Abate estratégico é vital durante a seca

PARTILHAR
Foto Divulgação

Conforme nos aproximamos mais da estação de seca, muitas operações de gado ficarão sem forragem e rações suficientes para manter o tamanho do rebanho atual.

“Infelizmente, muitas vezes as decisões são tomadas mais com emoção do que lógica durante tempos estressantes”, diz Lisa Pederson, especialista em pecuária de extensão do Centro de Extensão de Pesquisa de Pastagens Central da Universidade Estadual de Dakota do Norte, perto de Streeter.

Os produtores têm várias estratégias para manejar rebanhos com recursos limitados de ração, incluindo o desenvolvimento de um plano de abate. “As operações que são mais resistentes à seca geralmente têm uma estratégia de abate forte e bem desenvolvida em vigor”, observa Pederson.

Os parâmetros de descarte devem remover o gado que não ajuda a fazenda a cumprir seus objetivos. Uma boa pergunta a fazer antes de desenvolver um plano de abate é: “Quais são meus objetivos e quais critérios de abate ajudarão minha operação e o gado a alcançá-los?” Cada operação tem objetivos diferentes.

“Você não pode gerenciar o que você não mede”, diz Pederson. “Manter registros das características que sua operação identifica são importantes para o desenvolvimento de um plano estratégico de abate.”

Aqui estão algumas características a serem consideradas ao decidir qual gado abater:

Gado com mau temperamento: O gado com mau temperamento pode ser perigoso para os humanos, outros bovinos e outros animais. Eles podem danificar equipamentos e instalações e são menos produtivos e lucrativos.

Vacas abertas e/ou secas: As vacas abertas e/ou secas (sem um bezerro ao lado) são animais que estão consumindo recursos à toa. Eles estão comendo recursos limitados sem ter um bezerro para gerar renda. A menos que a operação tenha realmente grandes motivos para manter uma vaca aberta ou seca, eles devem estar no topo da lista de abate.

Vacas velhas: vacas velhas que são menos produtivas, magras ou coxas e têm dentes ruins são aquelas que terão dificuldade em se reproduzir e manter as condições durante a estação de reprodução. Seus bezerros também podem ter pior desempenho na época do desmame.

Vacas magras: O fato de que vacas com pontuação de condição corporal de pelo menos 5 no parto terem maior probabilidade de procriar em uma estação de monta estabelecida está bem documentado.

“As vacas que estão magras precisarão de mais recursos nutricionais para ciclo e reprodução”, diz Janna Block, especialista em sistemas de pecuária de extensão no Centro de Extensão de Pesquisa Hettinger da NDSU “Durante os períodos de escassez de forragem, essas vacas podem não recuperar as condições adequadas para o emprenhar.”

Vacas que parem mais tarde na estação de parição: vacas que parem mais tarde normalmente têm bezerros mais leves ao desmame e são mais propensas a não emprenharem quando expostas durante uma estação de monta estabelecida porque precisam retornar ao estro e emprenhar rapidamente após o parto.

Animais com úberes que não atendem aos padrões da operação: vacas com úberes de qualidade inferior geralmente causam mais trabalho na hora do parto para fazer o bezerro mamar. Elas podem ter bezerros que não receberam colostro suficiente, o que pode afetar a saúde e a sobrevivência dos bezerros. Além disso, os úberes pendentes podem transferir mais facilmente patógenos causadores de diarreia para bezerros lactentes. O momento de parto oferece uma boa oportunidade para pontuar os úberes das vacas e anotar essas pontuações nos registros de parto.

Gado com estrutura e pés que não atendem aos padrões de operação: Gado com estrutura mais pobre normalmente tem mais problemas de claudicação. Eles são menos produtivos e podem não ser capazes de andar distâncias maiores para obter alimento e água. Além disso, alguns problemas nos pés são de natureza genética, incluindo rachaduras verticais e garras em saca-rolhas. Observe as preocupações com os pés e pernas no parto nos registros de parto.

Mau desempenho e produtores: vacas que continuamente têm sido pobres produtores quando comparadas com suas companheiras de rebanho são normalmente menos lucrativas. Os produtores devem avaliar os últimos três anos de registros, se possível.

Traços negativos adicionais: Este grupo inclui vacas que não gostam de cuidar dos seus bezerros ao parto ou os maltratam, e outros animais que não atendem aos objetivos e critérios da operação.

“Uma vez que os critérios de abate tenham sido estabelecidos, analise seus registros e faça uma lista de seus abates mais fáceis”, aconselha Pederson. “Esse gado deve ser um dos primeiros a sair do rebanho. Conforme surgirem as necessidades de abate, continue descendo a lista. Seu rebanho pode melhorar em termos de características que atendam aos seus objetivos com um plano estratégico de abate em vigor. ”

Tim Petry, economista de marketing de pecuária do NDSU Extension, oferece este conselho para quando chegar a hora de comercializar o gado: “É muito importante entrar em contato com o mercado de leilões o mais cedo possível quando for tomada a decisão de comercializar o gado. O mercado pode dar dicas sobre a triagem adequada e quais as informações necessárias para a comercialização adequada do gado. Alguns realizam promoções especiais e gostam de saber que gado estará disponível para que possam anunciá-los ”.

Gerald Stokka, veterinário de extensão da NDSU, recomenda que os produtores não se esqueçam dos touros ao tomar decisões de abate.

“Se os touros não passarem em um exame de saúde reprodutiva ou não atenderem aos critérios de sua operação, adicione-os à lista de abate”, diz ele. “Mas se o gado não consegue ficar de pé e andar com as quatro patas e pernas, está com uma pontuação de condição corporal inferior a 3 e / ou não cumpre os tempos de retirada de produtos de saúde animal, não os comercialize até que atendam a esses parâmetros.”

Fonte: Drovers, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.