Santa Catarina quer transformar leite em nova estrela do agronegócio

Santa Catarina quer transformar leite em nova estrela do agronegócio

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Os produtos mais conhecidos do setor agropecuário exportador catarinense são aves e suínos. Mas um terceiro deve entrar para essa lista de destaques nos próximos anos: o leite.

De acordo com o secretário-adjunto de Estado da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, governo, entidades e produtores trabalham para melhorar a qualidade e fazer com que o produto ganhe projeção global. Os japoneses, afirmam agricultores e funcionários do governo, já sinalizaram interesse em comprar laticínios do mercado estadual.

“A força da agropecuária catarinense está assentada na conexão com o mercado global. Por isso, nosso sonho é levar o leite em escala ao comércio internacional. Esse é o próximo produto a virar uma estrela do nosso agronegócio”, afirma Spies.

A bebida já é o terceiro item mais importante na composição do Valor Bruto de Produção (VBP) – o total pago aos agricultores – da agropecuária estadual, atrás de aves e suínos. Neste ano, respondeu por R$ 3,5 bilhões do resultado de R$ 29,6 bilhões, conforme a Epagri. São 60 mil produtores comerciais em Santa Catarina, segundo a Federação da Agricultura e Pecuária (Faesc). Hoje, as exportações do Estado são residuais e o produto não está sequer entre os 100 mais importantes da pauta catarinense. Porém, há espaço para avançar.

O leite catarinense não tem só peso na pauta da agropecuária local, mas nacional. Em 2016, Santa Catarina se tornou o quarto maior produtor do país ao ultrapassar Goiás, segundo o IBGE. A maior parte da produção catarinense, 77%, se concentra no Oeste. Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul lideram o ranking no país.

Ano a ano, o volume catarinense vem crescendo. Há uma década, era 1,7 bilhão de litros e, em 2016, foram 3,1 bilhões, alta de 82%. No mesmo período, o crescimento nacional foi de 32%, menor que a variação em SC, mas acima do aumento do consumo. Por enquanto, o Brasil ainda precisa importar leite e a quantidade exportada é insignificante. Mas, se a tendência de alta na produção se mantiver, vender para o exterior será uma necessidade.

“O cenário para 2025 pede que estejamos exportando 10% da produção de leite do Brasil ou teremos que reduzir o ritmo de produção. Logo estaremos com suprimento pleno”, diz Spies.

Grandes companhias do setor sediadas em Santa Catarina estão de olho no consumidor externo. De acordo com o diretor de mercado da Tirol, Edson Martins, em 2017 a empresa deu o primeiro passo para a globalização ao iniciar cotações para embarques a países da América Latina, da África e do Oriente Médio. A meta para 2018 é exportar itens como manteiga, leite condensado e em pó.

Desafio é melhorar qualidade

Santa Catarina tem bons indicativos para o aumento da quantidade de produção de leite no Estado. A qualidade é o principal desafio nos próximos anos. Para conseguir competir com neozeolandeses, europeus e norte-americanos, que detêm 67% das exportações de laticínios, a cadeia catarinense precisa se aprimorar. Parte desse trabalho tem relação com o melhoramento genético, que está sendo feito por produtores, indústria e Epagri.

A sanidade do rebanho é outro ponto que demanda investimento. Segundo a secretaria de Agricultura, a Companhia Integrada para o Desenvolvimento da Agropecuária (Cidasc) trabalha junto aos criadores de gado para que o Estado fique livre de brucelose e tuberculose e ganhe certificação internacional, como a que já tem referente à febre aftosa sem vacinação.

Leite Santa Catarina
José Carlos Araújo, produtor de gado de leite em Chapecó. Foto: ANGÉLICA LÜERSEN / Especial.

Conforme o secretário-adjunto da Agricultura, é preciso também superar a ineficiência logística. Hoje, o Estado transporta 47 litros de leite por quilômetro rodado enquanto a Nova Zelância leva 400 litros e a Argentina, 220. Além da infraestrutura, o produtor de Chapecó e membro do Conselho de Produtores de Leite de SC (Conseleite) José Carlos Araújo aponta outros problemas estruturais:

“A energia elétrica, por exemplo, é uma coisa que precisa melhorar. A cobertura e a qualidade do fornecimento são ruins. Hoje, qualquer produtor precisa ter um gerador, que é caro. Na última chuva que teve, eu fiquei 24 horas sem energia, se não tivesse gerador, teria perdido 4 mil litros de leite”, reclama.  Araújo, que cria cerca de 100 cabeças de gado, também aposta na exportação. Segundo ele, o Conseleite está montando um programa para promover a melhoria do produto catarinense e começar as vendas para o exterior no ano que vem ou em 2019.

Para Spies, o modelo catarinense deve evoluir gradativamente como ocorreu em outros setores. “Ainda temos (no leite) o modelo da suinocultura das décadas de 1970 e 1980, de pouca produção e muito trabalho. Com a organização da cadeia produtiva, vamos aumentar a produtividade, vender no mercado global e gerar mais empregos também”, afirma.

Essas melhorias, prevê o secretário-adjunto, podem vir acompanhadas da redução do número de produtores – ao mesmo tempo em que haverá mais empregos em outros setores –, uma vez que só os mais eficientes conseguirão competir.

As informações são do Diário Catarinense.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com