entre atacado e varejo no decorrer da segunda quinzena do mês. Somado a isso precisa ser citada a dificuldade que o consumidor médio se depara em absorver novos reajustes da carne bovina no varejo, simplesmente migrando para proteínas mais acessíveis.

 O Corte traseiro foi precificado a R$ 20,80, por quilo. Ponta de agulha segue no patamar de R$ 15,50, por quilo. Corte dianteiro também foi cotado a R$ 15,50, por quilo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.