Boi gordo mantém preço de R$ 200 por arroba

Boi gordo mantém preço de R$ 200 por arroba

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

O clima de feriado permaneceu, e o volume de oferta seguiu discreto, pois boa parte dos pecuaristas está fora de atividade nesse período. Preço de R$ 200 por arroba é mantido!

O mercado físico do boi gordo teve preços de estáveis a mais altos nesta quinta-feira. “O clima de feriado permaneceu, e o volume de oferta seguiu discreto, pois boa parte dos pecuaristas está fora de atividade nesse período”, comenta o analista de Safras & Mercado, Allan Maia, apontando um retorno gradual da normalidade no ritmo de negócios apenas para a primeira quinzena de janeiro. 

“Com isso, o volume de oferta deve continuar curta nos primeiros dias de 2020. Por outro lado, os frigoríficos estão com suas escalas de abate já posicionadas para a virada de ano. Mas há possibilidade de um maior ímpeto de compra por parte dos frigoríficos, na tentativa de compor seus estoques, após as festividades”, assinalou.

Segundo a Scot Consultoria

No fechamento da última quinta-feira (26/12), o boi gordo ficou estável em São Paulo, completando quinze dias de estabilidade no preço.

Com as escalas relativamente alongadas e a ausência dos pecuaristas nos balcões de negócios, o cenário é de calmaria.

Por outro lado, no Sudeste de Rondônia e em Goiânia-GO, com a disponibilidade de gado limitada, os compradores ofertaram preços maiores a fim de completarem as programações de abate.

Nessas regiões, a cotação do boi gordo subiu 1,2% e 2,8%, respectivamente, na comparação com o último fechamento (23/12).

Arroba pelo Brasil

Em São Paulo, preços a R$ 200 a arroba no mercado à vista, estáveis. Em Minas Gerais, preços de R$ 190 a arroba, inalterados. Em Mato Grosso do Sul, preços em R$ 186 a arroba, estáveis.

Em Goiás, o preço permaneceu em R$ 186 a arroba em Goiânia. Já no Mato Grosso o preço ficou em R$ 181 a arroba em Cuiabá, contra R$ 179 no dia 23 (+0,55%).

Atacado

No atacado, os preços da carne bovina ficaram estáveis. “O ritmo de negócios entre atacado e varejo evolui de maneira calma, sem espaço para reajustes neste momento. No varejo, o ritmo de negócios está aquecido, favorecido pelas das festas de fim de ano, entrada do décimo terceiro e bonificações na economia. A expectativa é de manutenção deste cenário nos próximos dias.

 Já para o primeiro bimestre de 2020 o perfil de consumo tende a mudar, considerando que as famílias contam com despesas e gastos extras,  típicos de um início de ano, assim a opção prioritária tende a ser por cortes mais acessíveis, e a demanda se concentra no dianteiro e na ponta de agulha” disse Maia.

O corte traseiro teve preço de R$ 15,80 por quilo. A ponta de agulha seguiu em R$ 11,10 por quilo, mesmo preço do corte dianteiro.

Compre Rural com informações do Canal Rural e Scot Consultoria

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com