Boi disparando e pecuarista pede R$ 310/@; Cadê o boi?

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

Arroba sobe mais de R$ 15, com os preços disparando em todo país; A grande lacuna entre oferta e demanda, faz indústria subir a régua dos preços!

O mercado físico de boi gordo voltou a ter preços acentuadamente mais altos nesta quarta-feira, 10, seguindo a trajetória que havia sido anunciada pelo Compre Rural. Com grande lacuna na oferta de animais, esse cenário, nada mais é que, um reflexo da rápida diminuição da oferta de animais terminados, prontos para o abate, nas principais praças pecuárias pelo país.

Para se ter uma ideia, os preços seguiram em alta em cerca de 27 das 32 praças avaliadas e consultadas pelo Portal. Segundo algumas informações, as indústrias já anunciaram oferta de até R$ 305,00/@ em São Paulo, mas agora é a vez do pecuarista barganhar e, alguns, já estão pedindo R$ 310,00/@ para os poucos lotes de confinamento disponíveis!

Segundo a Scot Consultoria, com as escalas encurtando, os compradores negociaram preços mais altos para as três categorias em São Paulo na comparação diária. A alta foi de R$8,00/@ para o boi gordo e de R$5,00/@ para a vaca e novilha gordas, negociados em R$280,00/@, R$265,00/@ e R$272,00/@, na mesma ordem, preços brutos e a prazo.

O Indicador do Cepea, voltou ter uma grande valorização de 3,74%, fazendo com que o preço ficasse cotado a R$ 291,20/@, acumulando uma valorização de 13,26% no mês de novembro. Ainda dentro desse cenário, o boi brasileiro para a ser negociado na média de US$ 52,99/@. Essa foi a maior alta acumulada do Indicador no mês de novembro, trazendo otimismo ao mercado!

Segundo as negociações informadas pelos pecuaristas no app da Agrobrazil, as negociações variam de R$ 290,00 a R$ 300,00/@. A melhor negociação do dia ficou para a praça de Colômbia/SP, onde os animais foram vendidos por R$ 300,00/@ com pagamento à vista e abate para o dia 17 de novembro.

Em São Paulo, o valor médio para o animal terminado apresentou uma média geral a R$ 298,59/@, na quarta-feira (10/11), conforme dados informados no aplicativo da Agrobrazil. Já a praça de Goiás teve média de R$ 244,76/@, seguido por Mato Grosso Sul com valor de R$ 297,02@. E em Mato Grosso, a média fechou cotada a R$ 273,65/@.

Não só o volume de negócios apresentou melhora, mas também as cotações, que apontam para uma referência de R$ 290,00/@ no estado de São Paulo, com negócios a R$ 300,00/@ já concretizados. Na B3, o contrato futuro de boi gordo com vencimento para nov/21 também passou por valorização e encerrou o dia cotado em R$ 299,55/@, valorizando 2,83% no comparativo diário.

Indústria paga mais e pecuarista pressiona as cotações

A indústria subiu a régua dos preços de balcão em SP para R$ 290,00 e R$ 305,00/@, à vista, na maioria dos casos. Pelo lado dos fundamentos, sem a China, os dados das exportações apontam para um volume exportado entre 80mil e 100 mil toneladas, abaixo das 160-180mil exportadas entre julho e set/21.

“Outro aspecto a ser considerado é que ainda há importante volume de carne bovina estocada em câmaras frias. Sem uma perspectiva de retomada das compras por parte da China, é possível que a indústria frigorífica disponibilize essa carga nos meses de novembro e dezembro, período que conta com maior apelo ao consumo, o que tem potencial para produzir nova inversão dos preços do boi gordo, mesmo no período de maior demanda no ano”, disse o analista.

Escalas ficando curtas

Segundo a IHS, muitas unidades brasileiras de abate não conseguiram preencher as suas programações de abate para além da próxima semana.

“Mesmo aquelas que tiveram êxito em escalonar animais até os dias 18-19 de novembro afirmaram sentir dificuldade em adquirir lotes para além dessa data”, observa a IHS. “Há muita cautela entre os frigoríficos, visto que a recente retomada dos preços da arroba ocorre num ambiente de ausência do mercado chinês e recuperação do consumo doméstico”, acrescenta a consultoria.

Giro do Boi Gordo pelo Brasil

  • De acordo com a Safras, em São Paulo, capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 293 na modalidade a prazo, contra R$ 278 na terça-feira (9).
  • Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 280, contra R$ 265.
  • Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 289, ante R$ 277.
  • Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 260, contra R$ 253 no fechamento anterior.
  • Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 290 por arroba, ante R$ 280.

Atacado

Já os preços da carne bovina ficaram estáveis no atacado. “É importante reforçar que os preços da carne não acompanham o movimento de alta do boi gordo no físico, com um movimento tímido de recuperação até o
momento. Somado a isso, precisa ser mencionada a situação dos frigoríficos exportadores, que mantém grande volume de proteína animal estocada em câmaras frias, aguardando o recredenciamento da carne bovina por parte da China, situação que até o momento não aconteceu”, disse Iglesias.

Assim, o quarto dianteiro seguiu com preço de R$ 20,40 por quilo. O quarto dianteiro ainda é precificado a R$ 13,30 por quilo, e a ponta da agulha seguiu com preço de R$ 13 por quilo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com