Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Soja: agricultor terá lucro em 2024, diz consultoria

DATAGRO Grãos revisa levantamento sobre lucratividade dos sojicultores brasileiros em 2024, mas resultado ainda tende ao positivo; Caso a projeção de lucratividade bruta positiva se concretize, será o 18º ano consecutivo de avanço na renda de soja no Brasil

Com o plantio da safra brasileira 2023/24 de soja em reta final, a DATAGRO Grãos revisou seu levantamento sobre a renda dos sojicultores do País para o ano que vem. O resultado ainda sinaliza mais uma temporada remuneradora para a maioria dos produtores, embora possivelmente aquém dos excelentes desempenhos de 2021 e 2022, e até mesmo do razoável ano de 2023.

Observa-se que a combinação das variáveis que determinam a lucratividade bruta, definida através da relação entre a receita obtida e o custo de produção, deve pender mais uma vez para o lado positivo. “Mas a amplitude irá variar de estado para estado, a depender dos resultados obtidos em termos de produtividade média, sendo decisivo em um ano de irregularidade climática como o desta nova safra”, comenta Flávio Roberto de França Junior, economista e líder de conteúdo da DATAGRO Grãos.

Os custos operacionais de produção da safra 2023/24 nos três principais estados produtores do Brasil, Mato Grosso, Paraná e Goiás, devem registrar expressiva retração. No entanto, vale considerar que essa redução acontece ante uma base muito elevada, após fortes aumentos nas safras 2021/22 e 2022/23. “De saldo, temos a diminuição de gastos com insumos e alguma retração no padrão da taxa de câmbio na temporada; por outro lado, o aumento expressivo nos custos fixos”, destaca França Junior.

Porém, no lado limitante, a análise da DATAGRO Grãos considera expectativa de produtividade média razoável, abaixo do ano passado. A despeito do bom nível tecnológico, a influência de um fenômeno El Niño de forte intensidade vem trazendo impactos devido à irregularidade das chuvas, com excesso de precipitações no Centro-Sul e escassez no Centro-Norte.

Em relação às tendências de receita, a sinalização inicial aponta para preços domésticos aquém dos excepcionais valores observados de 2020 a 2023, mas provavelmente superior às mínimas deste ano.

Caso a projeção de lucratividade bruta positiva se concretize, será o 18º ano consecutivo de avanço na renda de soja no Brasil. “A princípio temos sinalizações não muito distantes dos também interessantes resultados de 2023, embora abaixo dos excepcionais números de 2020, 2021 e 2022. Com indicação de cenário um pouco melhor de preços domésticos e custos de produção bem menores, mas com produtividades comprometidas”, avalia França Junior.

O comportamento do clima na América do Sul nos próximos meses, o andamento da economia global, bem como o encaminhamento da economia brasileira, a evolução do conflito no Leste Europeu e a definição da safra de 2024 nos EUA são as principais variáveis que podem interferir nas projeções de forma mais intensa. “Com destaque por conta do controle definitivo da inflação e das preocupações com o equilíbrio das contas públicas no Brasil”, diz o líder de conteúdo da DATAGRO Grãos.

Fonte: Datagro

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM