Produtora perde 80% da lavoura de milho, veja!

Produtora perde 80% da lavoura de milho, veja!

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Região norte do Rio Grande do Sul passou dos temporais em novembro para falta de chuva no último mês do ano; Produtora prevê perda de até 80% da lavoura.

A falta de chuva está prejudicando o desenvolvimento das lavouras de milho no Rio Grande do Sul e alguns produtores rurais já estão acionando o seguro por causa da quebra na produção. Este é o caso da Fabiana Venzon, que utilizou 30% da área da sua fazenda para produzir o grão e estima uma perda entre 70% e 80%.

“Tivemos uma situação inusitada, com uma quantidade excessiva de chuva no final de outubro e início de novembro, que atrasou o plantio da soja. O milho, que até então estava se desenvolvendo bem, quando chegou na floração, época que precisa de água, as chuvas cessaram e a gente viu o prejuízo se acumular. É uma situação complicadíssima”, disse.

Um milhão de toneladas já foram perdidas, mas o número pode dobrar, segundo o analista de mercado Paulo Molinari. Cenário dará sustentação aos preços

A produtora agora espera para ver o resultado, pois precisa colher para contemplar o seguro. Porém, a produtividade não será relevante. “Cerca de 70% a 80% de quebra já temos confirmada. De toda a lavoura de milho, não teremos nenhuma renda, já que o seguro cobre apenas parte do custo”.

Estimativa de perdas e preços, segundo a consultoria

Cerca de um milhão de toneladas de milho já foram perdidas no Rio Grande do Sul devido à estiagem severa, o equivale a 15% da produção do estado, afirma o analista Paulo Molinari, da consultoria Safras & Mercado.

“Em qualquer localidade fora da região das Missões (no noroeste gaúcho), a situação está catastrófica. Atingiu o milho na fase de polinização e não tem mais volta. Mesmo que chova 100 milímetros em janeiro, as perdas já estão aí”, diz.

Por causa dos feriados de Natal e Ano Novo, ainda não foi possível consolidar números, mas a Safras deve publicar a estimativa atualizada para o ciclo 2019/2020 em 10 de janeiro. “Acredito que a quebra pode chegar a 1,5 milhão ou 2 milhões de toneladas”, salienta.

Quanto aos demais estados produtores, Molinari conta que a temporada começou ruim, principalmente no Paraná, Goiás, Mato Grosso e Minas Gerais, porém, regularizou-se. “As chuvas estão ocorrendo, apesar de não plenamente regulares”, argumenta.

E como ficam as cotações do milho?

O primeiro semestre de 2020 já vinha se desenhando bastante positivo para os preços do milho no mercado interno. Agora, com essa situação no Rio Grande do Sul — e na Argentina, que também sofre com a seca —, os valores podem se sustentar ao longo de todo o semestre. “E isso coloca mais atenção sobre a segunda safra a partir de julho”, comenta o analista.

Segundo Molinari, a motivação para que os produtores aumentem a área da segunda safra já existe. “Todo mundo está vendo a demanda e a possibilidade de ter um ano bom”, diz.

As grandes dúvidas, de acordo com ele, são o norte do Paraná, Mato Grosso do Sul e parte de Goiás, onde o plantio da soja atrasou demais. “Talvez não dê tempo de plantar toda a safrinha”, afirma.

Fonte: Canal Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com