Produzindo qualidade, fazendas 3R atingiu as melhores médias em leilões de corte...

Produzindo qualidade, fazendas 3R atingiu as melhores médias em leilões de corte nos últimos anos

Para se ter bons preços é preciso investir. Não se faz um animal com excelente ossatura, comprimento de carcaça e bons aprumos, desconsiderando ciência e tecnologia. Ofereço 500 gramas de ração ao dia para cada animal, que junto ao manejo, estimula o rúmem e acresce 1,2 quilos, diariamente. É isso que me faz alcançar recordes consecultivos, sem segredos. A afirmação é do pecuarista Rubens Catenacci, que nesta quinta-feira (14), pelo segundo ano consecutivo realizou o leilão de corte com maior valorização dos animais na Expogrande, comercializando bezerras a R$ 2.020,00 e bezerros a R$ 1.820,00.

“Há mais de três décadas invisto na raça nelore e ainda não vejo limites para o seu desenvolvimento. E apesar de o preço de mercado ainda estar satifatório, o criador precisa entender que sua meta não está no valor da arroba, mas no ofereceimento pela qualidade. Com isso a rentabilidade se eleva consequentemente, devido aos protocolos de bonificação oferecidos pela indústria, que muitas vezes não são utilizadas por falta de empenho da porteira para dentro”, enfatiza Catenacci.

Para o administrador da Fazenda 3R, Rogério Rosalin, todo investimento na pecuária de corte deve estar ligado à precocidade. “O pecuarista nada mais que um agente responsável pela produção da carne que será distribuída no mercado, e para cumprir com o êxito da qualidade seus animais precisam ser encaminhados ao frigoríficos ainda jovens, gerando um carne macia, com características que a faz mais valorizada inclusive no mercad externo, e retorna e forma de lucrativadade para o produtor rural”, detalha.

O empreendedorismo também faz a diferença na realidade da 3R. Além das 500 pessoas que passaram pelo leilão, houveram lances de pecuaristas que estavam em outros estados e fora do país, que puderam acompanhar via TV ou internet. Para atender esse público a propriedade desenvolveu uma ferramenta própria que possa transmitir em um site institucional, ao vivo, o leilão, aumentando a possibilidade de lances e concorrência a cada remate.

Após colocar no mercado 1.500 cabeças de animais com cerca de oito meses de idade, parcelados em três vezes, na sua maioria, os organizadores já divulgaram a próxima edição que será em 18 de maio, na cidade de Camapuã (MS), onde outros 1.500 animais serão ofertados.

Fonte: Diego Silva – Rica Comunicação