A importância de se manter o controle de roedores e insetos nas granjas de suínos

PARTILHAR
Crédito: Prestaserv
Crédito: Prestaserv

Entre as medidas gerais de controle estão: a cerca de isolamento; destino adequado do lixo, dos animais mortos, de restos de parição e de dejetos

O Brasil sai na frente na exportação de suínos, com excelência na produtividade. Segundo a ABPA – Associação Brasileira de Proteína Animal – 23% de toda a produção vai para o mercado externo. O principal destino é a China. Já 77% fica por aqui. Isso porque o brasileiro, em dez anos, aumentou o consumo da carne suína. Conforme os dados da ABPA, em 2010, a média era de 14 quilos por habitante. Em 2020, aumentou para 16 kg/hab. Toda essa demanda reflete na alta qualidade da indústria suinícola, que cada vez mais tem se destacado e se preocupado em manter os padrões de biosseguridade. Sendo assim, produtores precisam estar atentos quanto à transmissão de doenças por vetores como roedores, moscas, pássaros e mamíferos silvestres.

Neste cenário, o ambiente adequado é importante para prevenir doenças. Entre as medidas gerais de controle estão: a cerca de isolamento; destino adequado do lixo, dos animais mortos, de restos de parição e de dejetos; a limpeza e organização da fábrica e depósito de rações e insumos e dos galpões e arredores.

Se não houver cuidado, os produtores podem arcar com diversos prejuízos. “Sabemos os custos e os prejuízos que pode trazer dentro da produção, além de todas as questões envolvendo saúde – tanto dos humanos, quanto dos animais -, porque são portadores e podem ser transmissores de doenças, como a leptospirose e salmonelas”, diz o médico veterinário, Anderson Vatraz Silva.

Silva ressalta ainda que os principais inimigos da suinicultura são os roedores e as moscas. Inclusive, os roedores estão diretamente associados a problemas de saúde pública, já que são reservatórios e transmissores de diversas doenças para homens e animais. “Ambos [roedores e moscas] trazem impactos grandes, porque envolve muito a questão de custos, trazendo a questão de alimentação com os roedores, que fazem a ingestão das rações presentes dentro dos galpões. E também, o stress que as moscas trazem para dentro do ambiente. Ambos necessitam de um cuidado maior no seu controle”, completa: “é preciso ficar atento. Um lote inteiro pode ser contaminado pela presença de um único roedor infectado – o que representa um risco para o resto da cadeia alimentar, podendo contaminar o consumidor final. Com a presença de roedores em granjas, além do perigo de contaminação, o prejuízo financeiro pode tomar proporções inimagináveis”.

Quando se tem um ambiente favorável aos suínos, o mesmo também pode chamar a atenção dos roedores. O veterinário salienta que para não atrair esse tipo de imprevisto dentro das granjas, deve-se trabalhar na prevenção. Ele explica: “a gente fornece alimentos para eles, ambiente, temperatura adequada. Tudo para eles se proliferarem. Então, a gente tem que trabalhar uma maneira de prevenção, realizando um controle tanto dentro da propriedade, do galpão, quanto envolvendo a vizinhança. Por exemplo, fazendo armadilhas dentro dos galpões, a cada quinze metros, fazendo todo esse controle em planilhas”.

Se não cuidar, o prejuízo chega até para os galpões, que acabam sendo danificados. “Uma das maiores causas de incêndio, tanto dentro de instalações como de casas, tem ação de roedores. Então, eles causam danos nas instalações elétricas”. Ou seja, é melhor a prevenção, o cuidado diário para não causar danos futuros. “A partir do momento em que esses invasores começam a fazer estragos, a gente vai começar a perceber que a prevenção vai ser mais barata que o conserto dos prejuízos”, finaliza o médico veterinário.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com