Verão: Vacas podem perder 30% da produtividade, veja!

PARTILHAR
Foto: Juliana Sussai

O estresse térmico também afeta a qualidade do produto e diminui a taxa de prenhez das matrizes, de acordo com a Embrapa. Confira os detalhes e dicas!

Com a aproximação do verão, é imprescindível que produtores de leite redobrem os cuidados na hora do manejo das vacas. Conhecido como estresse térmico, o aumento da temperatura interna dos animais pode provocar perdas de até 30% na produtividade, de acordo com a Embrapa Gado de Leite. 

A pesquisadora da entidade Maria de Fatima Avila diz que a temperatura prejudicial pode variar muito entre uma raça e outra, mas, em média, os animais começam a superaquecer a partir de 31 ºC.

“Esse índice depende de vários fatores, como raça e a capacidade do animal na produção de leite. Vacas da raça holandesas, por exemplo, são pouco tolerantes ao calor e isso provoca um aumento de estresse no animal”, afirma.

Outros problemas nas vacas

Segundo a pesquisadora, além do impacto na produção de leite, o estresse térmico também pode desencadear outros problemas no rebanho, como alteração na qualidade e na composição do leite e até mesmo prejuízos na reprodução.

Algumas reações fisiológicas que também podem acontecer são: diminuição de ingestão de alimentos ou alteração do padrão de ingestão; mudança da temperatura retal ou da frequência respiratória; e até mesmo maior procura por água.

Estudo publicado pela Embrapa em setembro de 2017 mostra que, no Brasil, a taxa de prenhez de vacas holandesas diminui de 72% no inverno para 46% no verão. Em vacas leiteiras mestiças, em piquetes ou semiconfinadas, a taxa de prenhez passou de 43% para 26,9%.

Sem perdas

Para evitar perder produtividade e até mesmo de vacas por conta do calor excessivo, a pesquisadora recomenda algumas ações. “É muito importante que o produtor esteja sempre atento aos sinais dos animais. Além disso, para aqueles que possuem criação de gado, garantir sombreamento, alimentação de boa qualidade e água em abundância é primordial. Recomendamos também que o pecuarista disponibilize mais de uma fonte de água para os animais”, diz Maria de Fatima.

De acordo com ela, a hidratação em épocas quentes deve ser priorizada após a ordenha e nas horas quentes do dia.

Para vacas confinadas, o produtor também deve seguir atento. “O local precisa ser climatizado na temperatura ideal e é muito importante sempre oferecer alimentos mais frescos aos animais, para estimular a ingestão dos mesmos”.

Outro ponto de atenção é o controle de lama nos corredores de passagem, que também é muito importante no verão, já que o registro de chuvas é mais comum nessa época do ano.

“Atenção também ao controle de insetos próximos às vacas. Isso porque o movimento de afastar moscas pode elevar ainda mais o calor”, acrescenta.

Com informações da Embrapa Gado de Leite e Canal Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com