Soja batendo recorde de preço, vai subir mais?

Soja batendo recorde de preço, vai subir mais?

PARTILHAR
fazenda-diamante-verde-soja-4
Foto: Fazenda Diamante Verde

Praticamente todas as praças brasileiras registraram vendas de soja com os preços mais elevados da história. Tendência daqui para a frente ainda é positiva, afirma Safras & Mercado.

Quem poderia imaginar que depois de atingir a marca histórica de R$ 116 por saca no porto de Rio Grande em maio, os preços da soja voltariam a testar essa máxima agora em junho e, na maioria das praças, quebrar o recorde de maior valor já recebido por uma saca de soja na história. Na verdade além do dólar em alta, outros dois fatores estão contribuindo para esses recordes: as cotações em alta na Bolsa de Chicago e a elevação dos prêmios pagos nos portos, afirma a consultoria Safras & Mercado.

Antes de mais nada, vale ressaltar que o recorde de maior valor médio já pago por uma saca de soja no Brasil em todas as praças, não foi quebrado ainda, foi igualado.

O recorde era originalmente de 13 e 14 de maio no Porto de Rio Grande (RS), de R$ 116 por saca na média de negócios do dia e, no último dia 18 de junho, a média de preços no Porto de Rio Grande ficou novamente em R$ 116 por saca.

“O momento é muito favorável para os preços da soja no mercado brasileiro. Os preços na última quinta e nesta sexta estão atingindo novos recordes, superando os valores incríveis de maio, quando o câmbio bateu a casa dos R$ 6. Desta vez, além do dólar, as cotações de Chicago em alta e os prêmios elevados nos portos trazem suporte para os valores atuais”, afirma o analista da Safras & Mercado, Luiz Fernando Gutierrez.

Se no porto de Rio Grande (RS) o máximo foi um empate, nas demais praças acompanhadas o valor médio em um dia foi quebrado.

Em Paranaguá (PR), a saca de soja foi negociada a R$ 115 por saca nestes últimos dois dias, contra R$ 114,50 de maio. Em Cascavel (PR) foi negociada agora a R$ 108,50, contra os R$ 108 de maio. Em Dourados (MS), a saca foi negociada agora em junho a R$ 100, contra a máxima de maio de R$ 97. EM Passo Fundo (RS) as vendas chegaram a R$ 112 por saca, contra R$ 110,50 do mês anterior. Em Rondonópolis (RS) a saca subiu para R$ 104 agora em junho, contra os R$ 103 de maio.

Só em Santos o recorde não foi batido em junho, chegando a R$ 114 por saca, contra os R$ 115 de maio.

“A tendência para o preço segue bastante positiva. Muito dependerá do câmbio, naturalmente, mas os prêmios elevados podem dar suporte aos valores no país. No fim do ano, com menor oferta ainda, os preços podem trazer oportunidades interessantes para os preços”, diz Gutierrez.

Chicago, dólar e prêmios

Segundo o analista da Safras & Mercado, as cotações da soja na Bolsa de Chicago estão elevadas no momento, por conta de uma demanda crescente de soja dos EUA para a China.

“Isso traz a sensação para o mercado de que há espaço para os asiáticos cumprirem o acordo que fizeram no início do ano. A tendência, daqui para a frente é que os chineses aumentem os volumes de compras com a colheita da safra dos Estados Unidos”, afirma.

Entretanto, há um limite para estas altas em Chicago, afirma o analista, principalmente por causa do clima favorável durante a safra recém plantada.

“Vale ressaltar que estamos entrando no momento climático da safra dos EUA e isso acaba limitando um pouco os ganhos em Chicago, pois o momento as lavouras se desenvolvem bem por lá. Só que isso pode mudar rapidamente e, se o clima piorar, as cotações em Chicago podem voltar a subir.”

Para ele, o câmbio segue como o principal trampolim para as altas dos preços, apesar de os prêmios nos portos completaram o cenário positivo.

“O momento atual mostra uma valorização do dólar frente ao Real, já que a política atual brasileira é bastante conturbada. Já em relação aos prêmios, ainda há uma demanda chinesa pela soja do país, mas isso deve diminuir daqui para a frente. Como o Brasil já vendeu muita soja, existe pouca oferta no mercado e isso sustenta a alta dos prêmios, que deve durar nos próximos meses”, finaliza.

Fonte: Canal Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com