Soja: Queda na exportação e alta nos preços, veja!

Soja: Queda na exportação e alta nos preços, veja!

PARTILHAR
bico da colheitadeira despejando soja no caminhao
Foto: Fazendas Milanesi Buriti

Quantidade exportada de soja na 2ª semana de dezembro chega a 17 mil toneladas, o menor volume semanal de 2020. Dólar faz preço reagir, veja!

Com dólar e CBOT em alta, os preços da soja no Brasil no mercado físico voltaram a subir, tendo como referência os R$ 151,00/sc, ainda assim, quase não há negócios no país, pois não há matéria-prima. Em Chicago, o vencimento para março/21 registrou alta de 0,73%, sendo negociado a US$ 11,75/bu. A previsão de menor volume de chuvas na América do Sul nos próximos dias aliado ao bom desempenho do óleo de soja foi o que deu força para as cotações da oleaginosa avançaram nesta segunda-feira.

Sem soja para comercializar, a 2ª semana de dezembro/20 foi a pior semana do ano para as exportações de oleaginosa do Brasil. Foram 17 mil toneladas de soja enviadas para fora do país nos últimos cinco dias úteis, levando a média diária do mês de dezembro/20 recuar 49,28% em relação a primeira semana do mês, atingindo um valor de 15,26 mil toneladas/dia.

Em comparação a dezembro/19, o recuo na média diária ultrapassa os 90%.  A situação é tão adversa, que o Brasil teve que importar 15,14 mil toneladas de soja na segunda semana de dezembro/20, equivalendo quase a mesma quantidade exportada da oleaginosa.

Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 140 para R$ 141. Na região das Missões, a cotação avançou de R$ 140 para R$ 141. No porto de Rio Grande, o preço subiu de R$ 143 para R$ 144.

Em Cascavel, no Paraná, o preço passou de R$ 140 para R$ 141 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca de soja estabilizou em R$ 145.

Em Rondonópolis (MT), a saca subiu de R$ 143 para R$ 150. Em Dourados (MS), a cotação ficou em R$ 139. Em Rio Verde (GO), o preço da saca avançou de R$ 137 para R$ 138.

Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a segunda-feira com preços mais altos. O mercado foi impulsionado pelas preocupações com o clima na América do Sul e pelo bom desempenho das inspeções de exportação dos Estados Unidos na semana.

As inspeções de exportação norte-americana de soja chegaram a 2.368.781 toneladas na semana encerrada no dia 10 de dezembro, conforme relatório semanal divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). O mercado previa 2,350 milhões de toneladas.

Na semana anterior, as inspeções de exportação de soja haviam atingido 2.585.571 toneladas. Em igual período do ano passado, o total inspecionado fora de 1.317.564 toneladas. No acumulado do ano-safra, iniciado em 1º de setembro, as inspeções somam 32.077.326 toneladas, contra 18.692.102 toneladas no acumulado do ano-safra anterior.

Os contratos da soja em grão com entrega em janeiro fecharam com alta de 9 centavos de dólar por libra-peso ou 0,77% a US$ 11,69 por bushel. A posição março teve cotação de US$ 11,74 por bushel, com ganho de 8,50 centavos ou 0,72%.

Nos subprodutos, a posição janeiro do farelo subiu US$ 0,40 ou 0,1% a US$ 380,70 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em janeiro fecharam a 38,73 centavos de dólar, alta de 0,49 centavo ou 1,28%.

Câmbio

O dólar comercial encerrou a sessão com alta de 1,54%, sendo negociado a R$ 5,1250 para venda e a R$ 5,1240 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,0100 e a máxima de R$ 5,1300.

Compre Rural com informações da Agrifatto e Agência Safras

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.