Arroba dispara e bate novo recorde mirando R$ 335,00

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

A semana começou com grande pressão de alta e os preços voltaram a disparar e bateram novo recorde; Confira abaixo as previsões da arroba!

O mercado físico de boi gordo registrou preços de estáveis a mais altos nesta segunda-feira, 28, a depender da praça avaliada. São relatados alguns negócios acima da referência média para animais que cumprem os requisitos de exportação com destino ao mercado chinês. O preço segue em disparada e podem continuar a escalada rumo aos R$ 335,00/@.

Indústrias frigoríficas, de forma específicas, permanecem ausentes da compra de gado, avaliando as melhores estratégias de aquisição de boiadas no restante da semana, enquanto as escalas de abate estão posicionadas entre três e cinco dias úteis, em média. Lembrando que essas escalas são “falsas” tendo em vista que muitas concederam férias coletivas ou pulam dias de abate.

Em São Paulo, as cotações do boi, vaca e novilha gordos iniciaram a semana estáveis comparado a última sexta-feira (25/6). O mercado seguiu pressionado por falta de animais para abate e “disputa” entre os compradores e vendedores.

O indicador do boi gordo do Cepea teve um dia de alta dos preços e renovou o recorde histórico da série. A cotação variou 0,77% em relação ao dia anterior e passou de R$ 319,45 para R$ 321,90 por arroba. Sendo assim, no acumulado do ano, o indicador valorizou 20,49%. Em 12 meses, os preços alcançaram 46,55% de alta.

Em São Paulo, o valor médio para o animal terminado chegou a R$ 319,21/@, na segunda-feira (28/06), conforme dados informados no aplicativo da Agrobrazil. Já a praça de Goiás teve média de R$ 304,31/@, seguido por Mato Grosso Sul com valor de R$ 308,54/@.

As ofertas anunciadas nas praças paulistas tiveram um dia de preços mistos, porém o patamar ainda é elevado para o período do ano. Os valores variaram de R$ 315,00 a R$ 325,00/@. Lotes com destino a exportação, animais de até 30 meses de idade, estão com ágio de até R$ 10,00/@ em relação ao mercado interno.

Algumas agências de notícias internacionais apontam para a presença da peste suína africana no território chinês. Entretanto, relatórios da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) e da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) não mostram um número tão agressivo de casos: pelo contrário, a doença parece controlada. 

Enquanto isso, o governo chinês ainda indica para um amplo processo de recomposição do rebanho de suínos na China, que seria a grande justificativa para a intensa queda dos preços.

Mercado Futuro

Na bolsa brasileira, a B3, os contratos futuros do boi gordo tiveram a tendência de queda interrompida neste início da última semana do mês de junho. O ajuste do vencimento para junho passou de R$ 319,00 para R$ 318,90, enquanto o do outubro subiu de R$ 313,55 para R$ 315,85 e do novembro, de R$ 313,80 para R$ 318,20 por arroba.

Arroba do boi gordo em Dólar

Giro do Boi Gordo pelo Brasil

  • Com isso, em São Paulo, capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 319, na modalidade à prazo, estável.
  • Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 305 a arroba, estável.
  • Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 313, ante R$ 311 no dia anterior.
  • Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 309, inalterada.
  • Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 314 a arroba, contra R$ 312.

No mercado atacadista de carne bovina, os preços dos principais cortes começaram a semana estáveis. A carcaça casada bovina seguiu cotada a R$ 19,60/kg.

O remanescente da semana passada está sendo ofertado hoje, mostrando que ainda há dificuldade de escoamento. O mercado nutre expectativas para uma possível melhora nas vendas com a chegada do mês de julho/21.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.