Arroba vai disparar e pode bater recorde de R$ 231, veja

Arroba vai disparar e pode bater recorde de R$ 231, veja

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

De um lado está a indústria, pressionando o pecuarista que aguarda uma nova alta no preço da arroba. Essa alta pode chegar nesta semana, veja os motivos!

Diante da baixa oferta de boiada, os preços seguiram firmes nesta sexta-feira na maior parte das regiões pecuárias. Nesta sexta-feira, as escalas de abate dos frigoríficos continuaram encurtadas em função da dificuldade para adquirir grandes lotes de boiada gorda, informam as consultorias de mercado.

Além disso, relata a IHS Markit, sediada em São Paulo, as indústrias têm se mantido comedidas nas aquisições, esperando os possíveis resultados das vendas de carne bovina durante o final de semana, que marca a virada do mês e, portanto, a entrada de salário na conta de parte da população – dinheiro no bolso é sinônimo de mais bife à mesa do brasileiro.

Fechamento da semana

Agrobrazil

O fechamento do indicador do Cepea fechou com grande alta, valendo R$ 228,30/@. No app da Agrobrazil, a média pra a praça de São Paulo ficou em R$ 228,14/@, com preços variando de R$ 224 a R$ 230.

Na análise mensal, segundo as informações do aplicativo, o preço médio para a praça de São Paulo no dia primeiro de julho foi de R$ 224,25/@, já no fechamento de sexta, o valor foi R$ 3,89/@ superior, fechamento o mês em R$ 228,14, uma alta de 1,7%.

Confira na tabela abaixo como ficou o diferencial de base no fechamento do mês de Julho, segundo os negócios informados no aplicativo. Lembrando que todas as informações que alimentam o app, são informadas pelos próprios pecuaristas.

Scot Consultoria

Nas praças pecuáriasde São Pauloa cotação do boi comum subiu 0,9% na comparação dia a dia, ou R$2,00, e ficou cotada em R$225,00/@, considerando o preço bruto, à vista, R$224,50/@, com desconto do Senar, e R$221,50/@ com desconto do Funrural e Senar.

Os negócios com machos com menos de quatro dentes chegam a R$230,00/@, bruto e à vista.

Segundo Safras & Mercados

“A oferta de animais terminados segue restrita, dificultando um avanço consistente nas escalas de abate. Os animais que cumprem os requisitos para exportação ao mercado chinês seguem muito demandados neste momento”, diz o analista Fernando Henrique Iglesias.

  • Na capital de São Paulo, os preços do mercado à vista passaram de R$ 225 para R$ 226 por arroba.
  • Em Uberaba (MG), seguiram em R$ 220 por arroba.
  • Em Dourados (MS), subiram de R$ 216 para R$ 218 por arroba.
  • Em Goiânia (GO), continuaram em R$ 218 por arroba.
  • Já em Cuiabá (MT), foram de R$ 204 para R$ 205 por arroba.

Futuro do boi é para recorde

No campo internacional, as exportações de carne bovina seguem aceleradas, beneficiando os frigoríficos habilitados para embarque ao exterior, sobretudo para China, destaca a IHS. Como já mencionado, para este final de semana, com a entrada do mês de agosto, espera-se uma certa reação do consumo de carne nos grandes centros urbanos.

Essa melhora no consumo interno, com a chegada dos salários e do dia dos pais, data de grande consumo de carne no Brasil, são fatores que atrelados a escala de abate curta e menor oferta de boiada, devem fazer com que as indústrias paguem mais pelo boi nesta semana.

Segundo alguns analistas, a necessidade da indústria em adquirir animais não abre muito espaço para negociação. O pecuarista está fazendo o dever de casa e “segurando” essa boiada pronta, pressionando o mercado e a ponta compradora que precisa cumprir os contratos de exportação e acabam pagando preços maiores. Diante disso, podemos sim termos novamente preços recodes, como aqueles vistos no final de 2019.

E você, vai vender seu boi por quanto?

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.