Veterinário da CATI São Paulo identifica casos de raiva bovina em Andradina,...

Veterinário da CATI São Paulo identifica casos de raiva bovina em Andradina, interior do estado

PARTILHAR

Em Andradina, município localizado no oeste paulista, a pecuária leiteira tem grande importância econômica. Nesse contexto, o trabalho de extensão rural é realizado em um contato estreito com os produtores rurais, para que problemas sanitários, os quais possam acometer os rebanhos, possam ser identificados e solucionados com agilidade.

Josué Fermino dos Santos. Foto Divulgação do Linkedin
Josué Fermino dos Santos. Foto Divulgação do Linkedin

Há um mês, essa ação rotineira inibiu a proliferação de uma doença que acomete tanto animais como seres humanos: a raiva. Procurado por dois produtores intrigados com o comportamento de duas novilhas em suas propriedades, que estavam com dificuldades no andar e haviam se afastado do rebanho, o médico veterinário Josué Fermino dos Santos, assistente agropecuário da CATI Regional Andradina, fez uma visita às propriedades e logo constatou o problema. “Com base no relato da presença de morcegos hematófagos (Desmodus rotundus) e no exame clínico dos animais, houve a suspeita de raiva bovina. Solicitei ao proprietário que mantivesse o animal isolado, com alimentação à base de capim e água, e que tomasse as medidas e os cuidados para não tocar nas secreções e excreções”, esclarece o veterinário, informando que, no mesmo dia, o Escritório de Defesa Agropecuária (EDA) de Andradina foi notificado da suspeita. “Como a raiva é uma enfermidade viral infecciosa, de notificação obrigatória, invariavelmente fatal, que afeta o sistema nervoso central de pessoas e de quase todas as espécies de mamíferos domésticos e silvestres, além da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), foram notificados o Serviço de Vigilância Epidemiológica Municipal e o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Andradina, para que sejam adotados os procedimentos cabíveis”.

Com base na suspeita de raiva feito pelo veterinário da CATI e após atestados positivos pelo Instituto Biológico IB (nos dois casos foram colhidos fragmentos de órgãos internos e encaminhados ao Centro de Pesquisas e Desenvolvimento de Sanidade Animal Laboratório de Raiva, do IB), estão sendo adotados procedimentos de Defesa Sanitária Animal e Saúde Pública nas propriedades dos focos e perifocos. “Todos os cães e gatos das propriedades envolvidas foram vacinados contra raiva pelo CCZ”, salienta Josué, dizendo que na região do foco e perifoco foi recomendada a vacinação contra raiva de todos os animais suscetíveis e aplicação de reforço após 30 dias.

Em meados de julho, a equipe de combate à raiva da Coordenadoria de Defesa Agropecuária, órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, fez uma busca de possíveis abrigos de morcegos em um raio de 10km, a partir dos focos. “As propriedades do perifoco estão sendo notificadas sobre a ocorrência de raiva na região e a recomendação para vacinação dos rebanhos contra raiva. Para o controle, havendo sinal de mordedura de morcego em algum bovino, será recomendada a aplicação da pasta de warfarina (anticoagulante) ao redor da ferida, que leva o morcego à morte por ter hábito de se limpar em grupo na colônia”, salientou o veterinário.

Diante dos fatos verificados, o médico veterinário Carlos Hajime Kawatani, diretor da CATI Regional Andradina, avalia que o ocorrido serve de alerta aos médicos veterinários e auxiliares da área, tanto da CATI como da CDA, que atuam a campo ou possam ser expostos a riscos, os quais devem estar vacinados contra raiva e com título protetor adequado (imunidade), vacinação antitetânica em dia, orientar os produtores para que apenas pessoas habilitadas e com o título protetor manipulem animais com sintomas neurológicos. “Como medidas de trabalho e biossegurança, indicamos para os profissionais que manuseiam animais ou produtos de risco potencial para transmissão, o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) – macacão ou avental descartável, luvas, máscaras, gorro, óculos descartáveis e botas de borracha”.

Para definir as ações a serem implementadas no município, foi realizada uma reunião conjunta entre os técnicos da CATI e Coordenadoria de Defesa Agropecuária, para esclarecimentos sobre a raiva em herbívoros e ações de educação sanitária, com a presença de 24 produtores rurais. “Foram abordadas as Boas Práticas sanitárias e de produção animal na região dos focos e perifocos, feita a divulgação de materiais impressos (folders, banners e livretos) sobre controle da raiva e morcegos hematófagos, bem como apresentadas as medidas preventivas, ou seja, a vacinação e os cuidados em saúde pública”, relatou Josué.

Fonte cati.sp.gov.br

1 COMENTÁRIO

  1. Sou produtor rural na região de Nova Alvorada do Sul, e minha família esta aqui desde de 1929, e nunca tivemos raiva bovina nesta região. Porem depois de 2009, quando se instalou uma usina de etanol na região e tivemos muitos surtos de MOSCAS DA VINHAÇA (Stomomos calcitrans), começaram à aparecer os primeiros casos de raiva bovina. Deixo aqui uma dúvida para a CATI estudar. Afinal esta mosca já foi constatado que transmite outras doenças, como a tripanossomose bovina. Sempre temos culpado os morcegos pela doença, porem eu suspeito das moscas da Vinhaça. Hoje temos de vacinar o todo o gado uma vez por ano. Olha o RISCO SANITÁRIO DESCONHECIDO!