Wagyu: Doce Vida conquista o campeonato de fêmeas na Expointer

Wagyu: Doce Vida conquista o campeonato de fêmeas na Expointer

PARTILHAR
Grande campeã da raça Wagyu
Grande campeã da raça Wagyu Foto: Divulgação/Assessoria

A Doce Vida apresentou 10 exemplares da raça Wagyu nesta edição da Expointer. Ao longo dos nove dias de evento, o movimento no corredor da raça foi intenso.

Pelo 3º ano consecutivo a Agropecuária Doce Vida de Alegrete, conquista o grande campeonato de fêmeas Wagyu na Expointer
Após Nipoaxé 047 e Yakult BR 1019 terem vencido em 2015 e 2016, agora foi a vez de “Doce Vida 10 FIV”.

Mais uma faixa de grande campeã para a galeria de prêmios da Agropecuária Doce Vida. Localizada no Angico no município de Alegrete, fronteira-oeste do Rio Grande do Sul, a seleção da pecuarista Ivone Schröder, pioneira na criação da raça Wagyu na região, saiu consagrada da pista de julgamento do parque de exposições Assis Brasil em Esteio, onde foi realizada a 40ª edição da Expointer no período de 26 de agosto a 03 de setembro.

Após a conquista do grande campeonato entre as fêmeas em 2015 com a vaca “Nipoaxé 047 TE” e em 2016 com a matriz “Yakult BR 1019 Mel”, a Doce Vida voltou a vencer este ano no maior palco do agronegócio. Desta vez, um exemplar com a marca Doce Vida cativou o jurado Ayrton Cogo, médico veterinário que possui larga experiência com a raça desde que morou no Japão.

Após vencer o campeonato vaca até três anos e se classificado para a grande final, a fêmea “Doce Vida 10 FIV” de 34 meses e com cria ao pé, foi apontada como a grande campeã da raça japonesa na exposição. A novilha já havia sido escolhida como a reservada de grande campeã da Expointer em 2016.

Outro importante resultado foi conquistado por “Doce Vida 065”, campeã novilha menor e reservada de grande campeã. Ao final do julgamento, o jurado Ayrton Cogo se mostrou muito satisfeito e afirmou que não esperava encontrar tamanha qualidade dos animais apresentados em pista, trazido por duas cabanhas gaúchas.

A Doce Vida apresentou 10 exemplares da raça Wagyu nesta edição da Expointer. Ao longo dos nove dias de evento, o movimento no corredor da raça foi intenso. Foi notável a presença de pessoas interessadas na raça, incluindo produtores, estudantes e profissionais do setor, além de proprietários de restaurantes manifestando a demanda de fornecer carne Wagyu no cardápio.

Neste sentido, a Doce Vida está em planejamento e preparo visando atender esta crescente procura. O interesse por genética também foi considerável e assim como a carne, a Agropecuária Doce Vida já está produzindo prenhezes dos melhores acasalamentos, objetivando atender esta demanda.

Os produtores que estiverem interessados em sêmen, podem procurar a CRI Genética, onde a Doce Vida disponibiliza doses do touro Toshio (para conhecer o reprodutor, acesse o menu destaques).

Equipe Doce Vida com as grandes campeãs Wagyu
Equipe Doce Vida com as grandes campeãs Wagyu
Foto: Divulgação/Assessoria

Ile de France

Outro bom motivo para festejar é o sucesso da estreia do Ile de France da Doce Vida na Expointer. 8 machos e fêmeas foram apresentados no evento. Os exemplares participaram da mostra, julgamento e leilão. A pista de julgamento da raça contou com mais de 100 animais participantes.

Apesar da acirrada disputa, a Doce Vida conquistou um honroso 3º prêmio em uma categoria de borregas que contou com 14 fêmeas participantes, oriundas de tradicionais criatórios. A fêmea “ADV 058” foi a 3ª colocada na categoria de 12 a 15 meses do campeonato borrega maior. Nos machos, o borrego “ADV 065” foi escolhido como o detentor da melhor cabeça da raça entre os machos.

Nas vendas a genética Doce Vida também dispertou o interesse. O produtor José Vinirio Borré adquiriu dois exemplares, o “ADV 31” e o “ADV 81”, animais de destaque de suas respectivas gerações.

Reservada de grande campeã da raça Wagyu
Reservada de grande campeã da raça Wagyu
Foto: Divulgação/Assessoria

Além disso, buscando agregar novas famílias no processo de aprimoramento genético do seu plantel de ovinos, a Agropecuária Doce Vida investiu em um novo reprodutor para os novos acasalamentos, oriundo da Cabanha Muricy, da cidade de São José dos Pinhais no Paraná.

Ivone Schroder, diretora geral da Doce Vida, considera que o trabalho desenvolvido foi muito positivo, tendo em vista que os investimentos da propriedade foram sempre voltados para a genética de ponta. Ela divide os méritos com a equipe: “A dedicação dos envolvidos no preparo dos animais, cabanheiros, demais colaboradores e os estudantes do IFFar, também foi e é fundamental. Só tenho a agradecer a todos”, salientou.

Ainda este ano, a Agropecuária Doce Vida estará presente na 75ª Exposição Agropecuária de Alegrete, de 10 a 15 de outubro, com ovinos Ile de France e bovinos Wagyu.

ADV 058, 3ª melhor borrega de 12 a 15 meses da raça Ile de France
ADV 058, 3ª melhor borrega de 12 a 15 meses da raça Ile de France
Foto: Divulgação/Assessoria

Fonte: Agropecuária Doce Vida