Algodão em pluma acumula alta pelo quinto mês seguido

PARTILHAR
foto divulgação
foto divulgação

Exportações de algodão em pluma somaram 166,35 mil toneladas em 19 dias úteis de novembro, volume 18,1% menor que o embarcado no mês anterior

Os preços do algodão em pluma se mantiveram firmes ao longo de todo o mês de novembro, com o Indicador CEPEA/ESALQ renovando as máximas nominais da série histórica por vários dias e chegando a operar acima da casa dos R$ 6,30/librapeso. As informaçõe são do relatório agromensal do Centro Estudos Avançados em Economia Aplicada, dvulgado nesta segunda-feira, 6/12. Diante disso, os valores internos da pluma acumulam alta pelo quinto mês seguido. O suporte veio da posição firme de vendedores, da elevação da paridade de exportação e do alto patamar do preço externo.

“Como a maioria dos cotonicultores brasileiros indica estar com boa parte da produção 2020/21 já comprometida, estes agentes priorizaram os embarques dos contratos a termo aos mercados interno e externo. Comerciantes, por sua vez, adquiriram lotes para atender a suas programações e/ou realizaram negócios ‘casados’”, diz o relatório

Alguns compradores ainda buscaram garantir a pluma para entrega ao longo de 2022, contexto que elevou a liquidez de contratos a termo envolvendo as safras 2020/21 e 2021/22. Ainda do lado comprador, parte das indústrias se manteve recuada, trabalhando com a matéria-prima já contratada e/ou em estoques.

Algumas unidades, contudo, necessitavam repor estoques para atender a necessidades imediatas, e esses agentes acabaram cedendo nos valores pagos para conseguir efetivar novas aquisições, sobretudo quando envolveram a pluma de melhor qualidade. Vale considerar que muitas empresas alegaram dificuldades no repasse dos elevados preços da matéria-prima no spot nacional aos manufaturados.

Nesse cenário, no acumulado de novembro, o Indicador CEPEA/ESALQ subiu 5,25%, fechando a R$ 6,2602/lp no dia 30, sendo que, no dia 26, atingiu R$ 6,3389/lp, recorde nominal da série histórica do Cepea. A média do mês, de R$ 6,1111/lp, foi um recorde nominal, sendo 3,64% acima da de outubro/21 e 56,57% maior que há de um ano. Em termos reais, a média mensal do Indicador ficou 32,84% superior à de novembro/20 e foi a maior desde abril/11, quando esteve em R$ 8,3678/lp (os valores foram deflacionados pelo IGPDI, base em outubro/21). Além disso, o preço no Brasil esteve, em média, 1% inferior à paridade de exportação em novembro.

Mercado internacional

Entre 29 de outubro e 30 de novembro, o dólar se desvalorizou apenas 0,02% frente ao Real, fechando a R$ 5,647 no dia 30. Já o Índice Cotlook A (referente à pluma posta no Extremo Oriente) subiu 2,79% no mesmo período, a US$ 1,2330/lp no dia 30. Assim, a paridade de exportação na condição FAS (Free Alongside Ship) avançou 2,81%, a R$ 6,0963/lp (US$ 1,0796/lp) no porto de Santos (SP) e a R$ 6,1068/lp (US$ 1,0814/lp) no de Paranaguá (PR). Na Bolsa de Nova York, entre 29 de outubro e 30 de novembro, o vencimento Dez/21 se desvalorizou 2,79%, fechando a US$ 1,1165/lp no dia 30, e o contrato Mar/21 caiu 4,32%, indo para US$ 1,0641/lp. O contrato Maio/22 recuou 4,61% no mesmo período, a US$ 1,0461/lp, e o Jul/22, 5,18%, a US$ 1,0216/lp.

Exportação

As exportações de algodão em pluma somaram 166,35 mil toneladas em 19 dias úteis de novembro, volume 18,1% menor que o embarcado no mês anterior e 50,1% inferior ao de novembro/20. O faturamento em novembro somou US$ 290,05 milhões, quedas de 17% no comparativo mensal e de 42% no anual.

Em moeda nacional, o faturamento chegou a mais de R$ 1,6 bilhão, considerando-se a média do dólar a R$ 5,5589. O preço de exportação de novembro esteve em US$ 0,7909/lp (R$ 4,3965/lp), altas de 2,1% frente ao de outubro/21 e de 19,1% em relação ao de novembro/20. Dessa forma, por mais um mês, os valores embarcados ficaram inferiores ao praticado no spot nacional, representado pelo Indicador (-28,1%). C

Cotton Outlook

O Cotton Outlook, em relatório divulgado no dia 26 de novembro, indicou produção mundial da safra 2021/22 em 26,04 milhões de toneladas, aumento de 8% frente à anterior (24,1 milhões de toneladas). Espera-se que a produção do Brasil seja de 2,8 milhões de toneladas, 19% maior que a da temporada 2020/21 (2,36 milhões de toneladas). Já o consumo mundial de algodão em pluma deve crescer 3% em 2021/22, para 26,15 milhões de toneladas, ficando ligeiramente maior que a oferta (+0,42%).

Para o Brasil, especificamente, o consumo está estimado em 725 mil toneladas na temporada 2021/22, acima das 675 mil toneladas da safra passada (+7%).

Caroço

Ao longo de novembro, compradores estiveram cautelosos para novas aquisições de caroço de algodão, diante dos elevados preços pedidos por vendedores no spot e também de receios relacionados aos repasses do custo da matéria-prima ao farelo e à torta. Pecuaristas também limitaram as aquisições de caroço, devido à melhora nas condições das pastagens com as recentes chuvas e aos preços mais competitivos de outros produtos utilizados na alimentação animal, como o farelo de soja.

Segundo informações captadas pelo Cepea, o preço médio do caroço no mercado spot em novembro/21 em Lucas do Rio Verde (MT) foi de R$ 1.392,8/t, recuo de 6,9% em relação ao mês anterior, mas elevação de 0,8% sobre o de novembro/20 (R$ 1.381,27/t), em termos reais – as médias mensais foram deflacionadas pelo IGP-DI de outubro/21.

Em Campo Novo do Parecis (MT), a média caiu 0,2% na variação mensal, mas subiu 12,5% na anual, indo para R$ 1.585,42/t em novembro/21. Em Primavera do Leste (MT), a média de novembro foi de R$ 1.518,39/t, baixa de 8% frente à de outubro/21, mas elevação de 3,2% em relação à de novembro/20.

Em São Paulo (SP), a média caiu 8,8% na variação mensal, mas subiu 9,8% na anual, indo para R$ 1.795,8/t em novembro/21.

Fonte: Cepea

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR