Arroba vai de R$ 160 a R$ 210, qual o melhor preço?

Arroba vai de R$ 160 a R$ 210, qual o melhor preço?

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Apesar do alarme e da turbulência das últimas horas, o mercado do boi gordo não sentiu os impactos do coronavírus. Arroba ficou acima de R$ 200!

O mercado físico do boi gordo teve preços estáveis nesta sexta-feira-feira. O analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, a oferta de animais prontos para o abate permanece restrita na maior parte do país, consequência de um regular regime de chuvas no Centro-Oeste e no Norte que permite um maior período de retenção do boi no pasto.  

Segundo a Radar Investimentos, “as cotações do boi gordo no mercado físico continuaram firmes apesar da semana tumultuada com os temores do coronavírus e o dólar nas máximas. A volatilidade deve continuar, mas os pastos seguem com boa capacidade de suporte e os estoques de carne no mercado interno relativamente enxutos.”

Em contrapartida, a demanda segue incapaz de absorver seguidos reajustes da carne bovina, o que acaba limitando movimentos mais agressivos de alta ao longo da cadeia produtiva.

Ao longo da semana “negra” no mercado das commodities, o mercado futuro do boi gordo não ficou pra trás e teve muita gente se assustando no mercado físico. Entretanto, o pecuarista precisa ser criterioso nesse momento para não perder a valorização dos animais. O momento é de cautela e retenção da boiada, aproveitando a demanda ainda aquecida e reduzindo a oferta de animais terminados.

A variação no preço da arroba, segundo levantamento da Scot Consultoria, ficou em R$ 210/@ em Alagoas, preço mais caro no país, refletindo a maior escassez de animais prontos na região. De outro lado temos a praça de São Paulo que ficou com uma arroba média de R$ 201,76/@, segundo o app do Agrobrazil no último fechamento dessa sexta-feira, refletindo uma alta de 0,35%.

Ainda segundo os dados do CEPEA, o Indicador fechou a semana com um valor de 204,70/@, refletindo em todos os dados uma maior estabilidade da arroba na casa dos R$ 202/@ no mercado brasileiro. A grande questão é: “Qual melhor preço da arroba para a minha situação?”, essa pergunta deve ser respondida pelo pecuarista antes de comercializar a sua boiada!

Segundo Scot Consultoria

No mercado do boi gordo, parte das indústrias frigoríficas optou por se ausentar das compras devido aos efeitos da pandemia do coronavírus. As plantas que foram capazes de alongar suas escalas ao longo dessa semana, o fizeram, e saíram das negociações para analisar o mercado.

Pouco volume negociado

Sextas-feiras já são, tipicamente, dias de menores volumes de negócios concretizados, e, hoje, esse efeito foi aumentado. Com o ritmo mais lento dos negócios, houve alteração de preços em apenas seis praças pecuárias dentre as 32 pesquisadas pela Scot Consultoria.

Na praça paulista, os preços ficaram estáveis esta semana, cotado em R$202,00/@ a prazo e livre de Funrural. As expectativas a curto prazo dependem do controle da doença e da retomada das negociações, mas a princípio, os preços devem seguir estáveis.

Esse cenário de incertezas poderá refletir negativamente sobre as exportações brasileiras, que até a primeira semana deste mês tiveram bom desempenho.

Segundo Safras&Mercado

  • Em São Paulo, os preços do mercado à vista seguiram em R$ 201 a arroba.
  • Em Uberaba, Minas Gerais, os preços permaneceram em R$ 195.
  • Em Dourados, no Mato Grosso do Sul, os preços ficaram em R$ 192 – R$ 193 a arroba.
  • Em Goiânia, Goiás, o preço indicado permaneceu em R$ 193.
  • Já em Cuiabá, no Mato Grosso, o preço seguiu em R$ 186 a arroba. 

Atacado 

No mercado atacadista, os preços da carne bovina ficaram mistos. “A tendência é que esse movimento se acentue no decorrer da segunda quinzena do mês, período em que a reposição entre atacado e varejo costuma acontecer de maneira mais lenta. É importante salientar, no entanto, que haverá um interessante ponto de pico de consumo em abril, com a Páscoa, com chances de repiques nos preços”, disse Iglesias.

 O corte traseiro passou de R$ 14,50 o quilo para R$ 14,60 por quilo. A ponta de agulha caiu de R$ 11,45 o quilo para R$ 10,75 por quilo. Já o corte dianteiro diminuiu de R$ 12 por quilo para R$ 11,50 por quilo.

Compre Rural com informações da Scot Consultoria, Safras&mercado, Agrobrazil e da Radar Investimentos.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com