PARTILHAR

Não é possível substituir totalmente a capacidade do selecionador de ponderar informações; quem vive a fazenda e “olha o gado” com sabedoria consegue

Saindo do tema coronavírus, que tomou um espaço enorme em nossas vidas – e não podia ser diferente, devido à gravidade das consequências para todos nós –, voltamos à temática seleção de gado. Na coluna anterior, coloquei um título bastante provocativo: “Em tempos de genômica, será que existe criador que ainda olha para o gado?”. Em geral, a repercussão foi positiva.

Porém percebi, nas redes sociais, que algumas pessoas não entenderam que a ideia era justamente criticar boa parte do mercado, que tem considerado as avaliações genéticas e genômicas como verdades absolutas, e tratando o TOP em um índice como critério de seleção único para todas as realidades de ambiente. Vale refletir que podem existir TOP 0,1%, 0,5% ou 1% desbalanceados na régua de DEPs e/ ou muito fracos para morfologia.

É necessário tomar cuidado com essa concepção, principalmente se o Nelore começa a apresentar perda de identidade, não só em caracterização racial, mas em características funcionais, como peso ao nascer, aprumos, correção de umbigo/prepúcio e, o mais preocupante, no modelo de carcaça como produtor de carne. Lembrem-se: existem touros bem avaliados nos programas de melhoramento, negativos para leite ou que não apresentam aquele volume de posterior que raças produtoras de carne devem ter – é só dar uma volta nas centrais de inseminação.

Considerei incrível a manifestação de alguns leitores que, aparentemente, nem leram a coluna e partiram para a contestação do título como se eu estivesse defendendo que genômica é tudo. Essas pessoas seguramente se equivocaram, já que meu foco de trabalho em melhoramento sempre foi o equilíbrio entre números e fenótipo, dando grande ênfase ao olho humano como ferramenta de seleção e com muito respeito à sabedoria de selecionadores tradicionais de gado zebu. Nessa linha, trabalhei meu mestrado e meu doutorado, e desenvolvemos a metodologia EPMURAS, que tem por objetivo colocar ciência nos olhos e fazer com que selecionadores, técnicos e mercado tenham uma comunicação mais clara.

Digo com segurança que, quanto mais estudo e quanto mais compreendo avaliações genéticas, até chegar à genômica, mais tenho a consciência de que essas ferramentas são muito poderosas, embora possuam limitações e careçam de muita interpretação. Isso significa que não é possível substituir totalmente a capacidade do selecionador de ponderar informações, algo que somente quem vive a fazenda e “olha o gado” com sabedoria consegue.

É, amigos, com toda a tecnologia que possa existir para dar suporte à seleção, o olho do dono continua importante para “engordar o porco”, e só o olho do selecionador – referindo – me à interpretação genética, a avaliações fenotípicas intrarrebanho e à capacidade de definir seus critérios próprios de seleção, incluindo morfologia – poderá dar identidade e diferencial ao gado.

Espero que meu posicionamento tenha ficado mais claro, mesmo para aqueles que têm dificuldade de entender uma crítica construtiva. Não é de hoje que assumo uma posição de estudar, trabalhar duro no campo (pistas e currais) e me expor em cursos, artigos e palestras, sempre com muito respeito à diversidade de pensamentos e preparado para defender aquilo que acredito em prol de uma pecuária mais produtiva.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.