Startups lançam uma nova era no campo

Startups lançam uma nova era no campo

PARTILHAR
check-list-pre-voo-planejamento-VANT
Foto: horusaeronaves.com

O agronegócio experimenta nova era. A inovação tecnológica invade o campo e provoca outros paradigmas, proporcionando ganhos de produtividade e resultados melhores.

Estado de Minas

De acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), nos últimos dois anos, quase quadruplicou a quantidade de startups (empresas nascentes de base tecnológica e alto potencial de crescimento), ligadas à agricultura – as chamadas agritechs, ou agtechs. Hoje, estima-se que haja cerca de 200 no país, muitas delas incubadas em universidades, com dedicação ao desenvolvimento de soluções em agricultura de precisão, monitoramento de lavouras e automação de equipamentos.

Há exemplos clássicos de avanços tecnológicos, principalmente entre grandes produtores: os tratores agrícolas vêm equipados com diversas tecnologias, como GPS, e agricultura de precisão que diminui as deficiências de processos. As máquinas agrícolas têm equipamentos que mensuram todo o trabalho a ser feito e geram relatórios para melhorá-los. Uma adubadeira sabe metro a metro a dosagem certa, mapeia as variações de qualidade do solo e passa informações que permitem regular a máquina para cada situação.

Minas Gerais, com sua diversidade de clima e bioma e agricultura diversificada, é um laboratório para que as empresas possam investir e pesquisar. “Muitos produtores compram máquinas e não usam nem 10% de toda a tecnologia disponível”, diz Pierre Santos Vilela, superintendente do Instituto de Pesquisa e inovação do sistema Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (Faemg) .

Em novembro do ano passado, o sistema Faemg, por meio do Instituto Antonio Ernesto de Salvo (Inaes), lançou o projeto Novo Agro 4.0, que conecta startups e universidades com o agronegócio, com o propósito de identificar e fomentar iniciativas que gerem tecnologias de ponta para o desenvolvimento do agronegócio. Segundo o presidente do sistema Faemg, Roberto Simões, é o marco de uma nova era do agronegócio: “não conseguiremos sozinhos a solução para esses problemas. Precisamos contar com a tecnologia e com os jovens para criar um sistema novo, real, sustentável e igualitário”.

O projeto identifica demandas do produtor rural e busca soluções para aumentar ganho de produtividade e competitividade. Pierre Santos Vilela disse que o conceito genérico de startup é uma empresa que tem uma tecnologia baseada em informação, comunicação e inovação, “normalmente ela rompe com bastante força os meios tradicionais de fazer e conduzir processos e tem alto potencial de rápido crescimento em termo de adoção e disseminação de tecnologias”.

Não se trata de inovação tecnológica tradicional, como a biotecnologia, genética, mas de comunicação, de forma a otimizar processos e produtos. A iniciativa tem por meta aproximar dois grupos inovadores (criadores dessas tecnologias) do usuário final que é o produtor, abrindo caminhos para que eles conversem e facilitem o processo de adoção e disseminação dessas tecnologias.

O grande desafio no campo é eliminar a lacuna existente entre o desenvolvimento da tecnologia e sua chegada ao usuário final. A instituição quer mostrar ao produtor que existem meios inovadores e a seu alcance de interferir no processo de gestão, manejo, com impactos no custo da produção.

Do celular

A própria Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) estimula novidades no mercado de aplicativos. Nova versão do aplicativo Doutor Milho, lançado há um ano, será apresentada ao público durante a 30ª edição do evento Show Rural Coopavel, de hoje a sexta-feira na cidade paranaense de Cascavel. A Embrapa Milho e Sorgo, de Sete Lagoas, na Região central de Minas, estará presente na feira que conta com mais de 500 expositores dispostos em uma área de 720 mil m².

A instituição considera a escolha da semente certa meio caminho andado para o sucesso de qualquer lavoura de milho. O novo aplicativo auxiliar os produtores no momento da opção pela semente mais adaptada à determinada região. Eles podem fazer consultas off-line sobre as cultivares de milho disponíveis atualmente no mercado a partir de um banco de dados que reúne informações técnicas cedidas por todas as empresas sementeiras.

Para o pesquisador Israel Alexandre Pereira Filho, da Embrapa Milho e Sorgo, o objetivo da equipe desenvolvedora é oferecer melhorias constantes ao aplicativo, e ele destaca que, nessa nova versão, atende a todas as 239 cultivares recomendadas para as safras 2017/2018 (verão e safrinha) já estão disponibilizadas no app. Com isso, o produtor, por meio do seu dispositivo móvel, poderá entrar em contato com as mais modernas tecnologias de sementes de milho, facilitando a escolha da cultivar mais adequada para o clima, solo e objetivo de uso.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.