Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Veja como ficaram os preços da soja no Brasil após relatório do USDA

Documento do Departamento de Agricultura dos EUA indica safra brasileira em 153 mi de ton e argentina em 33 mi de toneladas.

A quarta-feira (8) foi de poucos negócios e de preços sob pressão para a soja no mercado físico brasileiro. A queda do dólar e dos prêmios pesam sobre os preços internos.

Em dia de relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), Chicago teve um dia volátil, sem impactar na configuração doméstica. Os produtores permanecem centrados na colheita da maior safra da história do país.

Veja as cotações no Brasil

  • Passo Fundo (RS): a saca de 60 quilos baixou de R$ 168,00 para R$ 167,00
  • Região das Missões: a cotação recuou de R$ 167,00 para R$ 166,00
  • Porto de Rio Grande: o preço caiu de R$ 174,00 para R$ 172,00
  • Cascavel (PR): o preço baixou de R$ 163,00 para R$ 162,00
  • Porto de Paranaguá (PR): a saca caiu de R$ 169,00 para R$ 168,00
  • Rondonópolis (MT): a saca seguiu em R$ 156,00
  • Dourados (MS): a cotação ficou permaneceu em R$ 154,00
  • Rio Verde (GO): a saca caiu de R$ 148,50 para R$ 148,00

Soja em Chicago

Foto: Divulgação

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quarta-feira com preços mistos. Mesmo com dados positivos no relatório do USDA, o clima de aversão ao risco no financeiro, o fraco desempenho do milho e do trigo e a entrada de uma safra recorde no Brasil reduziram os ganhos das primeiras posições e colocaram as demais no território negativo.

O USDA indicou que a safra norte americana de soja deverá ficar em 4,276 bilhões de bushels em 2022/23, o equivalente a 116,38 milhões de toneladas. Os estoques finais estão projetados em 210 milhões de bushels ou 5,72 milhões de toneladas, contra 225 milhões de bushels de fevereiro – 6,13 milhões de toneladas. O mercado apostava em carryover de 219 milhões.

safra brasileira foi mantida em 153 milhões de toneladas e a produção argentina cortada de 41 milhões para 33 milhões de toneladas.

Os contratos da soja em grão com entrega em maio fecharam com alta de 2,25 centavos ou 0,14% a US$ 15,17 3/4 por bushel. A posição julho teve cotação de US$ 15,06 1/4 por bushel, com ganho de 1,50 centavo de dólar ou 0,09%.

Nos subprodutos, a posição maio do farelo fechou com baixa de US$ 2,10 ou 0,43% a US$ 485,70 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em maio fecharam a 59,08 centavos de dólar, com ganho de 0,42 centavo ou 0,71%.

Câmbio

O dólar comercial encerrou a sessão em queda de 1,02%, sendo negociado a R$ 5,1410 para venda e a R$ 5,1390 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,1010 e a máxima de R$ 5,1860.

Fonte: Agência Safras

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM