Utilização de resíduos de animais na alimentação bovina

Utilização de resíduos de animais na alimentação bovina

Confinamento na Fazenda Umari (PB) - Ourofino em Campo

Sintomas, restrições, leis governamentais e riscos para a saúde humana, entenda porque é tão importante o controle desses resíduos.

A proibição do uso de resíduos de animais (cama de frango e farinha de ossos, por exemplo) na alimentação de ruminantes, na alimentação de bovinos, se dá por causa do risco de contaminação e disseminação de doenças como botulismo e encefalopatia espongiforme bovina-EEB, popularmente conhecida como doença da Vaca Louca. (BARROS FILHO, I.R, 2017)

Assim como o botulismo a contaminação com a EEB pode se dar através do consumo de alimentos conspurcado pelo seu agente infeccioso, no caso do botulismo é a bactéria Clostridium botulinum, responsável pela intoxicação. (EMBRAPA, 2004)

Os primeiros sintomas do botulismo em bovinos são a incoordenação, seguida de paralisia dos membros posteriores, evoluindo para os músculos do sistema digestório e parada respiratória seguida de morte. (EMBRAPA, 2004)

Já a EEB ou doença da Vaca Louca é causada por uma proteína cerebral chamada príon, que quando infecciosa pode adquirir formas anormais causando disfunções cerebrais que são característicos efeitos da doença. (IMA, 2012)

Nos bovinos os sintomas são: inquietação, dificuldade de locomoção, paralisia e morte. (BARROS FILHO, I.R, 2017)

A questão que ronda o assunto é a transmissão da doença para o homem. Em humanos a doença é conhecida cientificamente como Creutzfeldt-Jakob, caracterizada por ser degenerativa e de lenta evolução. (CVE/SES-SP, 2000)

Os sintomas no homem também estão relacionados a nervosismo, problemas de coordenação, demência chegando até a morte, e ainda não se tem um tratamento específico. A contaminação acontece com o consumo de carne de animais contaminados.

De acordo com informativo técnico no. 10 da Secretaria do Estado do Rio Grande do Sul, é necessário menos de um grama de material infectante para que ocorra a transmissão da doença. Devido a isso, não existe um limite de consumo para esses resíduos animais, mas sim a proibição total. (DPA, 2010)

Os primeiros casos do mal da vaca louca aconteceram na década de 80 na Europa. O Brasil nunca reportou casos comprovados em seus rebanhos, pois além do sistema de produção em pasto ser adotado para o rebanho brasileiro, o país aplica medidas internacionais de vigilância. (Canal Rural, 2014)

O fato do Brasil não importar resíduos animais também dificulta a disseminação da doença no país.

Em maio de 2012 a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) subiu a categoria do Brasil de risco controlado para risco insignificante no status sanitário da doença mundial. (Canal Rural, 2014)

No Brasil a Instrução Normativa no.8, de 25 de março de 2004, proíbe em todo o território nacional a produção, a comercialização e a utilização de produtos destinados à alimentação de ruminantes que contenham em sua composição proteínas e gorduras de origem animal. (MAPA, 2008)

Aos produtores que não cumprem com a Instrução Normativa, assim que identificados tem o prazo de 30 dias para descarte do rebanho, podendo ser punido com pagamento de multa e 2 a 5 anos de reclusão, de acordo com Código Penal art.259. (MAPA, 2008)

As medidas sanitárias que são tomadas pelo MAPA para controle e fiscalização para prevenção da EEB são por recomendações da OIE e do Comitê Científico do Mapa para Encefalopatias (CEET). Dentre essas medidas estão controle e proibição de animais importados de países onde existe risco da doença, vigilância no abate de emergência e remoção de material de risco específico para EEB. (DPA, 2010)

O MAPA também apresenta medidas de fiscalização como: fiscalizações em estabelecimentos que produzem e processam alimentos ou resíduos animais (graxarias); e fiscalização de alimentos em propriedades de criação de ruminantes. (DPA, 2010)

Diante deste contexto, é importante que o pecuarista se informe e tenha ciência da legislação e os riscos que o não cumprimento da lei podem acarretar à sua produção. (DPA, 2010)

Texto previamente publicado na revista Agron

Por Pâmela Andrade – Engenheira agrônoma

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. CARTILHA TÉCNICA ENCEFALOPATIA ESPONGIFORME BOVINA – EEB, 2008. Disponível em: < file:///C:/Users/amelia/Desktop/Cartilha%20t%C3%A9cnica%20EEB%202008.pdf>. Acesso em: 24/01/2018.

Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária, Pesca e Agronegócio. INFORMATIVO TÉCNICO DPA, PREVENÇÃO DA ENCEFALOPATIA ESPONGIFORME BOVINA (EEB) NO BRASIL, 2010. Disponível em: <http://www.uel.br/cca/dmvp/pages/arquivos/1293491656Prevencao_da_Encefalopatia_Espongiforme_Bovina__EEB__no_Brasil.pdf> Acesso em: 24/01/2018.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, EMBRAPA. Comunicado Técnico 72, Botulismo dos Bovinos e seu Controle, 2004. Disponível em: <https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/627825/o-botulismo-dos-bovinos-e-o-seu-controle>Acesso em: 26/01/2018.

CANAL RURAL. Saiba o que é e como surgiu o Mal da Vaca Louca, 24 de abril de 2014. Disponível em: http://www.canalrural.com.br/noticias/guias-e-servicos/saiba-que-como-surgiu-mal-vaca-louca-10357. Acesso em: 23/01/2018.

BARROS FILHO, I.R.; LAURINDO, E.E; Encefalopatia Espongiforme Bovina Atípica: Uma Revisão, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/aib/v84/1808-1657-aib-84-e0392015.pdf> Acesso em: 25/01/2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. LEGISLAÇÃO ALIMENTAR ANIMAL, 2008. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br/assuntos/insumos-agropecuarios/insumos-pecuarios/alimentacao-animal/legislacao-alimentacao-animal>Acesso em: 24/01/2018.

Instituto Mineiro de Agropecuária. IMA fiscaliza a alimentação de ruminantes em mais de 100 propriedades, 2012. Disponível em: http://www.ima.mg.gov.br/acontece-no-ima/1300-ima-fiscaliza-a-alimentacao-de-ruminantes-em-mais-de-100-propriedades Acesso em: 25/01/2018.

Fonte: Scot Consultória

-- conteúdo relacionado --
Mercado mais calmo, cenário comum para o período Mercado andando de lado, sem forças para altas expressivas. Das trinta e duas praças pecuárias pesquisadas pela Scot Consultoria, cinco tiveram alter...
Mapa cria Banco de Dados de Identificação Animal Código será visualizado em elemento externo (brinco) ou pela leitura eletrônica de dispositivo implantado (chip). O Ministério da Agricultura, Pecuár...

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com