Arroba subiu e ganha novos patamares, pra cima pecuária!

Arroba subiu e ganha novos patamares, pra cima pecuária!

PARTILHAR
Foto Divulgação

Arroba do boi gordo volta a subir nesta sexta-feira. Os frigoríficos de maior porte ainda desfrutam de um maior conforto, os menores já pagam valores mais altos.

O mercado físico do boi gordo teve preços de estáveis a altos nesta sexta-feira. “Os frigoríficos de menor porte acabaram negociando boi gordo em patamar mais elevado”, comenta o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias. 

Segundo ele, a pecuária de corte ainda aguarda por um ponto de acomodação, com a volatilidade sendo marcante nesse último bimestre do ano. “Os frigoríficos de maior porte ainda desfrutam de um maior conforto em suas escalas de abate, atuando de maneira tímida na compra de gado. Algumas unidades seguem o planejamento de oferecer férias coletivas nesse período do ano”, assinalou.

Em São Paulo, a arroba subiu de R$ 196 para R$ 198. Em Minas Gerais, preços de R$ 191,00 a arroba, inalterados. Em Mato Grosso do Sul, preços em R$ 189,00 a arroba, estáveis. Em Goiás, o preço permaneceu em R$ 190,00. Já em Mato Grosso, o preço ficou em R$ 184,00 a arroba, sem alterações. 

Os contratos futuros para o boi gordo finalizam a semana em campo misto na Bolsa Brasileira (B3). O vencimento Dezembro/19 terminou a sexta-feira (13) com valorização de 1,59% e cotado a R$ 204,00/@. O Janeiro/20 registrou uma perda de 0,03% e está precificado a R$ 199,95/@, enquanto, o Fevereiro/20 foi negociado a R$ 196,00/@ e com queda de 0,05%.

Em seu boletim matinal, a Radar Investimentos destacou que a pressão de baixa da indústria foi grande durante esta semana. “Isto travou os negócios no mercado físico nas praças paulistas e de certa forma manteve as cotações sustentadas no estado. O volume ofertado de animais tende a encurtar até a primeira/segunda semana de janeiro”, informou.

A frustração gerada pela inconsistência das vendas de carne bovina no mercado interno fez com que muitos frigoríficos repensassem suas estratégias de compra de gado, num momento onde a oferta de animais terminados se mantém restrita em todo o País. “O volume de negócios seguiu ainda limitado diante da queda de braço entre uma ponta compradora, que contraiu o fluxo de suas aquisições, e uma ponta vendedora praticamente ausente dos negócios”, ressaltou a Informa Economics FNP.

No aplicativo AgroBrazil, o valor negociado no boi gordo em Iacanga/SP foi de R$ 202,00/@, à vista e com data para o abate e 17 de dezembro.Na região de Rancharia/SP, o boi gordo foi negociado a R$ 200,00/@, à vista e com data para o abate em 18 de dezembro.

A Scot Consultoria ressaltou em seu relatório de mercado que os preços à vista caíram em 14 das 32 praças monitoradas pela Scot Consultoria. Destaque para a região norte de Minas Gerais, onde o a cotação do boi gordo caiu 3,6% na comparação feita dia a dia. Nas demais regiões, existem ofertas abaixo dos valores aqui publicados, porém com dificuldade de compra.

Carne

No levantamento da Agrobrazil, o preço do boi casado em São Paulo caiu R$ 0,25 e está cotado a R$ 12,75/kg. A Vaca casada está precificada a R$ 12,00/kg e teve uma queda de R$ 0,50/kg. De acordo com a Scot Consultoria, a referência para o boi capão em São Paulo está R$ 13,58/kg.

Atacado

No atacado, os preços da carne bovina seguem estáveis. “A tendência de curto prazo ainda remete a alguma correção dos preços, dada a dificuldade do consumidor final em absorver tantos reajustes da carne bovina. Por sua vez, esse movimento contribuiu para que as proteínas concorrentes também alcançassem patamares recordes nessa época do ano” disse Iglesias. 

O corte traseiro teve preço de R$ 16,95 por quilo. A ponta de agulha permaneceu em R$ 11,90 por quilo, enquanto o corte dianteiro seguiu em R$ 12,00 por quilo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com