As preocupantes propostas para o agronegócio brasileiro

As preocupantes propostas para o agronegócio brasileiro

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Confira um resumo das principais propostas que constam em seus respectivos planos de governo, nos termos publicados no sítio do Tribunal Superior Eleitoral.

Estamos na reta final para a escolha do próximo presidente do Brasil. Os finalistas desta corrida, Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) e Jair Bolsonaro, candidato do Partido Social Liberal (PSL) apresentam opiniões e propostas diferentes para o agronegócio brasileiro.

Confira um resumo das principais propostas que constam em seus respectivos planos de governo, nos termos publicados no sítio do Tribunal Superior Eleitoral.

Fernando Haddad

O plano de governo do candidato do PT está voltado para a agricultura sustentável e propõe uma transição ecológica que objetiva integrar três dimensões:

  • Produzir alimento saudável como prioridade à agricultura familiar, a fim de gerar emprego e renda no campo e abastecimento das cidades com qualidade nutricional.
  • Ampliação de postos de trabalho em pequenas cidades para evitar a evasão territorial para centros urbanos em busca de melhores condições de vida.
  • Reforma agrária e fortalecimento da agricultura familiar de base agroecológica objetivando democratizar a propriedade da terra. Para isso, pretende-se fortalecer também a agro industrialização da produção, a ampliação de crédito e a economia solidária.

O governo de Haddad pretende colocar a reforma agrária no centro da agenda pública nacional, pois a considera uma ferramenta importante para enfrentar o problema do capitalismo moderno excludente. Por isso, pretende regularizar territórios tradicionais e historicamente ocupados e promoverá o reconhecimento e demarcação das terras indígenas.

No plano de governo, o desafio de transformar a agricultura de larga escala e a familiar em um modelo produtivo de base agroecológica não será imediato e as mudanças necessárias vão desde mudar a forma de alocar recursos até alterações nos currículos dos cursos de agronomia e técnicos agrícolas.

Para a produção de uma agricultura agroecológica com alimentos saudáveis a proposta é instituir um programa de redução de agrotóxicos com estímulo ao uso de biopesticidas e atualização da legislação nacional de acordo com as recomendações da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, sigla em inglês).

Desmatamento zero até 2022 é uma preocupação deste governo que argumenta que os mais de 240 milhões de hectares já ocupados com agricultura e pastagens devem ser usados de forma mais eficiente.

Além disso, o Imposto Territorial Rural (ITR) será reformado visando desestimular o processo especulativo, práticas predatórias ao meio ambiente e a aquisição de terras por estrangeiros.

Outro plano mencionado é o estímulo às exportações de produtos de maior valor agregado através de políticas fiscais e, até 2030, voltar integralmente o Plano Safra para uma agricultura de baixo carbono (Plano Safra ABC).

Jair Bolsonaro

A proposta de governo de Jair Bolsonaro sugere que o Estado deve facilitar a gestão do espaço rural pelo agricultor. Para isso, o primeiro passo seria a união das seguintes atribuições dentro de uma nova gestão com indicadores para monitorar o andamento de cada programa.

  • Política e economia agrícola (Inclui comércio).
  • Recursos naturais e meio ambiente rural.
  • Defesa agropecuária e segurança alimentar.
  • Pesca e piscicultura.
  • Desenvolvimento rural sustentável (atuação por programas).
  • Inovação Tecnológica.

O plano de governo cita quais as grandes demandas do campo atualmente:

  • Segurança no campo.
  • Solução para a questão agrária.
  • Logística de transporte e armazenamento.
  • Uma só porta para atender as demandas do agro e do setor rural.
  • Políticas especificas para consolidar e abrir novos mercados externos.
  • Diversificação.

O custo Brasil

Um dos principais gargalos no agronegócio e também de outros setores é o “custo Brasil,” que está relacionado a falta de infraestrutura, e de logística eficiente através da utilização plataforma multimodal.

Diante disso, é interessante comparar as propostas de ambos os candidatos relacionados a esse obstáculo.

Jair Bolsonaro considera um desafio urgente a infraestrutura “insuficiente e deteriorada”. Para o candidato, a solução seria desburocratizar, simplificar e privatizar, além de planejar de forma integrada para transformar o problema em solução. Com baixo risco regulatório o país poderá atrair maior quantidade de investimentos, gerando emprego e reduzindo o custo da logística.

Fernando Haddad pretende expandir a parceria público-privada para garantir menor custo ao usuário e assegurar os investimentos necessários à infraestrutura nacional. O governo pretende estimular o mercado privado de crédito de longo prazo e criar um fundo de financiamento da infraestrutura. No plano de governo, o candidato demonstra preocupação em investir em infraestrutura de transporte limpa, com as ferrovias, hidrovias e meios menos poluentes para melhorar a eficiência operacional, além fortalecer as instituições federais para retomar as funções de planejamento e de regulação e construir um novo modelo para a INFRAERO, Companhias de Docas e o setor aquaviário.

Análise das propostas

As propostas de Jair Bolsonaro são simples e carecem de explicação “do como fazer”, pois, nomear onde precisa melhorar é a parte fácil do problema o difícil é elaborar propostas e estratégias para solucionar o problema.

Fernando Haddad focou suas propostas com a finalidade de estabelecer uma agricultura de base agroecológica e colocou a reforma agraria e a democratização da terra em destaque.

Talvez fosse preferível enfatizar outros tópicos, explicando de maneira clara como funcionariam as políticas fiscais para valorizar produtos de maior valor agregado ou como seria a transição do Plano Safra para o Plano Safra ABC.

Em resumo, é evidente a importância da participação da cadeia produtiva rural na construção, na condução e no monitoramento desses planos, uma vez que a omissão diante de propostas que reformam o uso da terra por um lado e do outro propostas vagas e inconcisas, implicarão em forte retrocesso para o agro brasileiro. É preocupante.

Qual vai ser a cara da bancada ruralista em 2019?

Fonte: Scot Consultoria

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com