PARTILHAR

Desafiar fêmeas da raça Nelore entre 12 e 14 meses têm sido frequentes pelo país, alguns trabalhos já mostram altas taxas de prenhez, prova cabal de que a raça não é tardia.

A raça Nelore compõe mais de 80% do rebanho brasileiro de mais de 200 milhões de cabeças, segundo IBGE, e historicamente sempre houve uma afirmação que a raça era tardia, como utilizou-se muito o critério único de seleção (peso) os animais acabaram ficando mais tardios, especialmente os puros de origem. Até então emprenhava-se novilhas da raça em criações extensivas, por volta dos 25-30 meses, já em condições de pastagens melhoradas, poderia se reduzir para 20-24 meses, isso se atingisse o peso de 300-320 kg/vivo. Em contrapartida, as novilhas com sangue europeu a partir dos 12-18 meses, pesando 300-320 kg/vivo. A Pecuária brasileira vem passando por vários transformações nos últimos anos, sua lucratividade é bem apertada, logo é crucial reforçar a importância da precocidade sexual para o negócio da cria.

peso-ideal-para-emprenhar-novilhas
Fonte: Apoio Genética

O trabalho consiste em desafiar novilhas Nelore na média de 14 meses de idade em IATF e repasse com touros.

O melhoramento genético da raça Nelore aplicada no país através de vários programas está mostrando uma realidade diferente e muito promissora, através da inseminação artificial em tempo fixo (IATF) vários produtores tem desenvolvido projetos para avaliar a capacidade reprodutiva de animais jovens dentro de grupos contemporâneos e obtido resultados expressivos, é o caso do Grupo Rezende de Santo Antônio do Leverger (MT), que na última estação de monta obteve 65% de prenhez nas precocinhas. Trabalho é desenvolvido nas fazendas Santo Antônio das Três Marias e Peixe de Couro pela Personal PEC, que colabora nas avaliações do programa de melhoramento genético da DeltaGen, que preconiza os aspectos de ganho de peso, precocidade sexual, musculosidade e precocidade de carcaça.

precocinhas-do-grupo-rezende-lote
Novilhas prenhez aos 14 meses / Foto: Grupo Rezende

Prenhez precoce compromete o desenvolvimento da fêmea?

“Com a genética certa não. Nós não temos problema algum com primíparas que foram superprecoces, pelo contrário, não temos problemas de parto ou com o tamanho adulto das fêmeas. A superprecoce garante um bezerro a mais na vida da fêmea, reduzindo pela metade o tempo em que a fêmea só come, sem estar gestando ou amamentando. E acelera muito o avanço genético do rebanho, reduzindo o intervalo entre gerações e colocando mais pressão na seleção, afinal temos mais produtos e possibilidades de descartes. Faz sim um imensa diferença no bolso do criador pois passamos a ter receita com uma categoria de animais que já custeávamos. Além disto a precocidade sexual e de acabamento andam juntas, o que significa também bois prontos mais cedo” afirmou José Ricardo, do Grupo Rezende.

”O Nelore não é uma raça tardia, como muitos acreditavam. O Nelore estava tardio por falta de trabalho de seleção”

avatar

Luciano Borges Ribeiro

Fazenda Rancho da Matinha

O Médico Veterinário Leonardo Souza, do Programa Qualitas, diz que é imprescindível diminuir a quantidade de animais improdutivos. Que, em um sistema de cria é representado pelas fêmeas que não estão desmamando um bezerro por ano: vacas e novilhas vazias após a estação de monta e fêmeas em recria que ainda não entraram em reprodução. A única maneira de melhorar esta relação é colocando as novilhas em reprodução aos 14 meses de idade. Os desafios para alcançar este objetivo são genéticos e nutricionais. Geneticamente, as bezerras devem apresentar precocidade sexual para iniciar a vida reprodutiva aos 14 meses e, ganhar peso suficiente para atingir 80,0% do peso adulto no momento do parto, aos 24 meses (400 kg para uma vaca de 500 kg).

diferenca-parto-ao-24-e-36-meses-bovinos
Tabela 1 / Fonte: Leonardo Souza

“Como podemos ver na tabela 1, mesmo com um custo por cabeça mensal 26,4% maior, que implica em um custo por ha 46,0% mais elevado, o sistema de 24 meses, produz 34,0% mais bezerros por ha, gera 42,5% mais faturamento por ha e um lucro 33,3% maior por ha”- finalizou Leonardo.

Minhas novilhas Nelore têm genética para emprenhar aos 14 meses?

Você só descobrirá se têm ou não, oferecendo condições nutricionais para as bezerras atingirem no mínimo 250 kg no início da estação de monta e continuar fornecendo condições para que as prenhes alcancem 370kg no momento do parto. Outro ponto essencial é promover o melhoramento genético do seu rebanho através de um programa, e/ou usando touros provados que apresentam precocidade sexual na sua progênie.

Dispositivo ajustado para precocinhas

novilhas-precocinhas-dispositivo
Dispositivo adaptado para novilhas tem 7 cm, o de vacas adultas tem 17 / Foto: Agener.

Uma pesquisa conduzida por pesquisadores da USP, campus Pirassununga (SP), detectou a importância do uso de dispositivos intravaginais “ajustados” para novilhas jovens como maneira de garantir o bem-estar dos animais e aumentar a eficiência reprodutiva. Por possuírem órgãos genitais menores, em função da pouca idade, as novilhas sentiam desconforto ao receber o dispositivo intravaginal de vacas adultas, o que reduzia o consumo alimentar, trazendo consequentemente perda de peso e atraso na prenhez. A pesquisa revelou uma nova fórmula para aumentar a eficiência dos projetos de precocidade sexual, quando ajustado, o dispositivo permitiu melhora de 10% na taxa de prenhez.

Olhando para todos esses fatores é possível concluir que a raça Nelore é incrível, entre todas as suas características produtivas, adicionar precocidade sexual é um grande salto que podemos dar. É certo também que o cruzamento industrial é a revolução industrial dos tempos mordernos da pecuária, mas também não podemos esquecer que a novilha/vaca Nelore é a grande “forma” da pecuária brasileira. A raça deu grandes saltos de produtividade nos últimos 20 anos, muito em virtude do maior investimento do pecuarista em nutrição, sanidade, manejo e genética.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Fundador e editor do Compre Rural, pós graduado em Consultoria Web, especialista SEO e aspirante a produtor rural.