Três dos principais alimentos subiram mais de 50% nos últimos dois anos

PARTILHAR
Foto: Divulgação

Levantamento foi feito por economista da FGV e mostra a inflação acumulada de alguns produtos alimentícios nos últimos 24 meses.

No acumulado dos últimos dois anos, três alimentos mais consumidos pelos brasileiros tiveram alta de mais de 50% no valor final de venda nos supermercados. O produto que mais aumentou ao longo deste período foi o tomate, que registrou alta de 67,88%. Na sequência, aparecem o feijão-preto (56,16%) e a batata-inglesa (50,58%).

O levantamento foi feito pelo economista Matheus Peçanha, da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Nele, os itens que compõem os tradicionais pratos-feitos, servidos nos restaurantes pelo país, apresentou alta acumulada de 42,19% nos últimos dois anos.

Segundo o economista, o país teve azar com os alimentos, por conta de sucessivos problemas climáticos que afetaram a produção. “O primeiro foi a seca em 2020/2021. Depois, geadas. E, agora, chuva em excesso”, destaca. Peçanha diz também que essas condições do clima impactaram em sequência na produção agrária nacional. Apesar de estar em alta, o economista espera que, ao menos no caso do feijão, possa haver uma melhora nos preços.

“São sucessivos choques climáticos que estão piorando as condições de oferta e gerando pressão nos preços. Cada hora bate um choque diferente. O problema do feijão foi a seca do ano passado e final do ano retrasado, em decorrência do efeito da La Niña, que afetou grãos e proteínas de modo geral. O feijão já se recuperou do choque, é um produto que deve ganhar espaço agora que as condições de oferta estão favoráveis”, explicou.

O economista espera queda nos preços de legumes e hortaliças nos próximos meses, caso não haja nenhum novo fenômeno climático atípico. “Já nos hortifrutis de modo geral, hortaliças e legumes, o choque provocado por chuvas em excesso. Tem previsão para que a partir desse inverno o ritmo de chuvas seja reduzido. Então esse preço a partir da primavera deve se normalizar”, projetou.

Peçanha entende que o acumulado de alta dos preços evidencia que a pressão inflacionária nesse grupo de alimentos já dura pelo menos dois anos. “Isso é bem grave, pois geralmente os alimentos têm um comportamento cíclico na inflação. Mas há dois anos eles já acumulam mais que o dobro da inflação geral. Isso agrava os problemas sociais, além de contribuir para formação de uma memória inflacionária”, pontuou.

Além dos efeitos climáticos que impactaram diretamente a inflação dos produtos alimentícios, Matheus Peçanha citou outros problemas, como a desvalorização cambial.

“No começo da pandemia, o dólar chegou a quase seis reais. E o Brasil é um país agroexportador, principalmente exportador de carne. Quando o dólar fica tão caro assim, tem mais incentivo a exportar. Esse foi um ponto importante de impacto no preço das proteínas que estão vendo o efeito até agora”, comentou.

O economista também citou que, após a queda do embargo da China em relação à carne brasileira, o preço do produto aqui no país voltou a subir.

“Houve um aumento da demanda chinesa e de outros países da Europa, mas principalmente da China, que é nosso maior comprador. Essa demanda ditou o preço da carne no ano passado. Quando a China colocou o embargo da carne brasileira, o preço estagnou e houve até uma deflação no preço da carne. Mas, quando o ritmo voltou ao que estava antes do embargo, os preços internos da carne deram uma disparada”, concluiu.

Fonte: CNN

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com