Agência mapeia seca pelo país e mostra estados mais castigados

PARTILHAR
vacada comercial recem parida seca 1
Foto: Divulgação

Monitor de Secas registra aumento da área com o fenômeno em seis estados e maior severidade da seca em 10 unidades da Federação em maio

Em maio deste ano, em comparação a abril, as áreas com seca tiveram aumento em seis das 20 unidades da Federação acompanhadas pelo Monitor de Secas: Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Piauí, Rio de Janeiro e Tocantins. Já no Espírito Santo o fenômeno voltou a ser identificado, o que não acontecia desde fevereiro deste ano. No sentido oposto, dois estados tiveram redução de sua área com seca: Alagoas e Pernambuco. Outros dez estados não tiveram variação da área com seca (Bahia, Ceará, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe), enquanto o Distrito Federal permanece sem registrar o fenômeno desde janeiro.

monitor de secas 84_junho2021
Fonte: ANA

Em sete estados, 100% de seus territórios registraram seca em maio na comparação com abril: Bahia, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, São Paulo, Sergipe e Tocantins. Outros três estados registraram entre 97 e 99,5% de área com seca: Ceará, Goiás e Paraná. Exceto o DF, as demais nove unidades da Federação acompanhadas pelo Monitor apresentam entre 33% e 88% de suas áreas com o fenômeno.

percentual de areas com seca maio 2021
Fonte: Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA)

As cores do gráfico indicam as regiões CENTRO-OESTE, SUDESTE, NORDESTE, SUL e NORTE.

Em termos de severidade do fenômeno, dez estados tiveram um agravamento da seca em maio: Bahia, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo. Já no Espírito Santo a seca fraca voltou a ser registrada. Nos casos de São Paulo e Santa Catarina houve respectivamente uma forte expansão das áreas com seca excepcional e seca extrema. Além do território paulista, parte do Triângulo Mineiro também registra seca excepcional, a mais severa na escala do Monitor.

Por outro lado, três unidades da Federação tiveram abrandamento da situação de seca: Alagoas, Pernambuco e Rio Grande do Sul. Enquanto o DF segue sem o fenômeno, as demais unidades da Federação mantiveram a severidade da seca identificada em abril. Veja a seguir a distribuição das categorias de seca em todas as unidades da Federação acompanhadas pelo Monitor em maio.

seca por grau de severidade
Fonte: Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA)

Com base no território de cada unidade da Federação acompanhada, a Bahia lidera a área total com seca, seguida por Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, como ilustra o gráfico a seguir.

areas com seca
Fonte: Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA)

As cores do gráfico indicam as regiões CENTRO-OESTE, SUDESTE, NORDESTE, SUL e NORTE.

area com seca por intensidade
Fonte: Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA)

No Nordeste, a seca se intensificou na Bahia, Ceará e Rio Grande do Norte, que tiveram aumento das áreas com seca moderada devido às chuvas abaixo da média. Já entre Alagoas e Pernambuco o fenômeno se atenuou com a diminuição da área com seca grave.

No Sudeste, em função da persistência das chuvas abaixo da média, aconteceu a expansão da seca excepcional no noroeste paulista, atingindo parte do Triângulo Mineiro. Ainda em São Paulo, o Monitor identificou o avanço da seca extrema no oeste, centro e norte do estado. Enquanto a seca fraca voltou a ser registrada no norte do Espírito Santo, a seca moderada teve expansão no sul do Rio de Janeiro, no noroeste e sudeste de Minas Gerais e em parte do Vale do Paraíba (SP).

Já na região Sul, a seca extrema avançou no oeste catarinense, enquanto a seca moderada e a seca grave se expandiram no oeste e no centro do Paraná. No sentido inverso, o Rio Grande do Sul teve recuo da seca grave em grande parte de seu território em função das chuvas acima da média. Nas demais áreas cobertas pelo Monitor, o destaque vai para o agravamento da seca em Mato Grosso do Sul, devido às chuvas abaixo da média, e o avanço da seca fraca no norte de Tocantins.

O Monitor realiza o acompanhamento contínuo do grau de severidade das secas no Brasil com base em indicadores do fenômeno e nos impactos causados em curto e/ou longo prazo. Os impactos de curto prazo são para déficits de precipitações recentes até seis meses. Acima desse período, os impactos são de longo prazo. Essa ferramenta vem sendo utilizada para auxiliar a execução de políticas públicas de combate à seca e pode ser acessada tanto pelo site monitordesecas.ana.gov.br quanto pelo aplicativo Monitor de Secas, disponível gratuitamente para dispositivos móveis com os sistemas Android e iOS.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.