Boi despenca R$ 30/@ e garante prejuízo, e agora?

PARTILHAR
Confinamento boitel VFL Brasil
Boitel VFL Brasil. Foto: Marcella Pereira

As ofertas de preços abriram a semana com grande pressão negativa e com os pecuaristas se afastando do mercado, buscando conter os prejuízos da engorda!

O mercado físico de boi gordo registrou preços predominantemente mais baixos nesta segunda-feira (13), as indústrias abriram a semana ofertando preços muito abaixo da referência e complicando a situação dos pecuaristas. Apesar disso, há frigoríficos concretizando negócios com preços menores, apesar do baixo volume de compra, de forma pontual, já que os pecuaristas entraram de greve e buscam pressionar o mercado reduzindo a oferta de matéria-prima.

O fluxo de negócios permanece insignificante para o padrão recente. Os frigoríficos exportadores ainda operam remanejando suas escalas de abate em função da ausência de notícias acerca da China. Lembrando que o Brasil segue com uma comissão para China, visando restabelecer as exportações com grande urgência.

Início de semana calmo com parte dos frigoríficos fora das compras, aguardando uma definição do mercado. A cotação do boi gordo caiu R$2,00/@ no comparativo diário, e os preços de vaca e novilha gordas estão estáveis. Segundo a Scot Consultoria, o boi gordo está sendo negociado em R$308,00/@, preço bruto e a prazo, R$307,50/@ com desconto do Senar, e R$303,50/@ com desconto do Funrural e Senar. 

Já em algumas praças, as negociações tiveram um recuo ainda maior, como é o caso de Goiás, região mais afetada pela seca. Segundo o app da Agrobrazil, os preços tiveram um recuo de R$ 30,31/@ em relação a última sexta-feira, onde as cotações estavam no patamar de R$ 303,98.

Em São Paulo, o valor médio para o animal terminado apresentou uma média geral a R$ 294,92/@, na segunda-feira (13/09), conforme dados informados no aplicativo da Agrobrazil. Já a praça de Goiás teve média de R$ 273,67/@, seguido por Mato Grosso Sul com valor de R$ 310,36/@.

O Indicador do Cepea apresentou grande valorização e os valores saltaram de R$ 305,25/@ para o patamar de R$ 310,60/@, uma alta de 5,44% no comparativo diário. O observou uma grande oscilação na média móvel do Indicador, que nos últimos 30 dias chegou a saltar de R$ 319,90 para o patamar de R$ 305,25 e impôs uma redução de quase R$ 15,00/@!

O fluxo de negócios permanece insignificante para o padrão recente. Os frigoríficos exportadores ainda operam remanejando suas escalas de abate em função da ausência de notícias acerca da China. “Quanto mais tempo demorar para o processo de retomada, mais desnorteado fica o mercado pecuário nacional, consequência da ausência de referências consistentes dos frigoríficos de maior porte”, assinalou o analista.

“Visualizamos que esta semana o preço do boi gordo no mercado físico deve sofrer pressões negativas, visto que o processo de retomada dos embarques à China deve ocorrer em, no mínimo, 7 dias úteis”, observam os analistas da Agrifatto. 

“Como o gigante asiático responde atualmente por um consumo de 10% da nossa produção de carne bovina, o apetite dos frigoríficos por novas compras de boiadas deve ser reduzido”, avalia a consultoria.

Ao mesmo tempo, os dados de exportação ainda apontam para bom desempenho da carne bovina, e a tendência é que a ausência da China seja sentida de maneira mais enfática nos próximos relatórios semanais.

Além disso, continua a Agrifatto, há no radar uma possível paralisação de auditores fiscais do Mapa (Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento), o que causaria interrupção nos abates dos frigoríficos SIF, a depender do andamento da reforma administrativa que terá relatório aprovado na comissão especial da Câmara dos Deputados.

Na B3, o dia foi marcado por nova valorização das cotações dos contratos futuros do boi gordo. Dessa forma, agora quase toda a curva já está novamente acima de R$ 300 por arroba. O ajuste do vencimento para setembro passou de R$ 295,00 para R$ 298,00, do outubro foi de R$ 301,95 para R$ 303,65 e do novembro foi de R$ 308,75 para R$ 312,05 por arroba.

Giro do Boi Gordo pelo Brasil

  • Com isso, em São Paulo, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 304 na modalidade a prazo, ante R$ 306 a R$ 307 na sexta-feira (10).
  • Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 292, contra R$ 295.
  • Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 306 a R$ 307, contra R$ 308.
  • Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 300 a R$ 301, estável.
  • Em Uberaba (MG), preços a R$ 306 a arroba, inalterados.

Atacado

A carne bovina segue com preços acomodados no mercado atacadista. O quarto dianteiro ainda foi precificado a R$ 16,30. A ponta de agulha também permanece precificada a R$ 16,30, por quilo. Quarto traseiro ainda é precificado a R$ 21,50, por quilo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com