“Agro alimenta o Brasil, juro alto contrata recessão”, diz Fapesp

PARTILHAR
Detalhe da flor do café no campo experimental de Porto Velho
Flor do Café / Foto: Rafael Rocha

A partir de um determinado patamar, ao encarecer o crédito, juros têm efeito recessivo, pressionando os custos dos produtos agropecuários e o nível da atividade econômica

Fábio de Salles Meirelles, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), ao analisar a reunião do Copom desta semana, a última de 2021, manifesta sua preocupação com o encarecimento do crédito, que passa a pressionar excessivamente o custo dos alimentos, biocombustíveis e matérias-primas, conduzindo o a estagflação.

Copom elevou a taxa Selic para 9,25% ao ano, maior patamar em mais de quatro anos. Aumento de 1,5 ponto percentual é a sétima alta seguida da Selic. Juros maiores encarecem o crédito, freiam a economia e instituem de volta antiga regra de remuneração da poupança.

O dirigente lembra que as linhas de financiamento do Plano Safra, com taxas diferenciadas, não atendem de modo integral à demanda, apesar dos esforços do Ministério da Agricultura, Pecuária e abastecimento, obrigando muitos produtores a recorrerem ao mercado financeiro convencional. “O setor já está enfrentando graves dificuldades este ano, como a seca, geadas, crise hidroenergética, embargo à carne brasileira na China e a majoração exagerada dos fertilizantes, problemas que se refletiram na queda de 8% que sofreu no PIB do terceiro trimestre, divulgado recentemente pelo IBGE”, pondera Meirelles.

Não é sem razão, portanto, que a Faesp tem solicitado às autoridades federais e estaduais, bem como às instituições financeiras, medidas urgentes de apoio à agropecuária, desde linhas específicas de crédito até a prorrogação dos prazos para o pagamento dos empréstimos já contratados. “Entendemos a política monetária do Banco Central de buscar conter a inflação com taxas elevadas de juros. Porém, isso precisa ser bem calibrado, pois o custo financeiro acaba se refletindo na retração da atividade econômica, atingindo também o agronegócio”, conclui Meirelles.

Parte do problema inflacionário tem origem exógena, não sendo alcançado pela política monetária do Banco Central. Se a inflação é um problema, a estagflação é um problema maior ainda. “Esperamos que o ciclo de elevação da taxa de juro esteja perto do fim, pois precisamos incentivar o processo produtivo e viabilizar os investimentos para a economia voltar a crescer”, completa Meirelles.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.