Argentina tem trigo suficiente para Brasil, diz Abitrigo

PARTILHAR
Colheita do Trigo -
Foto: Paulo Pires FecoAgro

A Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) afirmou nesta quinta-feira, que apesar da sinalização Argentina, os preços preocupam o setor.

SÃO PAULO (Reuters) – O Brasil não terá problemas de abastecimento de trigo no curto prazo devido à guerra na Ucrânia, pois a Argentina já sinalizou ter oferta suficiente para atender as necessidades nacionais, mas os preços preocupam o setor, afirmou a Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo) nesta quinta-feira.

O volume vindo da Rússia para o Brasil é considerado muito pequeno e não há registro de compras do trigo da Ucrânia, afirmou a associação em nota, enquanto os argentinos são os principais fornecedores externos da indústria brasileira. Cerca de 60% da demanda de trigo do Brasil é atendida por importação e, desse total, 85% é proveniente de um único país, a Argentina, cuja safra 2021/22 está estimada em um recorde de 22,1 milhões de toneladas.

Apesar de a Argentina ser um grande player do setor, a Rússia é o maior exportador mundial de trigo e a Ucrânia ocupa a quarta posição neste ranking, com os dois países respondendo por cerca de 30% das exportações globais do cereal. Desta forma, a Abitrigo acredita que o impacto da guerra na Ucrânia virá para todos os importadores da commodity e estará nos custos.

“É inevitável que a crise da Ucrânia afete diretamente os preços do trigo a nível mundial”, afirmou. Os valores do trigo na bolsa de Chicago estão sendo negociados em máximas de 14 anos.

Se o conflito armado se prolongar, a associação acredita que continuará a suspensão dos embarques nos portos ucranianos e os importadores concentrarão suas demandas nos demais exportadores, como Estados Unidos, Austrália, Canadá e Argentina –mantendo os preços em níveis elevados.

“Um fator que pode aliviar um pouco esse aumento, mas longe de ser significativo, é a queda no valor do dólar em relação ao real nos últimos dias, o que pode compensar, de certa forma, os aumentos recentes em Chicago”, disse a Abitrigo. “Mas a tendência é que o patamar de preços fique bem elevado, nos próximos quatro ou cinco meses, com previsão de estabilizar ou começar a cair a partir do mês de julho/agosto, com a entrada da safra do hemisfério Norte.”

Em termos de oferta, o Brasil teve uma safra recorde na última temporada, com a produção avançando 23%, a 7,68 milhões de toneladas, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Ainda assim, seriam necessárias importações de 6,5 milhões, diante de um consumo interno projetado pela estatal em 12,55 milhões de toneladas.

Ainda segundo a Abitrigo, outra questão que pode impactar o preço do cereal é a incerteza em relação aos fertilizantes, pois a Rússia é um dos maiores produtores do mundo e também fornecedor desse produto para o Brasil.

Fonte: Reuters

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com