UE deve permitir uso de áreas ociosas enquanto guerra atinge oferta de grãos

PARTILHAR
Foto: Divulgação

A invasão russa da Ucrânia, há uma semana, elevou os preços do trigo na Europa a recordes

A União Europeia deve considerar a permissão para que agricultores usem terras ociosas, principalmente para cultivar proteínas para alimentação de gado, para combater a interrupção no fornecimento de grãos e cereais da Ucrânia após a invasão da Rússia, disseram autoridades nesta quarta-feira.

A invasão russa da Ucrânia, há uma semana, elevou os preços do trigo na Europa a recordes. A Ucrânia e a Rússia são dois dos maiores exportadores de grãos do mundo.

As empresas de comércio têm procurado grãos, trigo e milho da UE para substituir os suprimentos ucranianos para exportação, mas a UE também depende das importações de milho e sementes de girassol para ração animal.

“Vários estados membros sugeriram que talvez pudéssemos usar terras reservadas para o cultivo de proteínas”, disse o ministro da Agricultura francês, Julien Denormandie, após uma reunião com colegas da UE para discutir o impacto da guerra na Ucrânia.

A Comissão Europeia deve estudar como aplicar tal medida, que modificaria as regras da política agrícola da UE sobre preservação de solos e biodiversidade, e fará propostas em uma próxima reunião de ministros em 21 de março, disse ele a repórteres.

O grupo francês InVivo, uma das maiores empresas agrícolas da Europa, disse mais cedo nesta quarta-feira que a renúncia às regras de retirada de terras sob a Política Agrícola Comum da UE poderia aumentar a área cultivada em 10-15% e aumentar a produção de trigo da UE.

A InVivo, cujas atividades incluem distribuição de suprimentos agrícolas e produção de fertilizantes, também queria que a UE desse auxílio aos agricultores para ajudar com o aumento dos custos de fertilizantes, disse o presidente-executivo Thierry Blandinieres a repórteres.

Fonte: Reuters

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com