PARTILHAR

Agronegócio sempre foi maltratado pelas notícias falsas e infundadas, saiba como identificar as fake news e sempre buscar pelas informações verdadeiras.

A divulgação de notícias falsas no agronegócio é grave, porque há um descrédito geral no potencial de ajuda e de desenvolvimento que o setor traz para a população. O Agronegócio é um dos mais sofridos com as “fake news”. Diariamente, são divulgadas informações sem base técnica, ampliando ainda mais as dificuldades para o seu desenvolvimento. Estas “fake news” atacam as principais cadeias produtivas utilizando temas sensíveis como alimento seguro, meio ambiente e saúde pública.

Para a médica, Anna Carla Goldberg, do Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Israelita Albert Einstein, a rapidez com que as notícias se espalham pelas redes sociais é positiva e possibilita alcançar uma quantidade enorme de pessoas. No entanto, uma notícia falsa também circula em velocidade “espantosa” e “as pessoas têm que aprender com o fato de que [as fake news] existem e não engolir qualquer informação [que é repassada]”.

Notícias falsas têm o poder de caminhar com os próprios pés, apelando para o emocional humano.

Quando uma notícia falsa com um título sensacionalista ou com um corpo de texto que careça de fontes concorda com determinadas opiniões pré-estabelecidas, ela tem mais chances de ser compartilhada porque, num momento de intensa polarização ideológica, as pessoas estão em busca de cada vez mais argumentos que justifiquem seus posicionamentos. Em resumo, os produtores de notícias falsas se aproveitam da ingenuidade e da falta de autocrítica e de checagem de informações.

Como identificar uma fake news

  1. Cheque a fonte da fonte;
  2. Aprenda sobre o site que está visualizando;
  3. Evite sites conhecidos por sensacionalismo;
  4. Leia a matéria completa, não apenas sua chamada;
  5. Preste atenção ao link da matéria;
  6. Cheque outras notícias do mesmo site;
  7. Confirme a confiabilidade do autor;
  8. Cheque por erros de formatação ou ortografia;
  9. Pesquise a notícia no Google;
  10. Confira a data de publicação dos posts.

Fake news do Agronegócio

Estes são exemplos claros de como o setor sofre todos os dias: Agricultura tóxica, pecuarista é bandido, trabalho escravo, frangos tem hormônio, animais são maltratados, consumo excessivo de água, agronegócio é responsável pelo desmatamento da Amazônia.

“Agricultura – a arte de perder dinheiro, enquanto trabalha-se 400 horas/mês para alimentar pessoas que pensam que você está tentando matá-las”

Combate às fake news

O pesquisador e cientista Dr. Décio Luiz Gazzoni, membro do Conselho Científico Agro Sustentável – CCAS escreveu a respeito de um post publicado na internet:

Ele explicou que 1 grama por quilo de peso vivo de um teste feito com o o ingrediente ativo Malathion, considerado um dos mais seguros e que é usado no fumacê pra combater o mosquito da dengue, seria letal para os seres humanos.

Se uma pessoa de 70 kg ingerisse 140 gramas do fumacê que combate a dengue, teria 50% de chances de morrer. Isso, claro, se a lógica usada para associar os agrotóxicos ou defensivos agrícolas pudesse ser dessa forma generalizada.

(…) se cada paranaense consumisse 8,7 quilos de agrotóxicos por ano, não sobraria um só paranaense vivo.

Confira o artigo completo: Fake news no agronegócio – Cuidado com o que você lê – por: José Luiz Tejon

Combate às fake news 2

O Compre Rural sempre primou pela busca da informação verdadeira, por isso sempre buscamos enaltecer as boas notícias do agronegócio, esse é nosso compromisso.

Frangos não usam hormônios, e sim, genética

Kéfera, Agro brasileiro e o problema do ensino básico

-- conteúdo relacionado --

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.