Preservação e recuperação de nascentes na fazenda

Preservação e recuperação de nascentes na fazenda

PARTILHAR
Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo

As nascentes são fontes de água muito valiosas para a população mundial, e por isso devem ser preservadas e/ou recuperadas de forma a garantir a sua manutenção.

*Artigo escrito pelo professor Thiago Morais Duarte para o blog da Fundação Roge

Durante muitos anos, a água foi tratada como uma fonte inesgotável, porém, hoje, já está mais do que claro que esta é um recurso que está reduzindo a cada dia, já que sua capacidade de renovação tem sido inferior à utilização pelo homem. Porém, pode-se dizer que a água é um recurso natural de alto valor econômico, estratégico e social, já que é necessária a sua utilização no desenvolvimento de todos os setores e funções da atividade humana, o que tem a tornado uma das principais preocupações da humanidade.

Nascentes, olhos d’água ou minas d’água podem ser definidas como afloramentos de lençóis freáticos subterrâneos e que podem dar origem à cursos d’água, e são formadas quando os aquíferos atingem a superfície e fazem com que a água jorre na superfície do solo. Estas são comumente encontradas em meio rural, e possuem grande importância para qualquer propriedade, já que abastecem açudes e represas, auxiliam na irrigação das lavouras, na dessedentação dos animais, e também na utilização para as necessidades humanas.

As nascentes são fontes de água muito valiosas para a população mundial, e por isso devem ser preservadas e/ou recuperadas de forma a garantir a sua manutenção.

Perigo para as nascentes!

A degradação de nascentes vem acontecendo por conta de alguns fatores:

  • Corte em grande escala de florestas nativas, geralmente, pela busca de áreas produtivas para expansão;
  • Queimadas, que podem destruir a matéria orgânica da camada superficial do solo, além de microrganismos benéficos ao solo, facilitando assim o escoamento superficial e, consequentemente, diminuindo sua capacidade de infiltração;
  • Criação de animais próxima às nascentes, fazendo com que ocorra a compactação do solo;
  • Abertura de estradas e construções de loteamentos sem planejamento, contribuindo para erosão, assoreamento dos recursos hídricos, e também na compactação do solo.

Planejar para preservar

Quando se fala em conservação e preservação de nascentes, é necessário planejamento adequado, na intenção de criar condições favoráveis ao solo, para que haja maior infiltração de água, para o abastecimento das nascentes que estiverem nessas áreas de dependência, além da proteção da superfície do solo.

Produtor, fique atento com a legislação!

De acordo com o Código Florestal Brasileiro, a Área de Preservação Permanente (APP) no entorno de uma nascente deve possuir um raio mínimo de 50 metros, porém, para as áreas consolidadas, ou seja, áreas rurais com ocupação humana existentes antes de 22 de julho de 2008, para qualquer imóvel rural será obrigatória a recomposição da APP com raio mínimo de 15 metros, utilizando, preferencialmente, espécies nativas, dependendo do tamanho da propriedade. Tecnicamente, é recomendado o cercamento das APPs para proteção da regeneração natural e/ou desenvolvimento das espécies plantadas, mas não é obrigatório.

Preservar nascentes é conservar a vida!

Preservar e recuperar nascentes não deve ser encarado apenas para satisfazer a legislação, ou até mesmo para garantir a continuidade de utilização das águas para o aproveitamento humano (geralmente desenfreado), mas sim como ações que são a favor da vida, principalmente, das gerações futuras.

Saiba como está a qualidade da água na sua propriedade para o gado de leite:

Saiba Mais

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Somos uma escola de ensino técnico aberta a jovens de todo o Brasil que visam prosperar profissionalmente em fazendas, empresas ou instituições ligadas ao agronegócio.