Resíduo orgânico beneficiado como alternativa para agricultura sustentável

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Além do benefício ambiental, a utilização de resíduo orgânico beneficiado como alternativa para agricultura sustentável é mais barata, uma vantagem importante.

Mário Júnior ¹

A agricultura mundial passa por um dos seus momentos de maior destaque, tendo em vista a crescente preocupação com a produção de alimentos em conformidade com a preservação ambiental. Dessa forma, ganha-se, ainda mais destaque a utilização dos chamados resíduo orgânico beneficiado como alternativa para agricultura sustentável, de forma que esse estudo visa apresentar algumas de suas aplicações e principais utilizações.

São muitos os resíduos orgânicos de origem urbana, industrial e agrícola que podem ser usados na agricultura, sendo exemplos: estercos de bovino, de galinha e de suíno, torta de filtro, torta de mamona, adubos verdes, turfa, lodo de esgoto, resíduos oriundos da fabricação de álcool e açúcar, compostos orgânicos e resíduos do processamento de frutos (MELO; SILVA; DIAS, 2008). A utilização desses resíduos orgânicos como fonte de nutrientes na agricultura é justificada pela necessidade de reciclagem desses materiais (CANELLAS et al., 2001).

O reaproveitamento de resíduos é estratégia fundamental para solucionar um dos maiores problemas ambientais da atualidade: a quantidade de resíduos, sólidos e líquidos, que são gerados pelos sistemas de produção e sua correta destinação. Por isso, ressalta-se que a utilização de resíduos orgânicos na agricultura, entretanto, deve ser feita de forma criteriosa.

O uso de esterco bovino é uma alternativa amplamente adotada como condicionador do ambiente e suprimento de nutrientes, principalmente nitrogênio e fósforo, em áreas agrícolas, não só no Brasil, mas com uma amplitude mundial (MENEZES; SALCEDO, 2007). Seu uso tem se intensificado devido a fatores como o limitado poder de produção de fertilizantes inorgânicos, a busca pela destinação e reaproveitamento dos resíduos provenientes da produção animal e, por fim, a busca por uma produção cada vez mais sustentável.

Dados sobre a dinâmica do esterco no solo precisam ser, cada vez, avaliados pelos pesquisadores e divulgados à comunidade agrária, de forma que a sua utilização ganhe maior destaque e, com isso, se tenha maior incentivo por parte das empresas produtoras.

A incorporação ao solo de materiais orgânicos afeta a dinâmica populacional dos microrganismos e também a disponibilidade de alguns nutrientes, em especial o nitrogênio. Resíduos com alta relação C/N são lentamente mineralizados e induzem deficiência de nitrogênio às plantas, por imobilização microbiana, todavia a adição de N via adubação poderia potencializar a mineralização do C. 

A Compostagem

A compostagem é considerada alternativa sustentável, simples, eficaz e que atende a legislação ambiental em vigor – a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010), que regulamenta o tema no País.

O tratamento consiste em um processo biológico de reaproveitamento que transforma resíduos orgânicos urbanos, agroindustriais e agropecuários em novo produto, como fertilizante orgânico para ser empregado na agricultura. A transformação é realizada pela atividade de um aditivo biológico composto de microorganismos selecionados e enzimas, capazes de degradar e estabilizar a carga orgânica de diversos materiais. O processo é realizado sob um rigoroso controle em todas as etapas, que são monitoradas com frequência, de forma a aperfeiçoar resultados e evitar fatores negativos, como maus odores e presença de vetores.

Cabe aqui, ressaltar a importância dos parâmetros de avaliação. Sendo assim, durante o processo de destinação, recebimento e tratamento dos resíduos orgânicos, é necessário que seja feita avaliação, por técnicos capacitados, do material – dentro de parâmetros de composição química, volume e tamanho dos rejeitos, condições da armazenagem e umidade, entre outros.

Os estudos apontam que essa avaliação possibilitará e irá determinar a possibilidade de tratabilidade, em termos comerciais, e também irá especificar a precificação do tratamento por tonelada. 

A compostagem é reconhecida como uma alternativa ambientalmente correta, segura e definitiva, que contribui diretamente para a redução dos passivos ambientais e esgotamento dos aterros, além de atender à PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos) e ter importância estratégica para a solução de alguns problemas contemporâneos como a limitação de alternativas de reaproveitamento de resíduos e a poluição do solo, água e ar.

Comprovações

Segundo os pesquisadores da Embrapa – Milho e Sorgo, as pesquisas em que foram utilizados resíduos orgânicos suplementados com minerais e microrganismos solubilizadores, que tornam o fósforo disponível para a planta, permitiram um maior crescimento das plantas, maior extração de nutrientes e maior disponibilidade de fósforo no solo.

O uso combinado de microrganismos, resíduos orgânicos e pó de rochas como fonte de fósforo apresenta um benefício ambiental significativo, conforme estudos e avaliações realizadas nos últimos dez anos pela empresa Organics Biofertilizantes. As pesquisas demonstram o potencial de utilização desses microrganismos em associação com rochas fosfatadas como alternativa ao uso de fertilizantes convencionais.

Considerações finais

O entendimento da dinâmica de mineralização de nutrientes de resíduos orgânicos de origens diversificadas e dos fatores que regulam a taxa de liberação dos nutrientes possibilita o planejamento do seu uso para fins agrícolas e a definição correta da dose de nutrientes a ser aplicada nas lavouras. 

Ainda dentro dos estudos avaliados neste estudo, é possível afirmar que a utilização dos resíduos produzidos nas fazendas, capazes de causar impactos ambientais negativos se mal descartados, podem ser matéria-prima de fertilizantes eficazes.  

Além do benefício ambiental, a utilização de resíduo orgânico beneficiado como alternativa para agricultura sustentável é mais barata, uma vantagem importante, já que os fertilizantes estão entre os principais insumos utilizados na agricultura, representando cerca de 30% dos custos de produção de uma lavoura. Por isso, conclui-se que o uso de fontes alternativas de adubação pode permitir aos produtores alcançar maiores rendimentos.

¹Mário Pinto da Silva Júnior, é empresário do Agronegócio. Atuando na busca por soluções que permitam o crescimento do setor, fazendo parte do Grupo Organics, no cargo de Sócio-Diretor da empresa.

REFERÊNCIAS

CANELLAS, L. P. et al. Distribuição da matéria orgânica e características de ácidos húmicos em solos com adição de resíduos de origem urbana. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 36, p. 1529-1538, dez. 2001. 

MELO, L. C. A.; SILVA, C. A.; DIAS, B. O. Influência de métodos de digestão e massa de amostra na recuperação de nutrientes em resíduos orgânicos. Química Nova, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 556-561, mar. 2008. 

MENEZES, R.S.C.; SALCEDO. I.H. Mineralização de N após incorporação de adubos orgânicos em um Neossolo Regolítico cultivado com milho. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 11, p. 361-367, 2007.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com