Preços da carne bovina não param de cair no atacado

Preços da carne bovina não param de cair no atacado

PARTILHAR
Foto: Confinamento Monte Alegre. (Reprodução: CompreRural)

O mercado de carne sem osso ainda não sabe o que é valorização ou estabilidade em 2018. Desde o começo de janeiro foram cinco semanas seguidas de desvalorização no atacado. Os preços caíram, em média, 6,0% no período.

O comportamento que mais chama a atenção, por contrariar as expectativas, é o do começo de fevereiro. É inegável que se esperava uma melhora no cenário. O pagamento regular de salários e a melhora dos indicadores econômicos, em uma época de sazonal melhora de preços da carne, sustentavam o prognóstico positivo.

A boa notícia é a valorização do mercado atacadista, em dose meses, quase igual à da inflação. Em 2017, quase nunca se viu variação dos preços da carne ficar acima do registrado um ano antes, mesmo em valores nominais.

Os frigoríficos vão se virando com as margens, tentando pressioná-las o mínimo possível, mediante ofertas menores de compra para a arroba do boi gordo.

Mas, cinco semanas seguidas de desvalorização nos cortes desossados foram suficientes para trazer a diferença entre o preço do boi gordo e a receita das indústrias para o menor patamar desde o final de 2016, 18,0%.

Por fim, a melhora no mercado segue intimamente ligada ao tamanho e à velocidade da recuperação econômica.

Fonte: Scot Consultoria

-- conteúdo relacionado --
Preço interno segue em queda, mas exportação limit... Os preços da carne de frango seguem em baixa no mercado brasileiro, movimento reforçado pela entrada da terceira semana do mês, período em que geralme...
Valor do ovo vermelho sobe com mais força que o do... As cotações do ovo tipo extra, vermelho, subiram com mais intensidade que as do branco na última semana, refletindo, principalmente, a menor oferta do...

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com